Blog de Ana Lucia Vasconcelos

busca | avançada
30388 visitas/dia
870 mil/mês
Mais Recentes
>>> Windsor Marapendi apresenta Conexão Rio com convidado especial Celso Fonseca
>>> Rafa Castro Trio traz Jazz e MPB para a Série Tardes Musicais da Fundação Ema Klabin
>>> Índios são ​celebrados com exposição
>>> Debate na Livraria Travessa 'Brasil, um País Intolerante' #Colabora
>>> Inscrições abertas para palestra sobre o diário de Marco Polo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> Minha finada TV analógica
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Vermelho (série: Sonetos)
>>> Os vãos nunca em vão
>>> O VERBO ALQUÍMICO
>>> Procissão
>>> Questionamento
>>> As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!
>>> Black Mirror, nós e os outros
>>> Quadro negro
>>> Ilusão de ótica
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Coreia do Norte contra o sarcasmo
>>> Quem destruiu Anita Malfatti?
>>> Para você estar passando adiante
>>> Entrevista com Marcel Telles
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Casa Arrumada
>>> Casa Arrumada
>>> Autoajuda e Poesia
Mais Recentes
>>> O Golpe Das Letras
>>> Das lições que a vida ensina (novo)
>>> Religião e Futuro
>>> O Espírito e o Verbo- A questão pneumatológica em Yves Marie Joseph Congar
>>> Juizes- A Salvação de uma Sociedade em Crise
>>> Sai Baba- O Homem dos Milagres
>>> Bem-vindo a família de Deus
>>> Lolita
>>> O cavaleiro da sombra
>>> A menina feita de espinhos
>>> Almanaque 1964
>>> Tratado de quirologia médica
>>> O Futuro da América
>>> As Consequências Morais do Crescimento Econômico
>>> Microtendências - as Pequenas Forças por Trás das Grandes Mudanças de Amanhã
>>> Histórias de ouvir da África Fabulosa
>>> História do Negro Brasileiro
>>> Negritude - Usos e Sentidos
>>> Fortaleza Digital
>>> O Milagre
>>> Contabilidade Geral Esquematizado
>>> Contabilidade Geral 3D - Descomplicada, Desmistificada, Decifrada
>>> Manual de Direito Constitucional
>>> Manual de Direito Administrativo
>>> Os Afetos Ocultos em...Psoríase,asma, transtornos respiratórios,varizes, diabete,transtornos ósseos,cefaleias e acidentes cerebrovasculares
>>> De Máquinas y Seres Vivos- Autopoiesis: La Organización de lo Vivo
>>> O Mistério de Cristo
>>> O Ouro dos Tolos
>>> Brasil: 100 Comentários
>>> A Economia da Identidade
>>> Todos os Negócios São Locais
>>> Pense como Um Freak - Como Pensar de Maneira Mais Inteligente Sobre Quase Tudo
>>> Akim nº 180
>>> Um Basta à Depressão Econômica!
>>> O Doente Imaginário - Comédia
>>> As Várias Faces da Liberdade- Encontro e Diálogo Volume 12
>>> Análise Estrutural da Narrativa
>>> Direito Ambiental Brasileiro
>>> Curso de Linguística Geral
>>> Crítica de Ouvido
>>> Literatura Vitoriana e Educação Moralizante
>>> Vitória: Retrato da rainha como moça triste, esposa satisfeita, soberana triunfante, mãe castradora, viúva lastimosa, velha dama misantropa e avó da Europa
>>> Lewis Carroll Na Era Vitoriana - Outras Histórias de Alice
>>> A Volta do Parafuso seguido de Daisy Miller
>>> Frankenstein Ou O Prometeu Moderno
>>> Terra de Deus- O Significado das Terras bíblicas para os Planos e Propósitos de Deus
>>> Toxicomanias - Abordagem clínica
>>> Uma Real Leitora
>>> Manual de Caixas-Acústicas e Alto-Falantes
>>> Quem tem farelos?
BLOGS

Quarta-feira, 15/7/2015
Blog de Ana Lucia Vasconcelos
Ana Lucia Vasconcelos

 



O que é isto cultura?

 

Ana Lúcia Vasconcelos



  


  Escrevi este artigo quando fazia mestrado na Unicamp, mais exatamente de 90 a 93, durante um curso maravilhoso ministrado pelo professor Antonio Muniz de Rezende sobre Filosofia da Linguagem e Psicanálise. Ali recordei que depois que Descartes (1596-1650) disse cogito ergo sum fiquei sabendo que existo, dado que penso. E ainda aprendi que Martin Heidegger, (1889-1976) filósofo alemão, disse que o ser humano fala o que, aliás, todos sabemos. A novidade é que ele fala não por ser humano, mas o ser humano é humano porque fala. Daí que eu tenho outro dado: sou um ser humano, dado que falo. Fora isso, aprendi que depois de Kant (1724-1804) houve uma mudança radical na questão do conhecimento, segundo os estudiosos da questão. Até Descartes a questão que se colocava era: o que conhecemos, quando conhecemos alguma coisa? Com Kant a questão passou a ser: o que dizemos, quando dizemos que conhecemos (alguma coisa)?
Ou seja, e estou ainda citando o professor Muniz de Rezende: "a filosofia passou a ser uma filosofia da linguagem, uma lógica do conhecimento. Kant dizia que só a ação nos salva de um mundo fechado e Marx (1818-1883) vai dizer que não se trata de conhecer o mundo, mas de transformá-lo e que só conhecemos realmente o mundo quando queremos transformá-lo".
Para Marx, a práxis é a salvação do conhecimento. Para ele, a possibilidade do conhecimento se dá graças ao embate, ao afrontamento do homem com a natureza, do que resulta a cultura. Assim, a cultura para ele seria fruto da transformação da natureza pela ação humana. O que significa em última análise, que o conhecimento nasceria da práxis. (Em tempo, quero esclarecer que não sou marxista, apenas estou citando um pensador com quem no caso, concordo completamente).

 

“Quando eu ouço falar em cultura, eu puxo o revólver”

 

Mas afinal o que é isto, cultura? Joseph Goebbels (1897-1945), diretor de Propaganda Política do Terceiro Reich, braço direito de Hitler, sobre esta questão emitiu uma frase que ficou célebre: "Cada vez que ouço falar em cultura, eu puxo o revólver". Alguns, quando ouvem falar na tal coisa, puxam uma caneta e prejudicam largamente a cultura e a arte.
Primeira reflexão: quer dizer que o conhecimento que nasce da práxis, ou seja, do contato dos homens em ação, em ação de viver no mundo é perigoso? Talvez assustador? Sim, porque Goebbels disse que puxava o revólver e outros a caneta e o prejuízo que ocasionaram foi semelhante para os povos das respectivas nações, e então podemos concluir que eles tinham medo da cultura? Mas afinal, o que é isto cultura, para que pessoas tenham medo dela?
Cultura é o acervo de conhecimentos da humanidade, em primeiro lugar, mas não o acervo enquanto peça de museu, paralisado, feito, acabado, mas o acervo em processo de feitura. Enquanto escrevo este artigo, milhões de pessoas no mundo inteiro estão escrevendo suas matérias nos jornais, editoras, artistas estão criando suas obras nos seus coreógrafos estão fazendo seus balés, diretores de teatro ensaiando suas peças com seus atores, cientistas estão pesquisando nos seus laboratórios, estudantes estão aprendendo nas salas de aula, operários estão trabalhando em suas máquinas, novas descobertas em todos os ramos do conhecimento humano estão sendo detectadas nos simpósios e congressos e assim, neste espaço de tempo de algumas horas, este acervo já está enriquecido de novos conhecimentos e assim indefinidamente.
Mas cultura é também identidade de um povo, sua impressão digital, sua marca registrada. Quando eu digo sou brasileira, o estrangeiro que me ouve registra imediatamente as informações que tem sobre este país. Quando eu dizia isso na Europa a maioria dizia: carnaval, Pelé, Rio, ou seja, símbolos do Brasil que não são exatamente tudo o que é a cultura do país, mas é o que a maioria lá fora pensa da cultura brasileira.
Hoje naturalmente há o cinema que está voltando com fôrça no mercado internacional, a música popular, o teatro, a literatura brasileira que cada vez mais está sendo conhecida em outros países do planeta e mesmo as telenovelas (ainda que façamos todas as críticas acerca delas) enfim as coisas estão começando a melhorar, mas ainda é pouco. Se quisermos que as coisas mudem, precisamos mudá-las.

Violência é cultura

     Quando eu era editora de lazer do Jornal de Hoje de Campinas, (lazer é cultura) fiz uma matéria sobre um crime bárbaro cometido por um jovem de 19 anos (violência é cultura... da barbárie evidente), e contei, para um dos meus entrevistados, o psiquiatra Sully Urbach, professor de Psicologia Médica da PUCCAMP na época, (hoje ele está aposentado da universidade, mas continua clinicando), que havia tido a ideia de escrever sobre o tema varrendo a casa. Ele me disse: "mas varrer a casa é um ato cultural". Aliás, tenho boas ideias tomando banho. Banho também é cultura.
Vamos lá: varrer a casa é um ato cultural meu, ou um ato cultural comum a toda a humanidade como parte daquele acervo de conhecimentos que constitui a cultura? Varrer a casa é um ato cultural de uma pessoa que mora num país da América do Sul, colonizado por um país europeu chamado Portugal, de quem herdou costumes, religião, etc. e que também é um país integrado por várias nacionalidades europeias e asiáticas, sendo, portanto constituído de várias culturas e que apesar disso tem uma identidade nacional própria, ou seja, tem uma cultura própria.
Uma cultura própria, aliás, composta de várias culturas, como a das tribos indígenas remanescentes no país que não praticam este ato cultural de varrer a casa, o que não significa que haja superioridade da nossa cultura em relação à deles: simplesmente pertencemos a culturas diferentes.
Daí que quando pensamos em cultura podemos estar falando do acervo de conhecimentos comuns à humanidade, ou de um modo de vida de um determinado povo ou de diferentes camadas, segmentos deste povo. Mas os povos não vivem isolados, vivem inter-relacionados-: para falar a verdade, depois dos satélites viramos uma "aldeia global" como disse Marshall Mac Luhan e tanto isso é verdade que a Guerra do Golfo, por exemplo, ou da Iugoslávia, ou os atentados ao World Trade Center e suas consequências, só para citar três exemplos relativamente recentes, afetaram todos nós. Isso sem falar que agora com a Internet estamos irremediavelmente ligados para o que der e vier per omnia saecula seculorum.

Opções à barbárie

     O pesquisador José Luis dos Santos, autor do livro O que é cultura, da Coleção Primeiros Passos da Editora Brasiliense diz que "cultura pode, por um lado referir-se à cultura dominante e por outro, a qualquer cultura. No primeiro caso cultura surge em oposição à selvageria, à barbárie e aqui seria a própria marca da civilização.Num segundo momento, ele acredita que se possa falar de cultura como a marca das camadas dominantes da população de uma sociedade, em oposição à falta de domínio da língua escrita ou à falta de acesso à ciência e a religião das camadas dominadas. No segundo caso pode-se falar da cultura, referindo-se a qualquer povo, nação, grupo ou sociedade humana. Ele diz ainda que "considera-se cultura todas as maneiras de existência humana".
Isso significa que não posso escapar da minha cultura ou até posso viver no meio dos índios brasileiros, por exemplo, e até me adaptar ou viver no deserto do Saara, com os pastores nômades ou com os esquimós ou sei lá com quem, mas vou (vamos) continuar sendo nós mesmos no meio de outra cultura. Ou seja, meus mínimos gestos (os seus também) me traem de tal forma que uma vista d'olhos num grupo qualquer, um rápido passeio pelas ruas de uma cidade aqui ou alhures, me permite, te permite, nos permite, observar o grau de cultura daquele "povo".
A cultura transparece, ela é subjacente ao nosso comportamento, ao nosso modo de estar no mundo. Daí que saber andar na rua é cultura, saber se comportar no trânsito é cultura, ser honesto é cultura. Fazer cambalacho é cultura, querer levar vantagem em tudo é cultura, ser corrupto é cultura, dissimular é cultura, ser ineficiente é cultura. A cultura da barbárie bem entendido.
Além disso, cultura tem a ver com objetivos, fins, visão de mundo. Dependendo das respostas a essas perguntas: que tipo de sociedade somos, o que pretendemos de nossa vida em comum , que objetivos pretendemos atingir como Nação poderemos elaborar planos, traçar diretrizes, estabelecer metas. Daí que consciência é cultura, a tal ponto que o que pensamos sobre coisas como consumo, distribuição de renda, acesso à educação, vai dizer que tipo de cultura é a nossa.

Recordar é cultura

Só para recordar (recordar é cultura): o Goebbels disse que puxava o revólver cada vez que ouvia falar em cultura. Vamos pensar com calma: eu puxo o revólver, bom eu não puxo porque eu não tenho um revólver, mas na hipótese de eu ter um, em que circunstâncias eu o puxaria? Pausa para pensar. Fim da pausa: me imaginei num safári (safári é cultura) em plena selva africana e constatei numa viagem imaginária que não puxaria o revólver mesmo se ameaçada por um leão (ou uma leoa). Não consegui apertar o gatilho. E Goebells? apertaria o gatilho?
O que acontece é que os violentos, os tiranos explícitos ou disfarçados, de todos os tempos e de todos os quadrantes do planeta, têm o conhecimento, a arte, a livre expressão, a cultura enfim do povo, sob mira dos seus revólveres, espingardas ou metralhadoras ou debaixo do tacão de suas botas ou simples sapatos de couro (alemão, ou não).
O fato é que pensar debater ideias, adquirir conhecimento e tomar consciência é assunto de alta periculosidade. Isso porque é a luta simbólica da luz contra as trevas, ignorância versus conhecimento, negritude versus luz irradiante do sol interior que se abre para quem busca o conhecimento e além dele, a sabedoria.
Paralisadas de medo na verdade "concretos na sua concretude" como diz a psicanálise, (isso também aprendi com o professor Muniz de Rezende), não indo além do visível, incapazes de transcender através da simbolização e ir além da "mera física", os tiranos na verdade são mais dignos de pena. Mas atenção, o mal que eles fazem, o estrago que praticam à sua volta é tenebroso, às vezes insanável por gerações. Daí que é preciso detê-los na sua escalada destruidora. E detê-los como? Que tal agirmos em favor da vida contra a morte. Você duvida que a ação nos transformará?



[Comente este Post]

Postado por Ana Lucia Vasconcelos
15/7/2015 às 16h16

 
O que é isto cultura?




[Comente este Post]

Postado por Ana Lucia Vasconcelos
8/7/2015 às 20h37

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MULHER DO TENENTE FRANCÊS
JOHN FOWLES
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 4,60



UMA LUZ NO SERTÃO (PADRE CÍCERO)
CAIO PORFÍRIO CARNEIRO
CLARIDADE
(2007)
R$ 5,00



DEUS E CADA HOMEM
LYDIO MACHADO BANDEIRA DE MELLO ( AUTOR NO WHO'S WHO)
DO AUTOR
(1980)
R$ 48,00



VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS
CABRAL, STELAMARIS ROSA; LUCAS, SÔNIA
GRAMMA
(2010)
R$ 25,00



A MEGERA DOMADA
SHAKESPEARE
L&PM
(2016)
R$ 16,00



OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO
EDGAR MORIN
CORTEZ
(2000)
R$ 21,00



OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES- UMA INTRODUÇÃO
PENHA CARPANEDO
PAULINAS
(2006)
R$ 5,20



OSCAR NIEMEYER COLEÇÃO FOLHA GRANDES ARQUITETOS
GUILHERME WISNIK
FOLHA DE SÃO PAULO
(2011)
R$ 20,00



DICIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA LAROUSSE CULTURAL
CIRCULO DO LIVRO
CIRCULO DO LIVRO
(1992)
R$ 10,00



TEATRO DON ROBERTO - O TEATRO TRADICIONAL ITINERANTE PORTUGUÊS DE MARIONETAS
JOSÉ MANUEL VALBOM GIL
EGEAC
(2013)
R$ 180,00




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lane Vasquez
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
30388 visitas/dia
870 mil/mês