Silêncio, de Martin Scorsese | Relivaldo Pinho

busca | avançada
31762 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Artista plástica Ana Maria Tavares estará no Programa Arte-Papo da Fundação Ema Klabin
>>> Escritora Isa Colli faz lançamento oficial no Brasil de seu livro na Bienal do Livro Rio de Janeiro
>>> Shopping Metrô Tucuruvi traz literatura com muita diversão em Feira do Livro
>>> Seminário reflete sobre Arquivos e Direitos Humanos com documentos da Comissão Teotônio Vilela
>>> Evento gratuito discute as transformações do jornalismo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
>>> Plagas e pragas
>>> Elas por elas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Enriquecer é Glorioso!
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> Televisão versus Internet: a disputa desnecessária
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> Exibir sem mostrar
>>> It's my shout
>>> É batata!
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> Eu blogo, tu blogas?
Mais Recentes
>>> Pop-up Game Of Thrones
>>> Um plano de saúde que Deus garante - Dr. Fernando M.F. de Oliveira
>>> Mais que um Carpinteiro - Josh McDowell
>>> O livro da selva 2ª ed.
>>> Criação, Graça, Salvação
>>> As Novas Antropologias. Um desafio à Teologia
>>> Teologia da Criação
>>> As Parábolas de Jesus
>>> O Pai-Nosso. A Oração do Senhor
>>> O Sermão da Montanha
>>> Convite à Filosofia
>>> O Advogado
>>> As Escravas do Diabo
>>> Trilogia Coleção Rubaiyat - O Livro de Job, O Livro da Sabedoria, Eclesiastes
>>> Ardente Reencontro
>>> Segredos Perigosos
>>> Voltando Para Você
>>> Prometida Para o Príncipe
>>> Oásis do Coração
>>> Diga Sim Ao Amor
>>> Procura-se Uma Babá e Uma Chance Para Amar
>>> Cenário de Sedução
>>> A Outra Face
>>> A Outra Face
>>> Os Frutos Selvagem da Sibéria
>>> A Filha do Deputado
>>> Os Frutos Dourados do Sol
>>> Safra Vermelha
>>> O Martírio do Obeso
>>> O Mistério Frontenac
>>> O Senhor das Moscas
>>> O Lado Escuro dos Ceús
>>> Um Rei na Manga
>>> Filhas de Outros Homens
>>> Na Asa da Borboleta
>>> Sereníssima
>>> Médicos em Perigo
>>> Plexus- A Crucificação Encarnada
>>> A Volta do Tarzan
>>> Em Aquário Ninguém se Esconde
>>> Trilogia: Peça-me o que Quiser, Peça-me O Que Quiser Agora e Sempre e Peça-me O Que Quiser Ou Deixe-Me
>>> Perdida
>>> Cerrrado em Perspectiva(s)
>>> Como Sobreviver A Perda de Um Amor
>>> Você é mais Capaz do Que Pensa
>>> Para o Dia Nascer Feliz
>>> Alegria e Triunfo
>>> A Cabala e a Arte de Ser Feliz
>>> A Arte de Separar-se
>>> A Droga da Obediência
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 15/3/2017
Silêncio, de Martin Scorsese
Relivaldo Pinho

+ de 500 Acessos


Reprodução


É bobagem criticar o filme de Scorsese pela temática cultural apenas, apelando para a crítica à Igreja, ou para o inglês falado pelos Jesuítas portugueses, que se arvoram a ir ao Japão do século 17 em busca de um padre que teria se renegado. Em tempos de acentuados “tudo me dói” e “isso não me representa”, fazer isso é um pouco de desonestidade intelectual.

Sutileza. Essa é a chave para se apreciar “Silêncio” (Silence, 2017). Sutileza da temática e sutileza - sim, há imagens fortes (sic) no filme - das imagens. Esqueçamos a vulgaridade com que se usa esse adjetivo; Scorsese nunca é vulgar, não precisa espatifar um escravo para dizer que isso não se faz (12 anos de Escravidão, etc etc etc.).

Não temos nada das imagens que mais marcaram a carreira do diretor, a câmera não representa freneticamente as cenas, a imagem não congela com uma trilha sonora ao fundo, o cenário não é sempre belo (Kundun – 1997) e nós não nos identificamos, inequivocamente, com um personagem, mesmo um assassino, carismático.

A sutileza da temática religião/fé está representada em cenas e imagens que merecem ser observadas com atenção e alguma percepção contemplativa. Esse aspecto sutil está, por exemplo, na presença do personagem Kichijiro (Yôsuke Kubozuka). Kichijiro é o guia da expedição. Ele perdeu a família que se recusou a renegar a religião cristã. Vive atormentado, porque renega e sobrevive.



Ele é a personificação da incompreensão, medo, culpa e dúvida que atravessam a narrativa e marcam, decisivamente, o protagonista, padre Rodrigues (Andrew Garfield, em uma atuação que, espero, apague da memória adolescente seus arroubos infantis). Kichijiro, a todo momento, trai o padre e, ao mesmo tempo, quer se confessar para obter o perdão e ficar “limpo”.

O que, ao final, padre Ferreira (Liam Neeson), o jesuíta “adaptado”, questiona sobre a força da religião, a diferente ideia de Deus, a incompreensão do cristianismo pelos japoneses, se mostra, quase como cinismo e ironia, em Kichijiro. Sempre encontrando uma saída “fácil” na praticidade do mundo real, ele é aquilo que é sujo, corrupto e covarde e que ameaça degenerar qualquer convicção, ameaça, em “Silêncio”, a convicção da fé.

Esse embate entre espírito e carne, fé e realidade, será a cruz do padre Rodrigues. Ele mesmo se vê, alucinadamente, como Cristo e imagina, com Jesus, conversar. Incondicionalmente, movido por sua fé, ele passa pelas provações do mundo que o rodeia. Um mundo no qual a cultura nativa quer, pela violência sobre os cristãos japoneses, convertê-lo para que ele sirva de exemplo.

Exemplos são modelos a serem exibidos. Rodrigues questiona-se sobre ceder em prol dos camponeses torturados. Sua agoniante indecisão representa a complexidade temática de um filme que não cede a esquematismos e maniqueísmos. A lógica simples do colonizado versus colonizador aqui não cabe, se esmaece.

Não se trata aqui apenas de um choque cultural. É claro que ele é um cenário temático do filme. Mas ele não é, de modo algum, sua única razão. Serve para uma leitura antropológica, mas serve, especialmente, para uma leitura estética (não são inseparáveis). Não adianta gritar pela urgente politização do filme, ou pela culpa do ocidente. Isso é apenas uma leitura do que o filme não se propõe e não é. Deixemos isso para as ladainhas dos likes.

Scorsese não quer simplesmente escolher um lado, ele não fez um filme para a fruição dos blockbusters, nem está glorificando aquilo que é, fundamentalmente, complexo, porque, evidentemente, humano. Seu caráter épico está em sua singeleza de mostrar uma história que não é para ser vista como uma aventura em uma terra distante. Já temos aventuras demais e histórias de menos e uma terra distante entre ambas.

Silêncio como modo de ouvir e compreender. Como questionamento e ascese. Para ouvir a si próprio, para compreender o silêncio de Deus, diante do barulho angustiante dos gritos de dor dos que são crucificados no mar e pendurados de ponta-cabeça em poços. Um tipo de expiação, nos mostra Scorsese, sem o qual nem a certeza da fé, nem a sua dúvida podem ser contempladas. Nem o júbilo frágil da imanência, nem o sublime tênue da transcendência. Silêncio.


Relivaldo Pinho é autor de, entre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia. ed.ufpa, 2015 .


Texto publicado em O Liberal, 14 de março de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 15/3/2017 à 00h36


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ABOLICIONISMO: ESTADOS UNIDOS E BRASIL, UMA HISTÓRIA COMPARADA (SÉCULO XIX)
CÉLIA MARIA MARINHO DE AZEVEDO
ANNABLUME
(2003)
R$ 30,00



QUERIDO JOHN
NICHOLAS SPARKS
NOVO CONCEITO
(2011)
R$ 13,00



HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL
J. K. ROWLING
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



O BANCO DE TRÊS LUGARES - MARIA DE LOURDES TEIXEIRA (ROMANCE BRASILEIRO)
MARIA DE LOURDES TEIXEIRA
SARAIVA
(1951)
R$ 5,00



O HOMEM DE GELO - CONFISSÕES DE UM MATADOR DA MÁFIA
PHILIP CARLO
LANDSCAPE
(2007)
R$ 70,00



2001 UMA ODISSEIA NO ESPAÇO
ARTHUR C. CLARKE
ALEPH
(2014)
R$ 40,00



AVENIDA BRASIL: ENFIM UM PAÍS SÉRIO
PAULO CARUSO
DEVIR
(2010)
R$ 39,90



A ESTRATÉGIA DA CONFIANÇA
APOLINÁRIO TERNES
JOINVILLE
(1988)
R$ 8,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA GRECO-ROMANA II (DESDE ARISTÓTELES ATÉ OS NEOPLATÔNICOS) RODOLFO MANDOLFO
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1967)
R$ 18,00



O CAIBALION: ESTUDO DA FILOSOFIA HERMÉTICA DO ANTIGO EGITO E DA GRÉCIA
TRÊS INICIADOS
PENSAMENTO
(2015)
R$ 14,99





busca | avançada
31762 visitas/dia
1,1 milhão/mês