Voz de Leigo

busca | avançada
30869 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
>>> A economia que a politicagem comeu
>>> "Duas Ninfas", processo de criação da pintura
>>> Se correr o bicho pega. Se ficar o bicho come...
>>> Suores
>>> DOIS POEMETOS E UM SONETO INÉDITO
>>> O encontro improvavel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Jornalismo literário: a arte do fato?
>>> Crônica, um gênero brasileiro
>>> Muitos amores
>>> O espectro de Paulo Francis
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Teatro no interior
>>> A Poética do Chá
>>> ¡Qué mala es la gente!
>>> 100% elite branca
Mais Recentes
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
>>> Municipalização do ensino no Brasil (novo)
>>> A Chama Viva do Amor- A Festa do Espírito Santo
>>> Os princípios de liderança de Jack Welch
>>> O manual do novo gerente
>>> Bórgia: o poder e o incesto
>>> Bórgia: tudo é vaidade
>>> Bórgia: as chamas da fogueira
>>> Bórgia: sangue para o Papa
>>> The walking dead
>>> Como fazer amgos e influenciar pessoas na era digital
>>> Os milionários do Gênesis
>>> Brasil: 100 comentários
>>> Era uma vez uma empresa
>>> Como se tornar um lider servidor
>>> O homem mais rico da Babilônia
>>> A arte de ganhar dinheiro
>>> Um bom professor faz toda a diferença
>>> Os segredos da mente milionária
>>> Casais inteligentes enriquecem juntos
>>> Sonho Grande
>>> Os cães nunca deixam de amar
>>> O maior vendedor do mundo
>>> Economia e espiritualidade
>>> O milionário Moisés
BLOGS

Sexta-feira, 1/1/2016
Voz de Leigo
João Jackson Costa

 
Fim de ano. Outra vez...

Aproxima-se um novo final/início de ano civil e, com isso, pululam os conhecidos e tradicionais votos augurando um tempo novo melhor, na esperança de que venham sucessos, saúde e alegrias melhores do que as experimentadas no período que se conclui.
E novamente vêm à tona as reflexões próprias de quem tem tempo para isso, numa tentativa de adivinhar o porvir, mais do que em qualquer outra época.
É o momento das "promessas" a serem cumpridas por todo o ano que começa, embora quase todos saibamos que elas serão esquecidas à chegada de um novo acontecimento, sobretudo se este for, como costumam ser as novidades, inesperado e suficiente para engavetar as proposições anteriores.

Mas não deixa de ser algo bom parar um pouco dessa correria em que se transformou a nossa vida e, sem a pressa contumaz, sonhar um pouco, saboreando os instantes que aparecem e nem sempre nos encontram atentos para aproveitá-los.
Tempo para dar um sorriso sem razão, cantarolar mesmo que seja uma canção que denuncie a nossa idade, brincar um pouco...
Coisas simples que às vezes a gente esquece de que são possíveis e, quase sempre, gratuitas e gratificantes. Como a luz e o calor do sol da manhã, o cheiro de chuva ao fim da tarde, o luar que enfeita algumas noites...
Coisas que estão aí quase todos os dias, mas que a gente nem se apercebe, porque está bastante empenhado em produzir, realizar coisas que não permanecerão conosco. Tipo ganhar dinheiro e mais dinheiro, comprar celular novo, carro novo, casa nova, vida nova...

E nem precisa ficar pensando em filosofias, basta apenas esticar a perna por sobre outra, numa cadeira ou banquinho, bebericar um copo de cerveja, de vinho ou mesmo um refrigerante ou suco, deixar o pensamento viajar à toa, sem pressa de chegar.
Coisas assim pequenas, simples, e que costumam não custar muito caro.

Ainda...

dezembro/2015.

[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
1/1/2016 às 23h26

 
Os inominados




Em minhas "andanças" pelas Escrituras deparei-me com aquilo que hoje criei coragem para discorrer mais detidamente a respeito. São trechos dos evangelhos em que Jesus se encontra com pessoas concretas e nelas se veem verdadeiras catequeses.
São diversos esses encontros de Cristo que se podem saborear e nos conduzem a um amadurecimento na fé - Madalena, Zaqueu, Natanael, a samaritana, o cego de Jericó, a hemorroíssa, e tantos outros mais.

Entretanto, percebi que há também pessoas que são, por assim dizer, inominadas; não nos são 'apresentadas' e o contexto chega a ser tão explícito que as conhecemos sem delas saber o nome ou a procedência. Apenas estão lá, com suas atitudes registradas pelos evangelistas.

Isso me chamou a atenção, de modo que me permiti comentar sobre elas. Para tanto escolhi três dessas situações, que são essas:
1] - Crucificado, Jesus fica entre dois malfeitores. Um deles o evangelista diz chamar-se Dimas. E o outro, como se chama?
2] - Ressuscitado, Jesus tem sua visita aos apóstolos contestada por Tomé. Esse apóstolo é chamada também como "Dídimo", que quer dizer "Gêmeo". Ou seja, Tomé, o incrédulo, tem um irmão gêmeo. Como se chama esse irmão?
3] Durante o percurso de Jerusalém a Emaús Cristo aparece e inflama o coração de dois discípulos, que o reconhecem apenas ao partir o pão. Um deles o evangelista diz que se chama Cléofas. Qual o nome do outro discípulo?

Apartados das multidões que seguiam Jesus, em episódios pontuais, essas pessoas aparentemente desconhecidas são colocadas pelos evangelistas de modo que compõem a moldura de um cenário catequético e mesmo querigmático.
Partindo desses três episódios é-nos permitido pensar que se trata de uma forma de evangelização utilizada pela Igreja primitiva, a mesma que a reforma teológica iniciada com o Concílio Vaticano II tem revigorado em nossa Igreja.
Os últimos papas - Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI- e também o atual, Francisco, em muito contribuíram para resgatar esse modo de evangelizar.
Sabemos que os Evangelhos não são relatos puramente históricos da vida de Jesus. Antes, constituem um modo utilizado pela Igreja Primitiva para catequizar os que buscavam a Igreja para serem batizados e experimentar a mesma alegria que viam nos cristãos de sua época, mesmo em meio à perseguição política e religiosa de seu tempo.
E qual seria esse "método"? O de catequizar por meio de diálogos que colocam a adesão a Cristo, crucificado e ressuscitado, numa dimensão existencial, já em vista da escatologia dos últimos tempos.
Assim, o catequizando torna-se parte intrínseca do processo; a catequese o insere em cada momento registrado da presença de Cristo. Algumas vezes fazendo parte da multidão - como no sermão da montanha, na pesca milagrosa, na multiplicação dos pães, etc. Em outras, a participação é individual, como nos momentos que ressaltei.

Observando segundo esse enfoque, podemos direcionar para quem escuta a identidade da pessoa que os trechos proclamados mencionam. Assim, o "ladrão" ao lado de Jesus sou eu, é você. O irmão gêmeo de Tomé e o companheiro de Cléofas, também.
Ou seja, somos nós os que blasfemamos diante do Crucificado; somos nós ainda um dos que duvidam da ressurreição - possivelmente porque nos encontramos sepultados em nossos pecados - e também somos nós que não conseguimos identificar Cristo no outro, que caminha ao nosso lado. Somos lentos para entender o cumprimento das Escrituras - não só na vida de Jesus, que alguns de nós conhecemos até de cor, mas, sobretudo em nossa própria vida - em casa, na escola, no trabalho, na comunidade...

Jesus vai ao nosso lado e não o reconhecemos!

Outro aspecto interessante é que, antes da ressurreição esses encontros "personalizados" se dão geralmente em meio à multidão. Apenas depois da Páscoa é que ganham esse contexto particular. Ressuscitado, o Senhor se torna mais ainda "um conosco", faz-se presente na individualidade de cada um para nos conduzir à comunhão com os outros, a nos fazer verdadeiramente Igreja-comunidade.
Penso que isso também é uma forma de centrar nosso enfoque para o principal. São Paulo e outros apóstolos garantem que o eixo do Cristianismo não se encontra no Jesus histórico, aquele que percorreu as estradas e cidades de Israel do tempo da dominação romana. Mesmo sua paixão e a morte foram "etapas" até alcançar o ponto principal e que permanece até hoje como o centro da pregação - um homem venceu a morte, foi sepultado, mas de lá saiu sem experimentar a corrupção.
Essa garantia a tiveram os apóstolos e os que creram na sua palavra, no anúncio que receberam de quem testemunhou isso tudo. E para nós isso deveria ser suficiente, se tivéssemos força de vontade para resistir aos que nos dizem o contrário.

No entanto, nos escandalizamos quando nos deparamos com o nosso próprio pecado, seja ele qual for. Em nossa ideia de justiça queremos ser perfeitos por nossas próprias forças e isso, por não vir de Deus, não o conseguimos. Queremos estar convertidos de uma vez por todas, mas a realidade, o dia a dia nos faz experimentar que isso é algo impossível, pois esbarramos sempre em nossa limitação.
Por que Deus permite que seja assim? Creio que São Paulo tem a resposta: quando escreve aos cristãos de Roma afirma que somos seres carnais e não espirituais; e que o homem da carne não pode agradar a Deus, não pode realizar as obras do Espírito.
Quando nos voltamos para as coisas do Espírito a nossa carne - nossas concupiscências - reclama, porque deseja ser saciada. Isso nos leva ao combate interior, cujo resultado fica evidente apenas a quem nos observa com atenção. São as nossas atitudes que revelam o vencedor dessa batalha que se trava lá no íntimo de nós.
Se em nós venceu o Espírito de Deus, nosso comportamento exterior revela essa condição. E também se venceu a carne!

Se, mesmo ganhando o mundo, somos tristes e acabrunhados, 'reclamões' e insatisfeitos, permanecemos, como os personagens mencionados ao início, inominados, dispersos na multidão, qual massa disforme, sem pertença particular a grupo algum.

É o que desejamos?

[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
21/5/2015 às 11h35

 
Experiência gratificante

Vivi neste final de semana uma experiência que, confesso, desejava, mas não alimentava a expectativa de vê-la realizada.
Já são quase trinta anos de caminhada - a se completarem em junho próximo - e eu sentia algo como um princípio de desânimo, apesar das muitas vitórias de Cristo que presenciei durante o transcurso dessa peregrinação.

Tivemos a convivência de Início de Curso 2015 com as comunidades que nossa equipe conduz - três da Transfiguração do Senhor e duas de Nossa Senhora das Graças, ambas em Ananindeua. Conosco estavam duas de Santa Rita de Cassia e duas de Nossa Senhora do Guadalupe, também de Ananindeua, conduzidas pela equipe que tem à frente Josimar e Luzia. E ainda uma comunidade - não recordo qual - de Cristo Rei, Castanhal, levadas à frente pela equipe do Carlos Leal e Aldenora.
Ao todo eram dez comunidades de cinco paróquias, que, somados os catequistas e algumas babás, ultrapassavam 150 pessoas, mais do que o limite previsto para a Casa, em torno de 130 a 140 almas. E mais da metade - arrisco estimar em ¾ do total - jovens. Havia quartos que tiveram sua capacidade excedida, colchões pelo chão. Humanamente, tudo contribuía para um caos.
Até nosso catequista se mostrou preocupado e, embora confiante, buscava notícias sobre o evento, que se encerraria no domingo do dia das mães, outro elemento que poderia conturbar a convivência.
Mas aí se deu o primeiro dos milagres que presenciei. Não houve qualquer tumulto. Lembro de apenas uma reclamação, a de uma mãe que desejava mais conforto para seu filho, ainda que este nada manifestasse. Coisas de mãe...

No sábado, que se desenhava bastante assoberbado - Laudes, perscrutação, Penitencial, questionário... -, meu coração permanecia sobressaltado, como à espera de um desastre. Para verem como sou pessimista...
Durante a penitencial nem me lembro de quantos padres havia ao certo, pois ficou gravada a experiência compartilhada pelo padre Vicente, lusitano que nem o meu primeiro catequista, padre João Marcos, hoje bispo na terrinha (e conhecido de padre Vicente). Alguém que viveu um tempo de crise que quase o fez desistir da vocação e que reencontrou o ardor ao trabalhar com jovens egressos das drogas num centro de reabilitação. Precisou cruzar o Atlântico para recuperar a fé...
Uma declaração corajosa e entusiasmante, que quase nos fez perder o desejo de almoçar, após o pequeno jejum daquela manhã.



Após o "desjejum festivo" e um pequeno intervalo a assembleia foi dividida em grupos para responder a um questionário com perguntas sobre a orientação do magistério da Igreja colocado em prática na vida cotidiana. Não era exatamente esse o título dado, mas, em resumo, era esse o assunto.

Na hora de colocarmos em comum as respostas do questionário, eu, na minha incredulidade, via aí o segundo estrangulamento da convivência, sendo que o primeiro, na noite anterior, já não ocorrera.
Foram dezoito grupos mesclando jovens, casados, viúvos, respondendo a uma dezena de perguntas que desnudavam não somente o conhecimento, mas, sobretudo a vivência da orientação recebida da Igreja enquanto instituição.
Numa sala ampla e refrigerada - temperatura média de 18 graus -, já pela manhã acontecera de muitos se agitarem para fugir do frio, deixando seus lugares ou mesmo saindo, ignorando o momento, quer fosse uma pregação, uma leitura ou um canto. Aproximava-se a noite e a temperatura exterior também caía...
Aí se deu o segundo milagre. Durante mais de uma hora, sucedendo-se respostas dadas pelos secretários, nenhum dos jovens deixou a sala. Escutavam atentos ao que era dito nas respostas ou eventuais intervenções dos catequistas.
Isso nos deixou assombrados - no bom sentido, claro! Mas havia ainda surpresas reservadas para aquele dia...

Após o jantar, quase nove da noite, voltamos a nos reunir para escutar uma catequese sobre o magistério da Igreja, procurando iluminar nossa conduta, enquanto desejosos de sermos verdadeiros cristãos. A rigor, um tempo árduo, pois, ainda que o tema possa ser interessante, há um combate terrível contra o cansaço, o sono e o frio do ambiente - a temperatura continuava em 18 graus.
Era a hora de ocorrer o terceiro milagre: uma assembleia atenta permaneceu na sala por quase duas horas, como que bebendo do que a Igreja trazia para alento do espírito e encorajamento dos ânimos de todos nós.
Nas convivências, no sábado à noite, encerrados os trabalhos do dia, é costume as pessoas se reunirem - geralmente os mais jovens, embora também alguns adultos - para "esticarem" um pouco em rodas de conversas, cantorias, danças... Quando são muitos os jovens, não raro ocorre de haver excessos: vozes e cantos que incomodam a quem busca o repouso, o que sempre gera alguma confusão...
Hora, então, de mais um milagre: nada disso aconteceu. Ficaram reunidos até mais de uma hora da manhã e nenhum exagero. E havia entre eles alguns dos que se costuma chamar de "bagunceiros". Coisas do Espírito Santo...

Não bastasse tudo isso, no domingo houve a celebração da Eucaristia. A previsão era de que fosse presidida pelo padre Edmundo, que já estivera no sábado, para a penitencial. A surpresa veio por conta da impossibilidade de vir à convivência por causa de outra tarefa recebida para o mesmo horário.
Procuramos por um presbítero e parecia que ou ficaríamos sem Eucaristia, ou a celebraríamos quase ao meio-dia, quando seria possível chegar o padre Edmundo.
E aí, para selar a convivência, como um "plano B", eis que vem o padre Vicente, aquele mesmo que vivera a experiência do resgate de jovens, que nos brindou com uma bela homilia, dessas que dá raiva na gente ter deixado de gravar para escutar outra vez mais tarde.
Selando os milagres desse final de semana, a notícia do pagamento - integral e com sobras - da convivência, apesar das dificuldades que muitos alegaram com antecedência, inclusive usando o argumento de não terem dinheiro para os gastos. Definitivamente, Deus queria que essa convivência acontecesse!

Retornei para casa cansado, é verdade, mas agradecido a Deus pela oportunidade que me concedera de presenciar os milagres que enumerei. Uma convivência de Início de Curso que guardarei com carinho entre as várias lembranças de passagens fortes do Senhor, fazendo prodígios com seu braço forte.
Apesar da minha incredulidade, não tenho como não reconhecer o que diz o salmista quando afirma que "o braço de Iahweh não secou", o seu poder permanece e, se é assim, certamente haverá de completar a obra que começou comigo.


[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
13/5/2015 às 13h04

 
Sobre o tempo

Um dos fatores que nos levam a crer numa linearidade do tempo é a, até agora, nossa incapacidade de refazer — ou desfazer — algo do que conceituamos como passado.
E esse 'passado' mesmo sendo imediato, é definitivo. Não posso 'engolir' a palavra que proferi segundos atrás; o máximo que consigo é não repeti-la para quem não a ouviu ou entendeu o significado.
Não deixa de ser frustrante constatar a limitação que se nos apresenta. Podemos apenas 'trabalhar' o hoje, pois sequer o amanhã jamais se encontra ao nosso alcance.
Assim, o dia seguinte é sempre uma incógnita, um ilustre desconhecido que, ao se descortinar, já é o hoje que pretendíamos moldar à nossa vontade.

Viver sob essa perspectiva é sufocante para quem não consegue se projetar para a eternidade. Pois esse terreno é extremamente desprovido daquilo de que precisamos para podermos exercer qualquer tipo de domínio.
O terreno da eternidade não tem certezas humanamente plausíveis, é a área do imponderável.
E isso me faz devanear...

Creio que ali não se encontrem "palpáveis" nem o espaço nem o tempo como nos temos acostumado a conceituar.
Penso que, em sendo assim, seria talvez possível contemplar, como numa câmera de 360º, toda uma existência, desde o momento da concepção até o instante em que se apagam os chamados 'sinais vitais'.
Seguindo esse raciocínio, seria então o momento em que toda a verdade se descortinaria. Saberíamos de todos os segredos de todo mundo, incluindo aí as origens do universo.
Quando veríamos quem de fato estava com, a razão em seus pronunciamentos.
E também se seus argumentos eram realmente convicção ou mera aposta em uma suposta inspiração.

Mas, como disse antes, isso é apenas devaneio...
O tempo é, de fato, inexorável para a nossa existência neste mundo. Assim, desperdiçá-lo é um crime. Talvez o mais hediondo de todos.
Pois, se caminhamos para a morte, não temos o direito de preenchê-lo com abobrinhas, tirando o foco do que realmente interessa.
E é pensando assim que vou parar por aqui e voltar ao mundo real, àquilo que de fato irá me proporcionar ganhos reais para a minha vida neste universo.
Eu mesmo, os meus, o trabalho etc.

Deixo o assunto em aberto para quem desejar prosseguir...
Só peço não se esqueça de me mandar um post para que, se for o caso, eu tecer algum comentário.

[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
28/4/2015 às 10h48

 
bombardeio

Dia após dia sou bombardeado por notícias e mensagens que procuram obter de mim o voto, digo a adesão à causa que defendem aguerridamente.
Tal bombardeio por vezes interrompe o meu tempo de ócio, pois, como profissional, sou obrigado a ignorá-lo no desempenho das funções pelas quais sou remunerado.
Assim, na hora do cafezinho, no meio das notícias que realmente importam - como o resultado do futebol no mundo - lá vem um texto criticando o Governo, apontando diversas falhas e as formas de melhorar o contexto da atualidade.

Em seguida me deparo com palavras que achincalham a direita, enumerando os muitos erros cometidos no passado e o risco pairando no ar de reviver os mesmos dramas caso eles - sempre eles! - tenham suas ideias absorvidas e colocadas em prática.
Ambos me pedem para divulgar suas matérias aos meus amigos - reais e, sobretudo, também os virtuais.

Fico a me perguntar como conviver com essa dualidade...

E percebo que basta ignorar a leitura e seguindo a vida, pois nenhuma deles - sempre eles! - vai conseguir me fazer melhorar a minha 'qualidade de vida'. Nenhum - nem de direita nem de esquerda - vai me garantir um trocado (limpo!) para complementar o salário que acabou na semana passada e que só voltarei a receber no mês que vem.
E fora as aporrinhações que a vida real traz, como o ônibus sempre lotado, a chuva fora de hora e a gripe que ameaça chegar de repente.
Esse caos que não é nem de direita nem de esquerda não me convida a tomar partido, simplesmente se instala e procura me deixar prosternado - eita, usando palavra de domingo em plena quarta-feira!



[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
15/4/2015 às 14h49

 
À distância

Acompanho à distância os movimentos "anti" que se sucedem Brasil afora, com o cuidado de não ser apanhado em alguma das armadilhas que também vejo aparecerem por aí, sem a preocupação de escolher um lado, mas também sem ficar exatamente em cima do muro, como alguém acima de todas essas coisas.

Tento analisar os fatos, mas são tantas informações contraditórias que me assusto antes mesmo de começar.
Lógico que tudo isso que está acontecendo me afeta.
Fui fazer as contas de um dos textos que me chegaram às mãos e descobri que sou da classe média.
O que me coloca no rol dos martirizados pelos 'choques' da economia.
Sinto o bolso ficar vazio antes do final do mês cada vez mais cedo do que ocorria décadas atrás. Isso me deixa descontente, claro, mas não me sinto impulsionado a ir para as ruas e exigir justiça.

E por que não?
Porque venho aprendendo a não ver nisso a razão da minha felicidade. Ou seja, que não será o fato de ter mais ou menos - dinheiro, bens etc. - que me fará feliz, feliz de verdade.
Digo que "venho aprendendo" e não que já aprendi, porque há ocasiões em que me surpreendo com pensamentos que traem aquilo que a razão estabeleceu como verdade.
E não me sinto constrangido em reconhecer essas "falhas", porque são justamente elas que me permitem não julgar quem as comete acreditando que seja esse, de fato, o caminho - lutar contra as estruturas de injustiça que pululam por aí.

Sim, houve tempo em que eu pensava exatamente assim, até me dar conta de que isso é transitório, não um definitivo.
Estava de tal forma envolvido por esse pensamento que sofria bastante - bem mais do que hoje - por me sentir um fracassado, por não estar entre os mais ricos, entre os que haviam conseguido alcançar tudo o que buscavam.

Mais tarde explico o que me fez - e continua fazendo - agir diferente da maioria dos da minha geração...



[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
8/4/2015 às 12h44

 
Testando a plataforma

Estou iniciando o caminho para me tornar um blogueiro do Digestivo.
É verdade que já fiz um pouco desses exercícios com html, mas faz muito tempo, já esqueci tudo... Que nem quando escrevia pro jornalzinho da escola.
Vamos ver como vai ser por aqui...

Não vai ser a mesma coisa que hoje faço no Palavra Paraense.
Ali eu não tenho qualquer preocupação com os html da vida, apenas pego meus textos digitados no Word, copio e colo diretamente na página do blog.
Aqui, parece-me, vou ter um pouco mais de trabalho, mas...
Penso que vai valer à pena...

[Comente este Post]

Postado por João Jackson Costa
3/3/2015 às 10h24

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRANHOS EM CASA
GEORGES SIMENON
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 7,90



SPAS: ALQUIMIA DE UMA JORNADA
LIGIA DA LUZ POSSER
BESOUROBOX
R$ 85,00



IMPRESSÕES DE UM AMADOR: TEXTOS ESPARSOS DE CRITICA 1882-1909
GONZAGA DUQUE
UFMG
(2001)
R$ 40,00



SOU PÉSSIMA EM MATEMÁTICA!
BÉATRICE ROUER E ROSY
SCIPIONE
(1996)
R$ 10,00



HISTÓRIA DA CULTURA TEATRAL
MAX GEISENHEYNER
HERDER
(1961)
R$ 32,00



CANTAR DE AGAPITO ROBLES
MANUEL SCORZA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1979)
R$ 30,00



DE PERNAS PARA O AR - TEATRO DE REVISTA EM SÃO PAULO
NEYDE VENEZIANO
IMPRENSA OFICIAL
(2006)
R$ 26,00



REFERENCE DATA FOR RADIO ENGINEERS : THIRD EDITION
FEDERAL TELEPHONE AND RADIO CORPORATION
AMERICAN BOOK STRATFORD
(1951)
R$ 30,00



EUGÊNIA GRANDET
HONORE DE BALZAC
ABRIL
(1971)
R$ 8,00



O ÓBVIO ULULANTE
RODRIGUES, NELSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 28,50




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lane Vasquez
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
30869 visitas/dia
757 mil/mês