Blog da Mirian

busca | avançada
42886 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho apresenta o canto e a viola de Yassir Chediak
>>> Banda Matatag lança seu primeiro single '101'
>>> Affonso Romano de Sant'Anna lança série de reflexões sobre o universo artístico e a história da arte
>>> MIRACULOUS: AS AVENTURAS DE LADYBUG ESTREIA TEMPORADA NO TEATRO PROCÓPIO FERREIRA EM SÃO PAULO
>>> Exposição | Tão diferentes, tão atraentes
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> No repicar dos sinos
>>> Algas
>>> Mestre aranha
>>> Maturidade
>>> Ponto cruz
>>> Elevador divino
>>> Na hora do rush
>>> Cubica(mente)
>>> Adentrando o mundo humano - Pensamento
>>> Modelar(mente)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> O amor que não pode
>>> Pagando promessas na terra do sol
>>> As Sobras do Banquete
>>> Intolerância
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Ter e Não Ter, de Hemingway
>>> Não contem com o fim do livro, uma conversa com Umberto Eco
>>> Metallica e nostalgia
Mais Recentes
>>> A Águia e o Condor
>>> Coleção do curso Iniciação à Teologia, primeira série, 15 volumes
>>> Existência Cristã (Ii)
>>> Existência Cristã (I)
>>> Eu Faço Nova Todas As Coisas
>>> Moral E Vida Cristã (II)
>>> Moral E Vida Cristã (I)
>>> Batismo E Eucaristia
>>> Os Sacramentos
>>> As Linguagens Da Fé
>>> Criação E Providência
>>> Revelação Do Pai E Do Espírito Santo
>>> Jesus Salvador (II)
>>> A Redação Dos Evangelhos
>>> Os Ministérios
>>> Instituição Eclesial
>>> Reino Igreja E Mundo
>>> Neuroanatomia Funcional (2 Edição)
>>> Instalações Elétricas
>>> Circuitos Lineares
>>> Eletromagnetismo
>>> Medo da Vida
>>> operação Cavalo 6 De.Troia- Hermon
>>> Josué volume 2
>>> A Luz dentro de Ti
>>> A Latin Dictionary for High-School Students
>>> Fênix e Harpia - Faces míticas da poesia e da poética de Ivan Junqueira
>>> João do Rio
>>> Retórica do Silêncio - teoria e prática do texto literário - 2ª ed.
>>> Ascensão e Declínio do Estado
>>> O Rei dos Jagunços
>>> Equador
>>> Estudos de Filosofia do Direito
>>> Pé de guerra - memórias de uma menina na guerra da Bahia
>>> A dama e o unicórnio
>>> O atlas proibido
>>> Economia e Sociedade na Grécia Antiga
>>> O último Judeu uma Historia de Terror na Inquisição
>>> O declínio da URSS. Um estudo das causas
>>> A bruxa de Kepler
>>> Guia de alimentos da dieta de South Beach
>>> Novembro de 63
>>> Boca de Luar
>>> 1789-1808 O Império Luso-brasileiro e os Brasis
>>> Desabrigo 2ª tiragem
>>> O Direito na História - Lições Introdutórias
>>> O despertar da Irlanda
>>> Os príncipes da Irlanda
>>> Manual de teoria geral do direito civil
>>> A Vida do Barão do Rio Branco - 3ª ed.
BLOGS

Sexta-feira, 21/7/2017
Blog da Mirian
Mirian de Carvalho

 
Quanto às perdas III

Trancadas na urna das águas,
guardam-se as cinzas do extinto fogo
da manhã que reverterá no arco-íris.

Útero de infinita gestação,
ele é mãe das borboletas.
Das libélulas. Dos camaleões.

No princípio foi o verbo.
No princípio foi um jardim.
Na casca do fruto foi o sol.

O pecado.
As cores.

E na pele da serpente
a esmeralda.

O coral.

Do que será eterno
dizem as cores.

E as dores.


(Do livro Nada mais que isto. São Paulo: Scortecci)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
21/7/2017 às 15h28

 
Quanto às perdas II

Nas profundezas da terra, decide-se
a errância do mundo. E o mundo tem
grandes pernas caminhantes. E o mundo
carrega um falo ereto.

E o mundo tem braços que abraçam.
E o mundo carrega barriga grávida.

De borboletas.
De rochedos.

Plantam rezas as minhas mãos.
Recitando orações, meus lábios
nomeiam sentidos para reger
os acontecimentos.

Na cidade dos homens
distanciam-se as ruas.
Na clareira das aves,
anoitece.

Banhado pelos séculos, o tempo
escorre pelas pernas das garças.

Sobre sinuoso rio de voltas,
longo longo será o voo.


(Do livro Nada mais que isto. São Paulo:Scortecci)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
14/7/2017 às 19h40

 
Quanto às perdas I

Irmanando-me à solitude dos astros
delineia-se meu roteiro de caminhante.
Ir em frente. Ir frente. O que se perdeu
seria agora fardo. Ou penitência.

Nas areias de um jardim perdi e achei
o anel gravado com minhas iniciais.
No trabalho perdi muitas canetas.
Guarda-chuvas, já se foram vários. (Eu gostava
daquele de tecido indiano.)
Livros? Sei que emprestei dezenas. Sempre
perco as agendas. E não me lembro onde
guardei meus diplomas.

Escaparam-me alguns eclipses.

Ganhei vazios. Salvei-me
do quintal que terminava
no fim do mundo.

Conheço todos os intervalos
do tempo paralisado e ativo.

Quanto às perdas, alegra-me
a fantasia do esquecimento.

(Do livro Nada mais que isto. São Paulo: Scortecci)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
8/7/2017 às 08h32

 
A xícara do poeta (série: Objetos)

Para Rogel Samuel


“Os cacos da vida, colados, formam uma estranha xícara.
Sem uso,
ela nos espia do aparador.”
Carlos Drummond de Andrade


Quantos pedaços de nada e de tudo,
quantos restos de pensamento, inquietude,
improviso, a respirar nos objetos de estimação.

Afugentando fantasmas na sala de refeições,
imagino a xícara do poeta.
À origem dos fragmentos, eu a imagino
de porcelana. Vejo-a pulsante. E, em mim,
reconheço movimentos desse objeto surgido
de tátil sopro no caulim.

Feita de acaso e intenção, a xícara no aparador
aguarda a bebida quente. E espera o açúcar,
na porção exata, que lhe dará leve sabor
à existência.

Aquiescendo ao uso e desuso do dia a dia,
em sua concha o líquido evaporou em ritmo
de esgotamento.
Na asa, debate-se o tempo
em ritmo de espera.

Ao cotidiano desta peça feita de fragmentos,
posso ver o poeta cortando pedacinhos de pão
para mergulhá-los no café.

No bojo dessa nossa xícara, vicejam miosótis.

Festejando pedaços da vida.

(Do livro 50 poemas escolhidos pelo autor. Rio de Janeiro: Galo Branco)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
1/7/2017 às 09h45

 
A mulher de Lot

Não era incrédula. Curiosa, tampouco.
Para a cidade dos aflitos a mulher de Lot se voltou,
adivinhando a repetição dos Pecados Capitais
nos caminhos da Terra. Por isso, fitou os caules das chamas
que ardiam palavras do texto sagrado. E calcinavam
o azul das hortênsias junto ao muro da casa.

Não por acaso. Não por teimosia.
Por temer o fogo que sibilava ao seu rastro,
a mulher de Lot observou a campina.
E apiedou-se das galinhas ciscando.
E das cabras no cio.

Para trás, ela conduziu o olhar,
desejosa que as chamas não lhe destruíssem o sexo.
Nem as rendas dos lençóis.
Nem a madeira da cama.

Fitando recordações,
a mulher sem nome podia entrever ao longe
alternado trabalho das aranhas
refazendo ninho ou veneno
sob o piso do quarto.

Na demora das cinzas sobre a cidade morrente,
a mulher de Lot enxergou males mais antigos
que a impotência da queima ante o cajado da agonia.
Ou ante a cobiça do ouro.

À perdição do mundo, ela direcionou olhos e lágrimas,
para relembrar nas profecias o caminho da discórdia.
Seguindo labaredas, o olhar daquela mulher
anteviu a multiplicação da miséria humana.
E o milagre dos peixes.

E naquele momento olhou para trás.

Depois, logo depois, fixos na estrada de barro,
seus olhos de estátua surpreenderam nas cores do dia
toda a claridade luzente em sua pele cristalina.

E uma vez mais ela contemplou a cidade destruída.

Quem sabe,
para guardar distância de algum rio flamejante
que lhe pudesse engolir o corpo de sal?

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
24/6/2017 às 09h19

 
Flúmen do dia

Vertendo sussurros de calma, o líquido
repercute a voz da carranca de pedra.
Colar d’água, desliza o vazadouro
a circundar o umbigo da terra.

Lado a lado, corredeira e tempo.
Carregam palavras não ditas.
Recordam idos e havidos.

Livres, água e tempo descem à terra.
Entre córregos e limos, caminham.
Livres, rocha e queda sobem às nuvens.
Sobre o ilusório, evaporam-se.

Resta um tempo inexistente.
Corre um tempo enclausurado
de enlouquecedora trégua.

Surge um tempo que não passa.

Pudera eu parar o flúmen do dia.

Pudera eu alimentar o redil
do meu coração em chamas.

(Do livro Vazadouro, São Paulo: Escrituras)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
17/6/2017 às 09h11

 
Águas originárias

Das coisas que, em simultaneidade,
passaram e não passaram, regozija-me
o ter tido e o não ter tido tempo.
O ter sido paixão e cio.

Da escuridão ao dia seguinte,
viver ou ter vivido na confluência
das horas e intervalos.

Da fonte, soubesse eu.
Antes, muito antes.

Eros, cingindo-me o sexo
à vertigem das águas
originárias.

(Do livro Vazadouro, São Paulo: Escrituras)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
10/6/2017 às 09h20

 
Jano

Para Valdir Rocha

Em rastreante luz a nascer e esconder-se
de si mesma, meu diário das horas escuta
vozes do mito:

“Tão antigo quanto o mundo
tudo se abre ou se fecha à vontade de Jano
que preside as portas do céu
guardando-as ao ritmo das Horas.
Em qualquer sacrifício a outro deus
é ele invocado em primeiro lugar.”

Diante do seu rosto
meu diário das horas percorre leste-oeste
duplicando olhares de rastreante luz a nascer
e esconder-se de si mesma.
Desejo então fixar lume e imagens
entre horizonte e possibilidade.

Duplicando olhares, as duas faces de Jano
tangenciam limites no tempo de agora.
Guardião das portas, ele se apercebe
protetor dos caminhos
e me fala do seu ofício:

Inquietam-me longos tempos
que se foram e que hão de vir,
por isso vou escavando pequenos intervalos
para encontrar alguma véspera feliz
inscrita no agora.

Meu grito primal sonoriza-se
na fala do visitante à soleira das portas
fechadas ou entreabertas.

Dia de hoje e tempo remoto,
vejo-me antigo e atual. Encontro-me
ontem e amanhã na revelação de mim mesmo
aos sobressaltos das andanças daquele que me ouve.

Ante meus relógios sem ponteiros
tingem-se de sol as paredes do quarto.
E as paredes do mundo.

Muito antigo e atual,
não mais me assusta a fuga do instante.
Eu também busco meus caminhos.
Meus caminhos e minhas portas.


(Poema inspirado na escultura “Jano”, de autoria de Valdir Rocha)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
27/5/2017 às 10h29

 
Branco (série: Sonetos)

Dançando valsas, vem à frente
meu pégaso de jasmins, a rememorar
bailados e histórias narradas
pelo jardineiro de folhas.

Evadido das florestas, esse animal
das flores mimadas transporta sela
de trevos, aguardando cavaleiro
que o conduza à dama do portão.

Pelagem de arminho dos cometas,
minha nuvem de cambraia se alteia
espantando vassouras e bruxas.

Cavalinho de lume acendendo
a noite. Meu pássaro da paz retorna,
germinando os bosques.

(Do livro O camaleão no jardim. São Paulo: Quaisquer, 2005)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
21/5/2017 às 09h04

 
Azul (série: Sonetos)

Acariciado por madressilvas no lugar
das rédeas, o cavalo azul encontrou par.
E em cópula atravessou a noite.
Que se fizera fértil.

Chegando das selvas de junco,
o deus de anil repousa do coito
ininterrupto. E em campo de feno
ganha forças de recomeço.

Plumas de pavão envolvendo-lhe
o corpo. Atravessando rios, ele contempla
a sede, para galopar dia e noite.

Patas azuis. Olhos de andorinha
cavalgando hortênsias. Ele veio do mar.
Às origens retornará. AZUL.

(Do livro O camaleão no jardim. São Paulo: Quaisquer, 2005)

[Comente este Post]

Postado por Mirian de Carvalho
13/5/2017 às 11h22

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LINKED: A NOVA CIÊNCIA DOS NETWORKS
ALBERT-LÁSZLÓ BARABÁSI
LEOPARDO
(2009)
R$ 40,00
+ frete grátis



AS MAIS BELAS PARÁBOLAS DE TODOS OS TEMPOS - VOL. 3
ALEXANDRE RANGEL
LEITURA
(2005)
R$ 15,00



ESCRITOS SOBRE UNIVERSIDADE
MARILENA CHAUI
UNESP
(2001)
R$ 20,00



A GRAMMAR DIMENSIONS WORKBOOK FORMS MEANING AND USE SECOND EDITION
DIANE LARSEN-FREEMAN
HEINLE 7 HEINLE PUBLISHERS
(1997)
R$ 7,00



FOGO MORTO - 47ª EDIÇÃO
JOSÉ LINS DO REGO -
JOSÉ OLYMPIO
(1997)
R$ 5,90



ENQUANTO O AMOR NÃO VEM
IYANLA VANZANT
SEXTANTE
(2011)
R$ 4,99



BUDISMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



THE GREEKS
JEAN-PIERRE VERNANT
THE UNIVERSITY OF CHICAGO PRESS
(1995)
R$ 49,00



A REFORMA DO PODER JUDICIÁRIO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
VÁRIOS AUTORES
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(2005)
R$ 12,00



A ARTE DE FAZER MILAGRES
PAUL PEARSAL
PENSAMENTO
(1999)
R$ 21,90




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
42886 visitas/dia
862 mil/mês