Blog de Aden Leonardo Camargos

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Edmund Wilson e os chatos da literatura
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Essa o Homer não vai entender
>>> Sinfonia nº 6, Beethoven
Mais Recentes
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
>>> Os Cátaros e o Catarismo
>>> Quem matou Palomino Molero?
>>> Uma poética de romance - Matéria de carpintaria - ed. revista e ampliada
>>> Brasil: uma História a saga de um país
>>> The Hero With a Thousand Faces
>>> Treinamento total para jovens Campeões
>>> The American Folk Scenee
>>> Born to Win
>>> Novíssima Gramática Ilustrada
>>> Marketing Management, Millenium Edition
>>> Dicionário Básico de Filosofia
>>> Dicionario Técnico Industrial, Alemão Portugues
>>> Fundamentos dePsicologia Educacional
>>> As pedagogias do conhecimento
>>> The Extended Phenotype
>>> Parques de Diversões no Brasil
>>> Tabela de Composição Quimica dos Alimentos
>>> Estatistica Fácil
>>> Brazil's Second Chance
>>> Matemática Paiva Vol 2 Manual do Professor
>>> Matemática Paiva Vol 3 Manual do Professor
>>> Conexões com a Matemática Vol 2
>>> Conexões com a Matemática Vol 3
>>> Conexões com a Matemática Vol 1
>>> Matemática Paiva Vol 1 Manual do Professor
>>> Vade Mecum Jurídico + CD
>>> O Mistério do Lago
>>> Uma Vida de Milagres
>>> O Rei Irmandade da Adaga Negra
>>> Submundo
>>> Um Solto no Outro poesia
>>> O Menino Grapiúna
>>> Dicionário grego-português e português-grego
>>> Dicionário de latim-português
>>> Passo a Passo Microsoft Office Project 2007
>>> A Cultura do Dinheiro
>>> A Magia do Números
>>> Os Mortos nos falam
>>> Manon Lescaut
>>> O modernismo brasileiro e a língua portuguesa - 1ª ed.
>>> Os crimes de olho de boi - 2ª ed.
>>> Inconfidência no Império - Goa de 1787 e Rio de Janeiro de 1794
BLOGS

Sexta-feira, 24/3/2017
Blog de Aden Leonardo Camargos
Aden Leonardo Camargos

 
Convite para as coisas que não aconteceram





Convite para as coisas que não aconteceram:

Dia 25 de março, sábado. No Ekoa Café, Rua Fradique Coutinho, 914 - Vila Madalena, São Paulo. Começa às 15:00h. É um lançamento coletivo, mais três amigos tomarão café/poesia/lindezas conosco!

(Estarei lá! Espero que vocês amigos de Sampa possam ir, olha... se o livro for legal a gente toma mais e mais café, conversamos). Vou esperar que acontença!

Leia também:Blog da Scenarium

[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
24/3/2017 às 06h38

 
Como nascer em vulcões inventados


Imagem: Million Pictures



Ou manual de tatuagem



Cassirrá nasceu da entrega de corações ao vulcão 7uMyJ de criptografia radioativa. Foram três corações que sacrificaram para que ela surgisse e o mal continuasse a reinar na tribo. Um dos corações exigidos foi o de uma criança que observava borboletas. Outro de um arqueiro que caçava coelhos. O último de um bobo da corte do reino mais pobre já encontrado. Foi uma exigência de um deus bêbado revelada em sonho para o sacerdote numa noite de chuva codificada.

Não foi fácil encontrar os ingredientes do sonho quente exigidos pelos deuses (havia outros bêbados juntos). Mas assim que os corações arrancados e jogados ainda pulsando lá caíram, surgiu uma luz mequetrefe, saiu do fundo do caldo azul da cratera número três, do lado contrário da 44. Cassirrá já surgiu feito fim de mágica ruim: com arco, flechas e tinha cara de homem mau. Um cavalo que caçava borboletas veio junto - era um combo dos deuses para a tribo.

Cassirrá não sabia palavras. Não sabia sequer olhar. E mestre Super-Cocho-da-tribo foi ensinar as coisas difíceis de ser. As fáceis também. Mesmo Cassirrá não sabendo bulhufas, detestou os ensinamentos. E eram os únicos que teria. Não sabia que não sabia o que era errado ou tosco. Apenas não gostava, ou queria.

“continue limpando sua mente, de crenças, de limitações, teorias, ideias e a verdade será revelada”.

Por que já não revelava a verdade logo, não sabia. Já que ela ainda não sabia o que era verdade. Todas essas aulas na tenda branca fez Cassirrá montar seu cavalo e não agradecer coisa nenhuma. Porque não existem essas coisas de verdade, de realidade. Ela descobriu isso, com seu cavalo procurando borboletas, com sua flecha em punho, mirando para o chão onde nenhum coelho passava. Era apenas uma alma de bobo da corte brincando com fome. Como todos que são eles mesmos.

Cassirrá errou pelo mundo. Por não saber.

Bem velhinha e já com milhares de borboletas-moedas no vestido, aprendeu. E por fidelidade à filosofia, só aprende quem não sabe.

Morreu iluminada. Virou uma aguinha azul que voava borboletas em janeiro. Naquele lugar que ninguém foi visitar ou colher flores.



[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
27/2/2017 às 11h45

 
Inventário de provas

Imagem:Jorge Pinheiro


Rabisquei mais. Só para que você nunca soubesse. Para que te alimente dessa deslembrança necessária, como no dia que fiquei te esperando não me ligar. A gente vai esperando cada vez menos. E o nada fica até melhor quando a gente presencia a certeza.

Desde aquele dia que eu estive longe, desfiz de muita coisa. Foi como desmanchar pontos errados no tecido: dá uma raiva tranquila na pele.

Só não sei ainda porque hoje, agora mesmo, rabisquei com força. A linha feita afundou na minha perna. Fui cortando o rabisco que fiz. Diz o médico do pronto-atendimento do meu plano de saúde que nada vai ficar bem. Adoro auto-ajuda reversa.

Eu disse que queria te servir o pedaço do bolo partido que arranquei cheio de mim com umas vísceras que eu te falaria. Saem pela boca quando grito de dor. O estilete estava velho e preciso de alguma imunidade.

A gente perde imunidade. Um pedaço da perna. Deixo como inventário um buraco como prova de existência. Ele disse “louca e manca por um ou dois dias”. “Uma limpeza profunda, procedimentos de eteceteras. Barbitúricos”.

Todo mundo quer ir embora de algum lugar. Eu fui. Deixei umas marcas de areia na sua casa, mas qualquer onda leva embora. Ou mais uma festa.



[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
21/2/2017 às 22h45

 
Caixa preta à pátina perdida





Imagem: La Bioguia

Você perdeu a caixa preta
Com dourado, à pátina
Lá deixei a voz com o pijama usado
Dormido com perfume,
Você perdeu o livro novo,
Perdeu o vermelho que amo
Como prova de descontrole
Perdeu meus palpites em tudo que me meto
Afundei num oceano

Morta, procurei seu inimigo
Soube histórias de vocês
Dessas de perder
encanto.
Sobrou escombros, buracos, um velho abandonado
Não sabia que morrer era tão simples.
Agora é lavar tudo,
Fazer um porta-nada
Lacrar a caixa
Com um aviso enviado
De ler na missa de sétimo dia

Sou um futuro buraco negro
Expelindo o contrário

Você perdeu.
Restou um corpo numa caixa à pátina
Ex-seu
Deus seja louvado
Você não viria mesmo viver


[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
28/12/2016 às 22h08

 
Joguei esse dia triturado na pocinha azul, um céu





Imagem: Google + bagunçada por mim.

Hoje enquanto eu falava mentalmente pelas ruas orações afirmativas sem a palavra “não” – porque dizem uns loucos que nada no Universo saca o que seja “não” – você passou. Não sei o que acontece. Posso variar os horários, você passa. Talvez tenha sido implantado um chip de não em mim. E o Universo entende pataca. Eu também confundo.

O som da sua voz perguntando “quer que desliga de novo?” (na minha cara e foi você quem ligou), soa feito um pilão de milho, do sítio que a Dona Vitalina batia. A gente nunca sabe quando fica pronto. Quando é o fim. Acho que já é hora de recolher as coisas moídas. Sou um fubá saído da sua maldade.

Depois que te vi, ainda fervorosamente (e mais que antes) pensava em caixa alta...Tudo que eu quero transformar em fim. Uma moça com o rosto rosa de espinhas descia a Silva Jardim e me chamou de outro nome. Senti que sou uma ótima bruxa. Às vezes a mágica funciona. Não existe mais passado, nem futuro do pretérito.

Abri meu tarô hoje à tarde. Tudo que vi é que tudo é uma grande bobagem... A gente morre devagar.

Hoje depois de mover o destino pelas ruas, sentei de frente para o que falta. Imprimi o mapa de onde quero te esquecer. É um lugar de ficar perdido. Pega até trem para a saída certa. Lá o pilão de milho e sua voz "querquedesligadenovo” vão ficar desajustados com o ambiente.

Desenhei uma boneca de varetas. Umas lágrimas azuis formaram uma poça no pé. Um gatinho (que ninguém numa hora dessas pode ficar sem afeto) e uma música do Renato Russo, no absurdo que canto.

Hoje foi um dia muito difícil, pelas coisas que você não sabe... Amassei feito pão com muito fermento errado ou como presente de buscar. É difícil controlar o fermento sobrando. É difícil buscar o que é de ganhar. Joguei esse dia triturado na pocinha azul. Você vai pensar que é céu. E o céu é isso, uma mistura de Universos... Onde cresce a massa do impossível.



[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
24/12/2016 às 17h31

 
Quando algo está para acabar, chove. Foi testado.



Imagem: Adilson Nogueira


Tem poucos dias que vi sua foto, circulando. Nesses ventos que sobem pelos de gatos e fotos desavisadas. Você foi naquela festa que combinamos de ninguém ir. Onde outras fotos existem. Mulheres plastificadas, com a vida que bem sabemos. Achei que eu tinha coisa melhor para fazer.

Daí por vingança, respondi um e-mail Spam. Só para contar que tenho mais o que fazer. Descobri que tenho sixteen million (million hein, não thousand) dólares para receber de um suposto parente meu que morreu em Hong Kong - Mr. Fong, o investigador, descobriu pelo sobrenome!

E comecei a conversar.

É muito bom saber que mais gente me acha otária. O Mr. Huo Fong entendeu que revelei meu verdadeiro nome: Chris Drummond. Nunca antes da história desse país, revelei. E me chama de “dear” baby. Deeeaaarrr. Tá?

Eu, que você nem sabe, nem nunquinha vai saber, porque a felicidade da sua foto nunca vai permitir: sou toda um fake. Acho a verdade patética! E com meu sixteen million vou ver a aurora boreal... Sem salvar seu contato. E claro, você vai ver nessas fotos por aí. Que faltam sei lá, thirty days for nothing.

Ver sua foto doeu mais que raio caindo numa tarde rosa. Mais que o gelo de hotel de iglu, de uma pessoa só olhando o céu num chão de neve, que faz barulhinho quando cai.

Sua felicidade também faz. Barulhinho. Aqui dentro... Quando algo já está para acabar, chove... Essas tardes coloridas tem cheiro de fim. Chove muito por aqui.



[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
7/12/2016 às 21h23

 
Musgos verdes numa vila da lembrança, sou paisagem




Foto: Jian Quing (La Bioguia)

É algum ano lá na frente. Hoje é um dia comum e mal lembro qual é. Já não conto de dia três em dia três. Tudo sempre foi impossível e da saudade, acostumei. Li mais que meu medo permitia. Precisei para fingir que te esquecia.

Sirvo café. Sou velha. O tempo é o medo da vida. Tudo que não vivemos passou. Ficou nessa xícara que olho todas as manhãs, a borra fina da lembrança seca.

Seu rosto coloquei num quadro de flores coladas. Só me tornei aquelas escolhas melhores que você fez. Ainda tenho o gosto daquele dia que era noite. Que me restava um pedaço, sempre partido e ido de você. A palavra “acabou” saiu da minha boca ou mente, fui morrendo devagarinho. De onde saem as palavras? Estou morrendo por palavras. Morrendo por fim. De acabar com aquilo que não foi. Morte é palavra certa, tem uns olhos de passado, cheiro guardado.

Chegou mais gente, pediram café. Ligo a TV, mostro o jornal de São Paulo. Viro minhas costas curvadas onde guardei um desenho da coragem que você não teve.

Viver em silêncio foi a flecha mais heroica de te ver passar de vez em quando, ali, lá onde vive o certinho. Eu e a flecha desenhada, costuramos caminho inverso, anverso, transverso... Definido, pontilhado e só por si só e só por isso, me vi no caldo do café desperto. Desses todos dias longes.

Sorri, servi... meus pratos têm frases poéticas e cada café um autor. Para esses agora, gritei como me permite:__ Quero que seja feliz também, meu bem! Com Pessoa! PLIM. Tá pronto. Só pegar no balcão.

Vendo em minha casa pequenas felicidades, faturadas no cartão. As pessoas gostam do que me nasceu: musgos verdes numa vila da lembrança.Sou paisagem.



[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
15/8/2016 às 09h44

 
A Mulher-mais-ou-menos



Imagem: Google


A Mulher-mais-ou-menos
Saiu dos quadrinhos e em tudo quanto é canto
Fez sua vida
Tinha super-poderes de encalacrar seu tempo
Sem que ninguém percebesse.
Tinha botas e unhas vermelhas, abdômen conduzido
Como qualquer herói ridículo.

Cuecas por cima da roupa linda de titânio,
Deixavam sua marca:
super-vulnerabilidade.
Como todo bandido

Tentou fazer justiça, mas sua fala era de balão
Seu três D da existência vazada
(como Chaplin na feirinha)
Fez com que comprasse livros de todos que passavam
E ela mesma começou a dizer bobagens
Sem jamais ser publicada.

Um dia, quando impostou os braços em riste
suas pulseiras deram raios
De incompreensão
Ela desistiu. Entrou de novo em tudo que não existe.
Recortou suas frases acima da cabeça.
Montou como pode, e mesmo rasgando escreveu
FIM.
Bem no cantinho do si.


[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
29/7/2016 às 07h04

 
Se você soubesse que venho inventando em segredo!



Imagem: La Bioguia



Sábado depois da aula, vou acabar a minha quarta tatuagem. Se você soubesse era para ir comigo. Ah... às vezes amanheço mal com as coisas de casa. Chateiam deixando meu sorriso curto... De manhã é tão complicado esquecer tudo!

Se você soubesse eu poderia te ligar logo cedo e dizer que mamãe falou pela décima sexta vez no mosquito da dengue, que vai fazer calor e na televisão de canais ruins disse que não vai chover. Também pede para comprar alguma coisa que sempre esqueço... Se você soubesse que sou uma repetição de esquecimentos!

Te diria que ela tá velhinha. Falava também de filho e da rotina de todo dia. Se você soubesse.

Se você soubesse tudo que venho inventando em segredo. Saberia que olho viagens. Uma ilha bem longe para eu criar coragem de te buscar em casa, ou deixar as passagens. Seu telefone que salvei serve para ter medo.

Hoje tive medo. Não sei mais. Imprimi sua foto de perfil e colei na janela do bangalô e me desenhei como desenhos de criança: eu chegando com um lanche estranho, daquele país distante, que meu inglês ainda texano provavelmente nos colocou numa salada de polvo com camarão com queijo mofado.

Se você soubesse, meu amor, da gente no píer mal acabado, eu te contando que tenho pena de comer camarão. E das coisas que temos que tirar os braços e as pernas. Tenho muita aflição... por fora também.

Acho que você não entende o que falo. Tudo vai bem nas fotos pregadas que nem minhas são. Eu atropelei umas coisas na vida, eu te contaria. E a bagunça que ficou na minha sala.

Ainda no píer eu diria sim para sempre, até ficar velhinha falando dos mosquitos da dengue. Se você soubesse.





[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
12/4/2016 às 20h41

 
Lembranças de uma catadora imaginativa



Imagem: Adilson Nogueira



A gente andava pela praça, bem tempo atrás. Bem. Os mesmos adolescentes de hoje que são nossos clones melhorados, por certo... Mas com aquela mesma alegria de bando que só em bando justifica ser feliz e ter pequenos fogos de artifícios incontroláveis em público...

Era assim: sempre em bandos de adolescentes meninas que um senhor com um sorriso peão, numa bicicleta vermelha ou azul, Monark ou Caloi, Aro gigante – tenho certeza disso, fazia “bi – bi” com a boca mesmo e nos abordava.

O bibi imagino ser carência mesmo de dinheiro, um sininho custaria alguns pãezinhos e quem tem boca vai a Roma pedindo licença... Vinha então a abordagem. Nada disso que tem hoje. Nada de ô lá em casa. Meninas lindas. Ah, se eu pudesse e meu dinheiro desse. Nem aquelas orações que a gente não entende nada - graças a Deus- nossa senhoooora pixui pixui pixui. Não.

Ele fazia o bibi, separando o bando em gritinhos, colocava o pé no chão (freio) e carinhosamente perguntava pra gente:

_ Cês tão amando muito?

Bibi e sorrindo com certa fuligem no rosto ou nos dentes, ou nos cabelos não lembro bem... nos deixava pra lá a pensar, a rir e a esquecer... porquê nem sei se a gente amava muito, acho que não.

Foi eleito vereador. Foi um ato de protesto. Talvez grotesco. Minha cidade pode ser irônica. Era um mal momento. Quase foi presidente da Câmara, que por desvio dos mais espertos não permitiram um semi-analfabeto presidir a casa.

Comprou o sininho depois que tudo passou... e seu discurso mudou: tem amado muito, flor?

(Quase tudo é verdade, não sou historiadora, sou catadora imaginativa)





[Comente este Post]

Postado por Aden Leonardo Camargos
11/3/2016 às 21h08

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SIMBAD - VOLUME 9
MAURICIO DE SOUSA
GIRASSOL
(2015)
R$ 7,00



DOIS MENINOS NA TRANSAMAZÔNICA
MARGARIDA OTTONI
CONQUISTA
(1982)
R$ 7,50



RELACIONAMENTOS UMA CONFUSÃO QUE VALE A PENA
PAUL TRIPP
CULTURA CRISTÃ
(2011)
R$ 30,00



PARÁKLETOS- O ESPÍRITO SANTO
FREI BOAVENTURA KLOPPENBURG
VOZES
(1996)
R$ 18,50



DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANCEIRO 2ª EDIÇÃO 
HUGO DE BRITO MACHADO SEGUNDO
ATLAS
(2008)
R$ 11,91



O DUPLO ETÉRICO
ARTHUR POWELL
PENSAMENTO
(1980)
R$ 47,80
+ frete grátis



O DIÁRIO DA PRINCESA
MEG CABOT
GALERA
(2009)
R$ 20,00



O LIVRO DAS NOITES
SYLVIE GERMAIN
ROCCO
(1987)
R$ 15,00



COLEÇÃO DOUTOR - CIGARROS
DRAUZIO VARELLA / CARLOS JARDIM
GOLD
(2009)
R$ 5,90



A MÁQUINA DO TEMPO
WELLS, H. G.
ALFAGUARA
(2010)
R$ 23,00




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês