Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
>>> Programa musical Reverbera estreia na TV Brasil, Rádio MEC e web nesta sexta (23)
>>> Elian Woidello apresenta show Vinho barato e Cinema Noir no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
>>> Show de lançamento do Selo Blaxtream reúne grandes nomes do jazz e da música instrumental em SP
>>> Autobiografia de George Sand ganha edição brasileira em volume único
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Alfarrábios
>>> A mulher de Lot
>>> Sem palavras
>>> Objetos de desejo
>>> Matéria prima
>>> Espírito Santo
>>>
>>> Fuga em Si
>>> Frutos
>>> Traço
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Seis meses em 1945
>>> 10 maneiras de tentar abolir o debate
>>> O amor é importante, porra
>>> Satã, uma biografia
>>> Pólvora e Poesia
>>> O que faz de um livro um clássico
>>> O Salão e a Selva
>>> O dia que nada prometia
>>> Ebook gratuito
Mais Recentes
>>> A Escalada, drogas tire suas dúvidas.
>>> O Andar no Espírito O Andar no Poder
>>> Metafísica da Sensação
>>> Dicionário do Pensamento Social do Século XX
>>> O Resto é Silêncio
>>> Antropologia Filosófica- Ensaio sobre o Homem
>>> Drogas e a Família
>>> Drogas, O universo paralelo
>>> Sitiado Em Lagos
>>> O Equilíbrio do temperamento Através da Música
>>> Cultura no Mercosul: uma política do Discurso
>>> Cristo Cósmico
>>> Coleção Série Princípios
>>> Vidas descoloridas, como Paulo se perdeu para as drogas.
>>> O Livro das Virtudes Uma antologia
>>> A Espiã
>>> Quarta-feira de Cinzas
>>> Cruzando o Paraíso
>>> A poética migrante de Guimarães Rosa
>>> Obra Reunida
>>> Dicionário Latim-Português Português-Latim
>>> Contos Mineiros
>>> Box Coleção História da Vida Privada
>>> Coleção de livros
>>> A Crônica
>>> Zen Budismo e Psicanálise
>>> A Essência do Eneagrama - Manual de Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade
>>> Guerra e Paz
>>> Depois da Morte
>>> Doze Reis e a Moça do Labirinto do Vento
>>> As Noites Difíceis
>>> Luxo
>>> Fome, Catástrofe Provocada pelo Homem? (Sociologia/Geografia Humana)
>>> Os Irmãos Karamázovi - Fiódor Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Ana Karênina - Leon Tolstói (Literatura Russa)
>>> Almas Mortas - Nicolai Gogol (Literatura Russa)
>>> Pais e Filhos - Ivan Turgueniev (Literatura Russa)
>>> Os Imortais da Literatura Universal (Biografias) Volume III
>>> Processamento de Dados
>>> Teilhard e a Vocação da Mulher
>>> Falsa Identidade- A Conspiração para Reinventar Jesus
>>> Olha para Mim
>>> The Nature of Technology: What it is and how it evolves
>>> Digital Futures for Cultural and Media Studies
>>> Creative industries
>>> Everything is workable: A zen approach to conflict resolution
>>> i of the vortex: From Neurons to self
>>> Arquivos do mal-estar e da resistência
>>> Linked: A nova ciência dos networks
>>> O segundo mundo: Impérios e influência na nova ordem global
BLOGS

Terça-feira, 30/5/2017
Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Raul Almeida

 
A sagrada liberdade e o divino direito

Nao existe maior bem do que a liberdade, não ha maior valor do que o direito. Acredito que todo mundo com mais de um neurônio, pode entender, aceitar e ate divulgar tal ideia.
A liberdade de ir e vir, a liberdade de contestar, a liberdade de viver em paz, a liberdade de tomar decisões e responder pelos resultados das mesmas. A liberdade que obriga ao respeito a liberdade do próximo.
O mesmo se da com o direito. O direito de ir e vir, o direito de contestar, o direito de escolher, o direito de assumir uma posição, um lado da questão, uma preferencia, o direito a proteção do estado, o direito a reclamar e o direito a se defender.

Quando uma pessoa no mais amplo e total exercício do seu direito e liberdade, viola o pactuado, o aceito com certo, o regido pela lei do Estado, portanto, a lei que os homens entenderam ser o melhor para reger a sociedade, escolhe algo que rompe com o combinado, o pactuado, o legal. O que todos entendem como necessário para o bem estar comum. A contrapartida tem que ser, nada mais nada menos que a aplicação da tal Lei Soberana, indiscutível, total, colegial, meia, e arquibancada.

Quem fuma maconha comete ilícito, quem fuma crack, idem, assim como que cheira ou se injeta com cocaína, morfina, heroína, e por ai vai.

As novas ferramentas do diabo, aquelas que modificam a realidade do momento vivido, estão se multiplicando a partir de fármacos e medicamentos. Ainda vem coisa por ai.
Assim, um maconheiro dentro da sua casa ou em algum lugar fechado consumindo maconha esta cometendo o mesmo ilícito do que se estivesse na rua, na praça, no clube, na praia... O cheirador idem.
Mas o cracudo não! Nao esta cometendo ilícito, não esta infringindo a lei, não esta violando o pacto principal da sociedade, a obediência as leis, de acordo com as ONGS e movimentos sociais que vão a rua defende-los.

Bem, se não estão cometendo ilícito por consumir crack, uma droga letal, ilegal e proibida, estão cometendo outros crimes bárbaros a saber: Criação de meios e facilidades para a proliferação de pragas e moléstias tais como: Sarna, piolho comum, carrapatos, phitirus pubis, o popular "chato", sífilis, aids, tuberculose... Tal como tem constatado as autoridades sanitárias que, eventualmente os examinam.
Alem de serem vetores de pragas e doenças, violam hábitos essenciais de higiene,de limpeza e de conduta social e urbana. Sim! Conduta! Promiscuidade também e ilegal!
E mais, ao obstruir calçadas e vias publicas, praças, logradouros, etc., novamente impedem que as pessoas normais exerçam o sagrado direito a liberdade de ir e vir. Atrapalham o direito das pessoas produzirem, de trabalharem, de conseguir emprego e renda, pois o comercio fecha, míngua, acaba nos locais onde a choldra viciada se reúne.
Pior. Para financiar suas delicias e devaneios, assaltam, roubam, furtam agridem e molestam pessoas normais, que não estão enlouquecidas voluntariamente, não estão infringindo, cometendo ilícitos ou crimes.
Nao da para entender a defesa do lixo, do chorume humano, da decadência, da desgraça enraizada e escolhida por alguns em detrimento de todos.

Os defensores das cracolândias, sob qualquer pretexto, são criminosos, são ordinariamente canalhas, são o pior dos lixos.Muito pior do que os cracudos que dizem defender, quando sabemos que fazem , apenas, oposição politica sistemática contra tudo e todos que querem por ordem nesse inferno.

Deveriam ser presos e responder por tamanha barbaridade.


[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
30/5/2017 às 11h24

 
Infinitamente infinito

Os primeiros momentos da manhã começaram a tinturar o céu com o azul entremeado de tons indefinidos, variando entre o rosa dos flamingos, o borgonha avinagrado do vinho dormido e o amarelo do sol, espiando ainda muito discretamente.

Ela acordou e foi saindo da cama, conferindo o horário no relógio embutido na moldura da Tv. Calçou os chinelos, moveu-se com absoluta discreção e cuidado evitando acordar o marido, espichado com a cara virada para cima, tranqüilo, arrumadinho na cama, como sempre ficava. Nunca foi de ficar se virando para um lado e para o outro. Apagava , ficava quieto depois que desligavam a TV. situada bem em frente a cama, sobre a cômoda de nove gavetas, jacarandá legitimo, herança de muitos anos, desde o tempo da bisavó.

Aquele relojinho eletrônico, com sua luz verde não apagava nunca. Acabou por mostrar-se de utilidade indiscutível. Quando havia remédio para tomar de seis em seis ou de quatro em quatro horas, no meio da noite, ele estava ali para a conferencia do horário. Os dois tinham a capacidade de acordar e tomar o medicamento sem que fosse preciso o uso de qualquer alarme. Bastava pensar firmemente na hora da próxima pílula e, pronto, acontecia. O relógio confirmava o acerto. Bem, às vezes não dava muito certo, mas meia hora pra lá ou para cá, não fazia grande diferença no entender do casal.

Deu mais uma olhada no companheiro, aproveitando o fiapo de luz que escapava para dentro do quarto, escorregando num canto onde a cortina ficava afastada alguns centímetros da parede. Lá fora a claridade aumentava rapidamente. Desde que acordou ate agora, o quarto foi ficando claro o suficiente para não precisar acender o abajur.

Foi para o banheiro tomar os cuidados de sempre. Escovar os cabelos curtos e prateados após limpar os dentes, colocar as próteses ate ali afogadas na solução de bicarbonato de sódio, piscar, repetidamente os olhos, fitar-se profundamente, tentando ver melhor o que o espelho teimava mostrar sem pena: A ação do tempo sobre a fisionomia. As linhas de expressão transmutadas em finas rugas, as marcas em torno dos olhos, as pupilas denunciando a catarata, os lábios sem o viço antigo, o pescoço.

- Arre, o tempo não da folga. Estou velha, murmurou consigo mesma.Em seguida foi preparar o café matinal, rotina que alternava com o marido.

Enquanto arrumava o suporte para o coador de flanela pensava na vida, nas centenas de cafés da manhã divididos com ele, o esposo amado.

Um arrumava a mesa, e o outro fazia o resto. A leiteira no fogão sendo cuidada para não ferver e entornar, a cesta com o pão de dieta, as torradas eventuais, a manteiga sem sal, a geléia do gosto mais dela do que dele, o eventual omelete de um ovo sô, na verdade um mexido mal acabado.

Sorriu, lembrando das ocasiões em que transbordavam de alegria por qualquer motivo. Eram jovens, estavam começando a caminhada juntos.

Cerrou o cenho lembrando os momentos de apreensão e angustia, quando ele perdeu um promissor emprego, depois quando ela adoeceu de repente e mais tarde quando nasceu o primeiro filho dos três que tiveram.

A pratica matinal consumiu pouco mais de um quarto de hora na preparação da primeira refeição. Conferiu tudo: A posição do material, as xícaras, pratos, talheres, comidinhas, água, e os remédios.

Abriu a janela puxando a alavanca que movimentava as três peças de vidro que a compunham, deu uma olhada sem ver nada no lado de fora, imaginado o bom tempo que a luminosidade daquela manha estava sinalizando.

Pegou a cadeira, afastando-a da mesa para poder sentar-se.

- Que estranho! Ele ainda não acordou, não fez nenhum barulho, não tossiu nem pigarreou, nem foi ao banheiro! Esta velho mesmo... Dorme, dorme, dorme.
Vou apagar o fogo do leite e descansar mais um pouquinho também, voltou aresmungar colocando a cadeira no lugar.

Começar a fazer o café e depois voltar para dormir mais um pouco era um costume que os dois tinham de longa data. Na maior parte das vezes levantavam juntos. Um habito com peculiaridades.

Conforme o aperto, um ia lavar o rosto primeiro enquanto o outro aliviava os momentos chamados de “necessidades”. Faziam troça com a coincidência. Mas não era nada de mais. Comiam nas mesmas horas, bebiam água ou sucos, igualmente juntos, enfim, só o banho e que um esperava o outro terminar.

Outra peculiaridade era destrancar a porta de entrada, logo que o primeiro acordasse. Assim, não precisavam pular da cama quando a ajudante chegasse. Ela era pontual e as oito horas da manha, metia a mão na porta, entrava pe ante pe, e ia trocar de roupa. Já vinha de café tomado, mas uma xícara daquele perfumado café mineiro, coado a moda antiga sempre era filada.

Ela voltou para o quarto, agora bem claro, deu uma ajeitada na cortina buscando alguma penumbra, sentou-se, descalçou os chinelos e aboletou-se do lado do dorminhoco. Pouco tempo depois procurou a mão do companheiro estendida ao lado do corpo em repouso, enquanto a outra restava sobre o peito.

Não houve a habitual resposta, o acolhimento entrelaçando os dedos. Ela insistiu, notando a temperatura fora do habitual, muito mais fria. Alem do mais, estava flácida, sem consistência.

Não teve tempo para manifestar qualquer reação.

O marido sorridente exclamou com surpresa: Você também veio! E abraçando-a com ternura, beijou-lhe a testa soltando o abraço e mantendo as mãos dadas.

- Vamos, olha so que coisa maravilhosa! Que céu! Que azul mais delicado. Não sei como descrever, se e escuro ou claro! E quantas estrelas, que coisa mais linda.

Enquanto falava, percebia que o espaço estava coalhado de pontos de luz, semelhantes as estrelas mais distantes, que se fundiam uns com os outros, afastando-se e crescendo cada vez mais, ao mesmo tempo em que ganhavam o espaço.

-Que lindo, que suave, que cheiro bom.
-Aroma, e aroma que se diz, corrigiu a senhora.
=Tão suave, delicado, parece que estamos no céu...
Enquanto falavam e observavam os entornos, nem se deram conta de que também estavam sublimando, transformando-se em pontos luminosos ao mesmo tempo em que se fundiam um ao outro. Em pouco tempo já estavam completamente integrados e brilhando em meio aos outros pontos. Em breve iriam participar daquela reação magistral, e formar uma nova estrela.

A empregada chegou, abriu a porta, deu uma olhada no quarto do casal, olhando pela fresta da porta, hoje encostada, diferente dos outros dias em que ficava fechada. Parou para fixar a vista, desconfiou e entrou.

Voltou para a sala, pegou o caderno de telefones e procurou um numero especifico , assinalado com o destaque: Em caso de emergência, ligar para este numero.

Foi para a cozinha, encheu a xícara com o café já coado e morno, pegou uma fatia do pão de dieta, marrom, meio duro, passou manteiga e ficou esperando alguém da família.

RA.

[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
25/5/2017 às 20h24

 
O encontro improvavel

O executivo de altíssimo nível esperou ate que sua entrada fosse aceita na sede de seu principal concorrente. E demorou um bocado ate a liberação e ordem de leva-lo imediatamente, a presença do Presidente do Conselho .

Já tinha trabalhado ali por muito tempo, frações de eternidade a bem da verdade.

Nada mudou.

Enquanto caminhava observa tudo em volta. A sobriedade tranqüila das cores dos corredores, os uniformes do mesmo pessoal que ele conhecera em outros tempos, o formato dos portais e portas.

Enfim o carpete sempre com a cara de novíssimo, repleto dos sons de passos, sussurros, comentários discretos, sorrisos e gestos cordiais e suaves, entre seus usuários.

Seguia caminhando e constatando a imensa monotonia. O muzak fluindo pelo espaço,repetindo os mesmos temas imperceptíveis aos ouvidos acostumados, e levemente sugestivos aos poucos novos funcionários.

Estava no centro das decisões. Dali partiam todas as diretrizes, todas as idéias, todos os projetos, todas as reformas e demolições.

Vencida a ultima barreira de verificações e validações do passe e do crachá provisório, o portal descomunal abriu-se lentamente. A curiosidade esbarrou no enorme biombo de refinado trabalho artístico, mal deixando perceber o formato circular do ambiente que protegia.

Que pena... Não se conseguia ver nada, muito menos o chefão, o todo poderoso. A luz escapava por cima e pelos lados do biombo sinalizando a distancia entre aquele trambolho, o grande executivo e a porta. A intensidade era colossal.

-Muito bem. Você por aqui.

Aproxime-se. O que o traz ? Não poderia usar os canais usuais para suas mensagens e sinais? Qual e a razão para quer ver-me? O que esta acontecendo?

-Vim pedir sua ajuda, vim pedir um ar, um fôlego, um pouco de paz...

-Você pedindo fôlego? Vamos la.

Bem, depois que o Italiano comentou as principais características do meu estabelecimento, a propriedade que o sr. me deu, o movimento turístico ficou equilibrado. Os passageiros chegavam, ficavam um tempo, alguns pediam visa permanente, enfim, aprendiam as artes, ofícios, profissões da região montavam suas lojas, seus clubes e, as coisas iam correndo bem, como sempre.

De um tempo para cá, não estamos mais dando conta da demanda. A publicidade, que já foi nossa aliada principal, agora esta criando um problema atrás do outro.

-Como assim? Estas perdendo a forca? Sempre se gabou de ser velho, sabido, poderoso...

-Deixa disso... A coisa esta complicada. De um dia para o outro, as requisições para troca de destino no momento do embarque, estão causando um problema danado. A gente esta com um problema absurdo, inimaginável, angustiante.

-Já fui avisado do fenômeno, mas o que e que publicidade tem a ver?

-Esta todo mundo falando que aqui não acontece mais nada... As canções são as mesmas, a comida não melhorou nadinha, as roupas são absolutamente sem graça, a paisagem monótona, enfim a programação de lazer e uma lastima. Em contrapartida, la na firma, estão todos os que sempre fizeram a vida ser mais fácil de aguentar.

Os músicos, artistas, funcionarias da alegria, mágicos, prestidigitadores, jogadores, valentões, inteligentes, inteligentíssimos, vigaristas, criaturas estranhas, tudo. Absolutamente tudo que e ilegal, imoral ou engorda, alem de ser divertido, colorido, cheiroso, bonito. Esta tudo conosco.

-O que?

-Pois e. Tudo culpa da propaganda que, a bem da verdade, não e enganosa. Esse pessoal tem residência, não precisa de visa. Chega, sai, vai, volta, e sempre de bom humor, com novas idéias, novas drogas, novas comidinhas, novas ambições.

-Mas e os castigos? Os flagelos, as pragas e martírios?

-Ah... So para pobre.

Pobre adora o céu. Quer pagar a conta e subir tocando harpa

Mesmo os que são pobres mas tem projeto trocam de portão, e entram correndo no nosso. Os caras são sádicos, masoquistas, tarados, loucos de pedra, e tudo com cara de santo, de normal... Vão chegando, tentando pular a catraca. Mostram passaportes falsos, querem subornar todo mundo. Começam pedindo um trago, uma musica, um bagulho, um rango apimentado.

E os tais políticos então... Já montaram sindicatos. Passam o tempo fazendo apenas intrigas,acordos,conchavos com os demônios mais antigos. E promessas de aumento para o pessoal das fornalhas, organizam passeatas, quebradeiras que jogam lava pra todo lado, embaraçam as cordas para enforcados, amarram os chicotes, entopem os esgotos. Arrancam os fios da iluminação e das caldeiras para vender no ferro velho de Vulcano. Arrebentam o calçamento.

Querem mudar a nossa organização, o inferno, para acochambrar os amigos, os correligionários, os cupinchas que estão para chegar.

-Preciso de sua ajuda Mestre.Imploro.

-Tudo bem, vamos ver se achamos alguém para ser um novo Noah. Ai mandamos um novo diluvio, damos uma nova zerada na fatura e começamos novamente.

Agora va.
E, nada de querer ocupar os terrenos no purgatório ,montar acampamentos provisórios, etc com a desculpa de falta de lugar Por enquanto vai ficar como esta. RA

[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
21/3/2017 às 15h36

 
Eugenia e Sofia

A tarde de brumas e nevoeiros observada pelo janelão do apartamento, deu a impressão de que o céu apropriou-se da cidade levando a vida para seus invisíveis domínios. Agora estava tudo dentro de uma nuvem. Conforme o ponto de vista, humor, estado de espírito, sei lá, de cada um, tal condição poderia se vista como boa, neutra ou sinistra. Alguém poderia imaginar-se morto ou morta esperando o tal carro que recolhe os que já eram. Outros nem notariam o que estava acontecendo. Afinal um nevoeiro, um véu de brumas, apenas um fenômeno meteorológico corriqueiro e sem graça. Os românticos imaginariam o prenuncio de um sol quente e risonho dando brilho a vegetação, umedecida por gotículas de orvalho, refletindo diamantes de luz...

Eugenia meneou a cabeça escovando os cabelos macios, enquanto se gostava mais um pouco em frente ao espelho. Sorriu para si mesma em discretos movimentos labiais cheios de sensualidade, conferiu a pele, deslizando as mãos por todo o comprimento de cada um dos braços, admirou o colo sem farturas ou timidez, deixando o olhar derramar-se pelo fim do próprio corpo, virando-se em seguida, para contemplar seu reves na cumplicidade do espelho.

Em seguida vestiu o pegnoir de vapor de seda tão fino que era, adcionando-se levíssimo tom de encabulado azul, cor certa para destacar o dourado de seus cabelos e pelos sedosos, discretos, inocentes em pequenos caracóis quase ocultos pela admirável anatomia.

A liturgia dos cuidados de Eugenia, repetida sem nenhuma alteração ao longo de toda sua existência, nunca representou monotonia. Renovada na certeza do bom propósito do seu viver, jamais deu atenção aos críticos e invejosos, esvaziando apenas com um olhar suave e indulgente, todas as raríssimas ocasiões em que percebeu algum traço de descontentamento com sua presença. Inteligente, intuitiva, astuta, sagaz e consciente, sempre antecipou o desagradável, e não caiu em nenhuma armadilha.

Evento, festa, exposição, comemoração, projeto, plano, enfim, não rejeitava nada. Mas o objetivo de cada acontecimento para o qual fosse convidada era rigorosamente esmiuçado. Alguns bem intencionados, mas sem futuro, eram descartados com especial elegância. Mais ate do que os aceitos. Pudera, Eugenia era a figura que as mais conhecidas personagens em todos os setores da vida, faziam questão de ter por perto.

Concluiu o ritual, deixando-se envolver por gotas do fugaz aroma de felicidade, antes contido no frasco de um exclusivíssimo perfume.

A brisa consistente foi esfumando o nevoeiro para que a noite pudesse instalar suas expectativas. O escuro vencendo a penumbra do entardecer ativou instintos, liberou vontades, incitou desejos, compondo o cenário de predileção para o brilhar de Eugenia.

O lado bom da noite.

Mais abaixo, exatamente dois andares, Sofia saiu do banho ficando momentaneamente nua, a escorrer o fim das próprias águas pelo corpo firme e cuidado ate o limite da saúde. Sem imperfeições nem grandes detalhes.

Cabelos fartos, escuros, ondulados, brilhantes e incisivos, ornando a fisionomia ponderada, simétrica, pouco marcada por levíssimos traços de expressão. Um pescoço bem torneado, ombros e braços ladeando o tronco guarnecido por belos seios redondos, sérios, mais para figura renascentista do que pin-up de borracharia dos tempos passados. O ventre de mulher comum, quase escondendo de si mesma a virilha espalhafatosa pela prodigalidade da cabeleira pubiana, e finalmente, coxas e pernas concedendo a necessária harmonia para que o porte, a estatura, enfim o corpo inteiro permaneçam em confortável estética.

Mesmo não sendo um modelo de beleza, precisaria querer para ficar só.

Em mística sintonia, terminaram suas toilletes no mesmo segundo em que seus telefones insiram em tilintar, cada um com o seu ring tone: Eugenia com acordes de harpa, Sofia com o mais tradicional dos telefones de mesa. Não era por nada, mas preferia identificar o som do seu aparelho com aquilo que representasse a verdadeira personalidade do objeto. Cada coisa.

As chamadas para Eugenia e para Sofia partiram de pontos diferentes e mesmo objetivo, a confirmação da presença em um mesmo evento.

Aceitaram sem argumentar.

Faltou dizer que se conheciam de longa data. Mas quando Sofia era induzida a sair fora, Eugenia nem se dava ao trabalho de acenar, conceder um daqueles maravilhosos sorrisos. Pior, chegava a desdenhar da outra. E a recíproca sempre se fez presente.

Apagaram as luzes de seus confortáveis apartamentos, conferiram, pela ultima vez, o conteúdo das trousses, desceram para a garage e deram partida em seus automóveis. Eugenia no modelo esporte de sóbria marca alemã. Sofia no discreto multiuso não menos sofisticado, de outra montadora.

Finalmente, a inauguração do Grand Hotel.

O noticiário econômico alardeou por meses a importância daquele novíssimo e imponente equipamento turístico, fruto de investimentos e idealismo sem precedentes de um jovem empresário.

O mesmo fez a crônica mundana, ampliando a expectativa quanto as novidades do projeto em seus vários salões de eventos, diversos bares ambientados em distintos cenários e restaurantes de todos os níveis, desde o mais frugal e informal ate a uma franquia exclusiva de um Chef parisiense, multiestrelado, sofisticado e caríssimo.

Os detalhes dos apartamentos, suítes e aposentos especiais para altíssimas titulagens, provocaram a imaginação dos mortais comuns, atentos a quaisquer detalhes dos falsos mistérios produzidos pelo marketing, os tais teasers. Assim, os metais dourados de grande qualidade, diga-se de passagem, apareceram como verdadeiros tesouros.

-As torneiras da suíte do presidente são de ouro maciço, comentava-se na televisão.

-A segurança foi toda planejada por uma empresa ligada ao exercito de Israel, aumentavam os mais deslumbrados.

A verdade estava um pouco longe. Moderno, eficaz, elegante, luxuoso e, sem duvida, seguro e protegido. Um belo hotel, não uma presepada bilionária.

As providencias tomadas para o êxito da festa, incluíram o fechamento de algumas ruas no entorno do prédio, a instalação de projetores de luz, para lamber a fachada e invadir o infinito, a posição dos veículos para transmissão da chegada das autoridades, estrelas das artes, personagens do jet set, enfim, dezenas de manobristas-motoristas, pessoal engalanado e de luvas brancas abrindo portas e fazendo mesuras, fotógrafos, repórteres , guarda de honra, tudo devidamente previsto, identificado, marcado e esperado com ansiedade.

Os jornalistas e suas equipes, quase todos cronistas especializados em amenidades, não deixaram escapar a chegada triunfal de Eugenia.A um sinal que só eles conheciam, colocaram-se em frente à porta dando enorme trabalho ao pessoal dos ternos pretos, impedido de usar de argumentos físicos um tanto mais acentuados, para conter os curiosos e permitir o acesso dos eleitos.

Eugenia abriu a porta do cintilante automóvel, e numa coreografia exclusiva, lançou para fora uma das pernas, depois a outra, esticando a mão em gesto delicado para o amparo de uma luva branca calçada em mão comum. Retribuiu a mesura com diáfano sorriso e, sem notar o olhar suplicante do funcionário, acenou para os fotógrafos, escutando a gritaria do contubernio humano contido nas barreiras e cordões de isolamento, ficando de pe, para melhor desfrutar da estrondosa recepção, insistindo em mais acenos, curtos e discretos.

Sofia fez a curva, reduzindo ao maximo a velocidade de seu confortável e elegante SUV e parou no mesmo lugar aonde, momentos antes, Eugenia desembarcou. Esperou o segundo necessário para o funcionário alcançar a maçaneta do carro e abrir a porta, movendo-se para fora com elegância e recato.

Os fotógrafos e repórteres mantiveram a mesma sofreguidão por um bom ângulo ou uma palavra qualquer da convidada, mas os seguranças, novamente, evitaram as entrevistas, desimpedindo o caminho.

Dentro do prédio, um ambiente fervilhante. Grupos disseminados por toda parte, com seus membros bem pertinho uns dos outros, fechados em mundos tão distantes como financistas ou artistas de palco, grandes empresários ou esportistas profissionais. Todos de primeira linha, mas cada um no seu quadrado, sorridentes em terceiras dentições divinas, porcelanadas. Velhotes com implantes capilares perfeitos, políticos com tinturas bizarras, senhoras com emboços e rebocos magníficos e mais brilho em sorrisos tão falsos quanto os dentes.

Nos vazios dos grupos mais importantes a segunda e terceira linha de convidados, a massa de manobra bem vestida, pululava tentando a melhor posição possível para ser notada. Formada por modelos masculinos e femininos exibindo alta moda, burgueses com boas amizades em seus ternos de bons tecidos, sapatos reconhecidos pelo solado carmim, enfim, perucas, jóias verdadeiras, bijoux, u’a miríade de alpinistas sociais atritando corpos, cercando intelectuais provectos e deslumbrados em suas proprias importâncias.

Um numero incontável de órfãos sem turma, outros tantos iniciantes na carreira de arroz de festa, no caso de altíssimo nível, atravancando-se e buscando situar-se, com trejeitos, meneios e olhares perdidos em horizontes imaginários. As conhecidas caras de paisagem.

Enfim, uma festa de verdade.

Quando o perfume inimitável e super exclusivo de Eugenia impregnou a atmosfera com suavidade, as cabeças com e sem coroas, implantes, perucas e penteados voltaram-se como num comando militar. Ordem unida seria a palavra mais certa. Um murmúrio de admiração fremiu com suavidade.

Ao fundo, no palco montado com elegância, a orquestra de 52 musicos-professores ensaiada a exaustão, e com o timbre certo para aquele tipo de encontro de celebridades, cortou, em semicolcheia, o que estava tocando e atacou o tema do filme Misty. Não se sabe se por homenagem ou ironia, já que a personagem vivida por Audrey Hepburn, não seria uma referencia muito gentil a convidada. Mas, a musica inebriante, elegante, sofisticada, e agradável mereceu o aceno discreto da recém chegada.

Ao notar Sofia, o maestro sorriu, piscou o olho e dedicou outra melodia, não menos agradável e elegante : What are you doing for the rest of your life... Instintivamente, Sofia foi sendo envolvida pelos pequenos grupos de grandes empresários.

Os banqueiros, de quem sempre foi predileção, aumentaram o tamanho dos raros e sóbrios sorrisos, afastando-se em ritual, a esperar pela suave e incisiva palavra de abertura de conversa, proferida pela fascinante Sofia.

Não era para menos. Mais informada do que muitos departamentos de analise econômica de todos os conglomerados, redes e banqueiros independentes ali presentes, não iria surpreender. Apenas aguçar as mentes mais privilegiadas, provocar os mais afoitos, desdenhar dos arrivistas e oportunistas temporariamente poderosos, ate trocar de grupo de influentes e dirigentes de alto coturno, bem próximos e ansiosos por seus vaticínios... Sofia era quase invisível para a maior parte dos presentes.

Eugenia flutuava e desaparecia nas escorregadias e mudas risadas reveladoras dos mais luminosos dentes, encaixados na sua boca estonteante e sedutora. Todo o conjunto de admiradores se entremeava e serpenteava tal e qual um formigueiro a sua volta. A fina flor do babado chic e inconseqüente, formado por estilistas, modistas, artistas de vários matizes, protopensadores hiper indulgentes com tudo que fosse loucura, jovens empresários audaciosos e destemidos, enfim, alegria ciclopica.

O gerador daquele total deslumbramento tinha um belo nome, uma estampa admirável, um carisma fulminante, uma capacidade de levar qualquer um ao descontrole, inocente descompostura, e a perda de noção da realidade.Era muito bom estar o mais próximo possível de Eugenia.

Cerca de uma hora antes, a inauguração propriamente dita tinha acontecido sob acordes de banda de musica e a presença de autoridades de todos os poderes, desde a turma do turismo com o seu ministro, ate ao bispo e seus paramentos eclesiásticos de impressionante cor púrpura. Magistrados, militares de alta patente, personalidades do corpo diplomático, e mais o creme de la creme da sociedade rica e famosa, formaram o primeiro pelotão liderado pelo empresário e o prefeito, cuja mulher cortou a redundante fita.

O costume de chegar um pouco mais tarde, não era exclusividade das duas. Algumas figuras em seus melhores momentos, sempre se valeram de tal expediente buscando atenção e foco.

Batalhões de cozinheiros, ajudantes, confeiteiros, arrumadores, e serventes, garçons, maitres, chefes e gerentes movimentando-se rapidamente, por todos os lados, mantinham os copos cheios e os buffets repletos de iguarias finamente adornadas.

Eugenia e sua flute sempre cheia dava a impressão de nunca beber um gole, assim como Sofia e seu parfait sem álcool, quase invisível tal a elegância de seus modos.

(continua)

[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
4/3/2017 às 15h14

 
24 de Agosto, um dia na recente historia do Brasil

Hoje, 24 de agosto e aniversario do suicídio de Getúlio Vargas, Com ele se foi a ideia do trabalhismo original.Os herdeiros de Vargas desfiguraram uma das vertentes do fascismo brasileiro. A outra era o Integralismo do Plinio Salgado e o seu anauë, saudação caricata, 'a moda hitleriana.

Vargas fortaleceu os sindicatos, mantendo o seu controle, abusou do nacionalismo ao ponto de, ate, prestigiar um substituto para o Papai Noel, o Vovô Indio, mas isso e outra conversa.

Negociou a CSN com os americanos em troca da construção da base militar de Natal, usada pelos gringos durante a segunda guerra e parcialmente desmantelada, para ser entregue aos brasileiros.

Foi um ditador cruel e impiedoso...Depois de ser deposto pelo General Dutra, o carola,em 1945, voltou nos braços do povo com a alcunha de Bom velhinho. Durante seu domínio, foram criadas leis importantes como a CLT copiada do fascismo italiano pelo Dr. Marcondes Filho, seu ministro. Estabeleceu o salario mínimo, e criou a Policia Politica, a Policia Especial, o SAPS que. em versão moderna, tomou o nome de: Restaurantes Populares.

Risonho, simpatico, sempre com um bom puro entre os dedos, distribuía sorrisos e deixava para o Filinto Muller, que morreu torrado num acidente de avião muitos anos depois, (1973) a tarefa de torturar seus maiores inimigos: Os comunistas e integralistas. A historia conta que o choque elétrico poderia ser considerado caricia, entra as varias formas de truculências e barbaridades praticadas pelos empregados do bom velhinho GeGë, alcunha suave para a doce figura do caudilho, que distribuía simpatia e fala mansa. Em 1950,cinco anos depois de sua defenestragem, voltou nos braços do povo, eleito com absurda vantagem.

Cercado dos mesmos corruptos e ordinários, cujas dinastias seguem por ai, foi perseguido pelos adversários, igualmente politicos, com diversos matizes de caráter O Jornalista Carlos Frederico Werneck de Lacerda, de lingua ferina, pena ligeira e coragem para peitar a fachada mentirosa de um governo populista e cheio de mutretas, foi alvejado por capangas da "guarda pessoal" de Vargas. A empreitada falhou, o escândalo mobilizou o pais e Vargas se matou.

R.I.P Vargas. Poucos, mas bons acertos. O resto a historia se encarrega de encobrir.



[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
24/8/2016 às 11h26

 
Na minha opinião...

A frase sequer começou e, numa espécie de sincope mental, terminou dentro da própria cabeça, sem qualquer sentido.

A percepção de que não havia necessidade de dizer nada, absolutamente nada, confirmou a certeza já adquirida, de que ninguém se importava com suas idéias, experiências ou sentimentos.

Nada.

Ninguém estava prestando atenção a ele sentado ali, opaco, semi silente, fora do contexto, do momento e da realidade daquele grupo. Estava cumprindo tabela, como se diz.

Fazia parte de uma desejada ausência que, por força das circunstancias, estava adiada: Um aniversario em família. Um encontro de gerações, uma convergência de antagonismos discretos e tolerados. Uma farsa social.

Mais uma risada, mais uma frase com sentido impreciso, mais um deboche sem endereço certo e ele procurava intensificar sua invisibilidade.

-Obrigado, estou satisfeito.

-Não, não bebo mais tanto assim...

-Pode me passar a jarra com água?

A conversa, entrecortada de risadas, afirmações em voz mais alta, varias sons ao mesmo tempo e os ruídos de talheres, louças, copos e taças, mal conseguia penetrar a angustia de estar ali.

Faltava pouco para terminar o encontro quando a pessoa que fazia aniversario começou a distribuir os pedaços do bolo e nomear cada um dos agraciados com o doce.

O primeiro foi marido, depois a mãe, depois um parente distante, em seguida a mais jovem presente, e a seguir uns e outros entre filhos e assemelhados, ate que todos estavam com seus quinhões.

Uma distração, um breve momento e foi lembrado.

- Um pedaço especial.sei que você gosta!

-Obrigado, agora não, estou muito satisfeito e evitando açúcar, sabe como e, a idade, essas coisas...

-Oh, você gosta! Toma ai!

-Não obrigado. Fica para outra vez.

Em seguida pediu licença levantando-se da cadeira com a desculpa de ir aos cuidados. Entrou no banheiro, olhou-se no espelho, tentou conter o choro, mas não deu.

Esperou um pouco, lavou-se, esfregou bem os olhos, levantou a cabeça e voltou para recusar o café, o licor, o bombom e os sorrisos de “vai que já esta tarde”.

Ficou por ali mais um tempinho, pensando e voltando ao passado em acelerada viagem. Devolveu os sorrisos pendurados nas bocas desrespeitosas, desejou saúde e prosperidade a aniversariante, estendendo a firula verbal a todos os presentes e foi embora.

Não representava uma herança, um legado, uma caixa de jóias, quem sabe um pecúlio. Não tinha nada. Não valia nada que se pudesse trocar. Ao contrario, dava despesa e preocupação.

Era chato, tinha opinião, era falastrão, contava historias que ninguém queria escutar. Era metido, gostava de coisas boas, de tudo que, agora não podia mais comprar. Era um traste. Um estorvo. Um ser incomodo, difícil de remover por conta das circunstancias.

-Ah. Na minha opinião, bem que poderia perder a esperança e abrir caminho para a solução de todos os problemas que causo com minha insolente mania de pensar que sei, que posso, que faço, que ainda tenho algum valor.

Sentado junto a janela do ônibus intermunicipal, voltava para casa dando conta de que não tinha nada para deixar para ninguém. Lembrava dos mais recentes instantes passados na festa de aniversario sem conseguir ficar triste. Não conseguiu mais chorar, sequer falar sozinho.

A senhora vestida com elegância, olhar profundo e singelo, sorriso amistoso e mãos tratadas a ele estendidas, acenou com a cabeça, piscando um olho cúmplice e simpático, sentando-se ao seu lado.

As magoas, amarguras, desapontamentos, tristezas, saudades, vontades e esperanças despediram-se com acenos e gestos largos. Morreu sem perder a pose, sentado, olhando pela janela.



[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
15/7/2016 às 16h21

 
Fim de escala

(uma história de marinheiro)

A movimentação dos arrumadores, despachantes, visitantes, policiais e passageiros na enorme e longa calçada do porto remete a uma babel surrealista.

Na ponta da escada do imponente navio, um marinheiro e um guarda portuário controlam o vai-e-vem:

- Somente passageiros
- Não entra mais ninguém.
-Por favor o cartão de tripulante..
. -Não insista, por favor..

De cima, na amurada da proa do SS Brasil, observo umas frágeis embarcações apinhadas, transportando operários e pescadores para o bairro de Itapema, na Ilha do Guarujá. Saem da boca de um canal que passa por baixo da calçada do porto e desemboca no mar, fazendo a travessia para o outro lado da calha do porto de Santos.

– que negócio estranho, penso.

Chegamos ao fim de mais uma escala numa série de cruzeiros marítimos. e ao fim das visitas de familiares e amigos, já que não vamos passar mais do que algumas horas por ali.

- Srs.Visitantes, dentro de cinco minutos retiraremos a escada, Façam o favor deixar o navio.O serviço de alto falantes de bordo avisa intermitentemente.

A cantilena, agora é repetida em inglês.

Onde estará o meu filho, o mais importante dos visitantes deste dia?

, Estará brincando, subindo e descendo as escadas internas e externas do transatlântico, encantado com o cenário luxuoso, estranho, brilhante em seus metais, corrimões e adornos. Seus carpetes macios, sua atmosfera colorida e exuberante.

Quem sabe, estará espiando as vitrines das elegantes lojas (fechadas. mas arrumadas e iluminadas) ou perambulando pelos restaurantes e bares, assuntando, procurando entender aquela gente vestindo fardas, uniformes, roupas pouco comuns.

Os passageiros de primeira viagem, são fáceis de identificar. Falam berrando, para se fazer notar. Para muitos o início de um grande sonho, de uma espetacular aventura. Para outros, mais um delicioso programa de verão.
Para os tripulantes, a continuação do trabalho que, sequer, chegou a ser interrompido.

- Srs. Visitantes, dentro de instantes estaremos retirando a escada. Pedimos aos srs. Visitantes a fineza de abandonarem o navio.

O mesmo aviso, novamente, repetido em inglês.

Dentro do meu coração, angústia e tristeza de ter que deixar para trás a família, e lembrar do tempo em que vivia o dia-a-dia de uma vida comum. Minha mulher, não se acostumou e nem vai se acostumar:

- E se o navio afundar?
A matricula do colégio não pode atrasar, pensa...
Lá vem ele!

O garoto tem o rosto vermelho, está sorridente e exaltado: -Quando crescer serei comandante! Exclama com convicção.

Despedidas rápidas, abraços e beijos chorosos, ansiedade contida e muito amarga. Emoção. Uma pré-saudade, um gosto de cinza e sal...

- Até a volta. Dentro de alguns dias estaremos por aqui de novo... Nada de choro..

. Ultimo Aviso: Srs. Visitantes...

Agora foi para valer: a escada esta sendo retirada e a bandinha começa a tocar músicas de carnaval. Os passageiros e alguns tripulantes, encostados na amurada, continuam acenando para os que ficaram no cais.

Os cabos começam a ser retirados, um a um.

Os cabrestantes da proa e da popa guincham.

Vem o bote e leva a retinida para o primeiro rebocador.
Agora o segundo.
As tralhas são arrumadas, as correntes puxadas, o barulho é grande, apitos, um, dois, três, os motores dos rebocadores roncam e fazem fumaça.

A faina continua.

Um leve balanço e já estamos soltos, prontos para voltar ao mar... Os rebocadores já deixaram o nosso castelo flutuante por conta própria.

Vamos a frente. As turbinas aumentam a força e a esteira começa a surgir. O ruído discreto indica que já estamos a toda máquina. Na ponte de comando o prático dá ordens, sua lancha vem nos seguindo e vai continuar até a saída da barra, de onde o levará de volta.

Lá vamos nós, observando o cais e os navios atracados.
Mesmo amarrados resfólegam, soltam fumaça rala e clara pelas chaminés.
São cargueiros sisudos, cheios de guindastes, paus de carga, quebra-peitos, e outros equipamentos deselegantes e necessários. Acho que conversam entre si...

Nos olham com desdém, se acham os verdadeiros donos dos mares. São rudes, fortes, produtivos e valentes, não parecem em nada conosco. Na verdade, estão nos desdenhando:

- Vitrines, cristaleiras flutuantes, resmungam ao ver nossa partida alegre e orgulhosa.

Continuamos navegando: Ponta da Praia, Cais dos Práticos, Embaré, Gonzaga.
-Olha lá a Ilha Porchat!!!!

Agora estamos de volta ao trabalho. Dou uma olhada final em direção ao continente e outra em direção ao horizonte.

-Boa tarde Sr. Mar. Ficaram para trás as saudades e aflições. O espírito do maroto, do aventureiro, toma conta da situação. .


Mr. Almeida, please come to the main deck.

Vai começar tudo de novo. Novos passageiros e passageiras. Novas vontades, desejos, aspirações, manias, medos, festas, alegrias, folguedos e ilusões. Baile, sedas, sorrisos, encontros fortuitos, emoções.

Já estamos longe da terra e perto das fantasias. Daqui a pouco chegaremos ao Rio de Janeiro, depois Salvador, Recife, Belém, Trinidad, Saint Thomas.

Mar alto, céu e água.

Alguns botos brincam à distância e logo veremos os peixes voadores na sua louca procura pelas delícias do ar.

Céu e água...

Obrigado por me receber Sr. Mar. Já não agüentava mais as saudades.



[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
12/6/2016 às 18h33

 
Há mouro na costa...

O velho ditado português remonta ao século XIII, quando piratas mouros atacavam dentro e fora do Mar Mediterrâneo, aterrorizando aldeias portuguesas do Algarves. Alertados pelos vigias, os aldeãos fugiam para não serem mortos ou seqüestrados e vendidos como escravos, e as suas aldeias pilhadas e incendiadas.

Curiosamente, o brado das sentinelas converteu-se em dito popular e chegou em águas mansas, ao século XX, com o significado de que algo de ruim estaria para acontecer.

Outros sentidos lhe davam as mulheres mais velhas de alguma família, quando notavam um rapazote tentando acercar-se de alguma neta, sobrinha ou mesmo prima em suave desabrochar.
O perigo do amor, da sedução, do bote, enfim de um coração enamorado com risco de ser partido.

O romance desvaneceu, a sedução tem outros contornos e formatos, e o amor, por incrível que pareça, resiste e sobrevive as maledicências, inconsistências, e escorregões que a vida coloca nos caminhos das casadoiras, tal como se diz :nas terras de alem mar

Os piratas modernos não mais navegam em águas profundas e perigosas nem pilham pescadores maltrapilhos nas praias de aldeias e povoados. Os piratas modernos usam outras naves muito mais poderosas que as chalupas e lacraias de antigamente. Pelas diárias de hotéis que pagam quando em viagem, devem aproveitar bem o banho e os lençóis, diferente de seus assemelhados do passado, de pouco asseio e nenhum conforto.

Os piratas modernos não mais recolhem peixes salgados dependurados em varais, nem potes de cobre, nem vestes, nem porcos ou galinhas... Quando escravizam, o fazem por meio de doutrinação, por repetição de mantras políticos, por pouco pão e muito circo.

Os piratas convencem, iludem, ludibriam, engambelam, mentem, falseiam, esbulham e são tratados com reverencia aceita e consentida.

Os tolos e ingênuos não mais precisam curvar-se ao fio da espada bucaneira, nem o açoite vil.

O sonho do imigrante português de fazer fortuna trocou as terras brasileiras por outras, e o significado do velho ditado não poderia ficar na mesma:
Mouro na costa.
Que maravilha! Viva o Dr. Moro. Sai o pirata e entra o Juiz

Os vigias de hoje, modernos como seus alvos, não são mais toscos aldeões. São bacharéis, são agentes, são oficiais, são procuradores e promotores. Delegados e policiais. E trabalham duro. Pesquisam, investigam, perguntam, analizam, estudam e encontram os caminhos dos piratas.

Não os enforcam. Sufocam suas maracutaias, patifarias, conchavos, desvios, desfalques, propinas, mentiras e as falsidades.

Depois, levam tudo para o Tribunal, onde Dr. Moro, Juiz inexpugnável, vai encarcerando um a um enquanto nos devolve a esperança.

Não mais aldeões nem pescadores, mas cidadãos esbulhados, espantados, traídos e humilhados pelos piratas em que um dia acreditamos.

[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
2/6/2016 às 13h38

 
13 de Maio - A data

Hoje e o dia em que se comemora a Abolição da escravidão de africanos e seus descendentes, no Brasil.

Por conta de "movimentos políticos" do tipo engana-trouxa vamos deixando de ensinar aos brasileiros quem foi e o que fez a Princesa Isabel, aquela que assinou a lei proibindo e extinguindo a pratica do comercio de escravos no nosso Pais.

Tentam impor um "herói" negro, no lugar da Princesa.
Trata-se do Lendário Zumbi, um líder indiscutível, que fugiu do cativeiro e fundou uma aldeia, um quilombo no interior, onde foi rei.
Ali viveu com seus hábitos e costumes , varias esposas e.... Escravos, coisa de quem podia mais que os outros.

Se a lenda de Zumbi com sua argucia, inteligencia, liderança, força e coragem serve para alguma coisa, sem duvida e para mostrar que a especie humana não se deixa abater. Um fantoche a gente sabe como acaba.

Alem do absurdo de se tentar apagar uma data histórica desse porte, ainda resta lembrar que o comercio de escravos foi exercido, e muito, por negros africanos, tanto na origem, ou seja, africanos vendendo africanos capturados em tribos diferentes das suas, como aqui no Brasil, principalmente na Bahia e no Rio de Janeiro.

O mesmo aconteceu no Caribe e na America do Norte. Pois e, mercadores brancos e negros de escravos africanos negros.

A divisão de seres humanos em grupos raciais alem de ser uma estupidez, e de uma vilania politica imensurável. Nao serve para nada.

As tais atitudes inclusivas, seja la o que isso for, não transformam ninguém.

Quem nasce grande vai ser grande: Gregório de Matos, Jose do Patrocínio, Machado de Assis, Jamelão, Grande Otelo... Para não citar os vivos que, por sua grandeza, rebrilham em nossa mente. Todos enormes, magníficos, estupendos.

Alguem vai provocar: E as mulheres? Ora, ora... Em todos os campos do conhecimento, das artes, da ciência, sempre tivemos mulheres descendentes de escravos.

Viva o dia 13 de Maio
Viva a Abolição, a Lei Áurea.
Viva a Princesa Isabel.
Viva a memoria e a historia do Brasil.



[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
13/5/2016 às 12h40

 
Rito e mito, falando serio.

Falando serio. A celeuma das fotos da "miss glúteos"casada com um ministro de recente nomeação, tem fundamento e razão. A discussão esta pendendo para o argumento de que "Ninguem tem nada com isso".

Não e verdade.

Tirar fotos com o marido ou com a esposa, seja ela um deslumbre e ele um pudim de quimera ou vice versa não diz respeito a ninguém quando os dois pertencem ao mesmo mundo e, não agridem a ideia de harmonia e finalidade com tais fotos.

Se e um casal de artistas que esta divulgando um "trabalho", o escândalo e previsível e ate desejável.

Business, Only business.

Se e uma dupla anodina, desconhecida e desconectada da vida publica, igualmente, a novidade poderá provocar algum ruido, mas...Novamente, ninguém tem nada com isso.

Mas quando um lugar que se pretende ser restrito aos ritos da função ministerial, formal, republicana,já que se trata do gabinete de um ministro, da Republica, do Poder Executivo da Republica que e usado como cenário para demonstrações de carinho e afeto entre uma autoridade e sua mulher, seja ela um canhão da primeira guerra, o que não e caso, ou uma musa glútea, com todas as características de juventude e exuberância de uma bela mulher, a coisa muda.

No caso do nosso singular ministro do Turismo e sua megaliticamente glútea esposa, a inadequação nos leva a reflexão do quanto, a vida e só rito e mito.Qualquer quebra de padrão tem que ser evitada.

Talvez uma leitura canhota, permita pensarmos tratar-se de uma homenagem ao povo brasileiro feita por S.Excelência o tal ministro de atividade tao complexa quanto, pensam os mortais comuns,prazerosa.

Afinal, outras figuras importantes já saudaram raízes , cachorros, crianças, e outros parangolés, em discursos tao bizarros quanto as tais fotos.

Uma mulher muito "alem do seu tempo", poderíamos dizer, onde tempo, traduz-se por noção, senso de ridículo, oportunidade, e outros quejandos.



[Comente este Post]

Postado por Raul Almeida
26/4/2016 às 15h34

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ISLAM EM FOCO - ADAPTADO E REVISADO
HAMMUDAH ABDALATI
FAMBRÁS
(2008)
R$ 11,90



THE TRUE CATHOLIC FAITH CORRESPONDENCE COURSE IN 18 LESSONS
CHRISTIAN MINISTRIES
CHRISTIAN CORRESPONDENCE
(1964)
R$ 29,00



O FIO DO DESTINO
ZIBIA M. GASPARETTO.
VIDA & CONSCIENCIA.
(1997)
R$ 20,00
+ frete grátis



UM BAIANO ROMÂNTICO E SENSUAL
JOÃO JORGE AMADO ET ALLI
RECORD
(2002)
R$ 9,00



NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL Nº 35
VÁRIOS
ABRIL
(2003)
R$ 8,00



THE TENTH MAN (EM INGLÊS)
GRAHAM GREENE
POCKET
(1986)
R$ 6,00



TRAVELING LIGHT
MAX LUCADO
W PUBLISHING GROUP
(2001)
R$ 14,00



ELEITOS, MAS LIVRES
NORMAN L. GEISLER
VIDA
(2005)
R$ 39,00



HORROR EM AMITYVILLE
JAY ANSON
CIRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 10,00



O LIVRO DISSO
GEORG GRODDECK
PERSPECTIVA
(1997)
R$ 38,60




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês