Silêncio, de Martin Scorsese | Relivaldo Pinho

busca | avançada
35024 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Literatura na poltrona
>>> A aridez de Beckett
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Nine Inch Nails e The Slip
>>> Por um corpo doente, porém, livre
>>> Iraque: plano de guerra
>>> A rocha que voa num labirinto
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Mais Recentes
>>> Movida pela Ambição
>>> Leite Derramado
>>> Teatro da Obsessão/Nelson Rodrigues
>>> A Distância entre nós
>>> Quem Sobreviverá?
>>> São Máximo, o confessor- Centúrias sobre a Caridade e outros escritos espirituais
>>> Teria Deus morrido?
>>> Operação Cavalo 4 De. Troia Nazaré
>>> Photoshop CS para Fotógrafos Digitais
>>> Viagens no Scriptorium
>>> Este Lado do Paraíso
>>> Amor Líquido - Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos
>>> Quinta Avenida, 5 da Manhã - Audrey Hepburn- Bonequinha de Luxo e o Surgimento da Mulher Moderna
>>> La Consolante
>>> Notre-Dame de Paris
>>> A Arte da Guerra
>>> A Sociologia de Norbert Elias
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Cântico dos Cânticos
>>> La femme de trente ans
>>> The Notebook
>>> Foe
>>> Os Versos Satânicos
>>> Terra Sonâmbula
>>> Caim
>>> O Evangelho Segundo Jesus Cristo
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança
>>> O Beijo Infame
>>> Antes da Coisa Toda Começar
>>> Estruturas da Mente - A Teoria das Inteligências Múltiplas
>>> Guia Politicamente Incorreto da América Latina
>>> O Contrato Social
>>> Tess of the D´Urbervilles
>>> O Grande Conflito
>>> Ágape
>>> Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse - Volume 1
>>> O Cantor De Tango
>>> 1.000 Lugares Para Conhecer Antes De Morrer
>>> Nietzsche para Estressados
>>> Estorvo
>>> Cozinheiros Demais
>>> A Outra Face Da Doença - A Saúde Revelada Por Deus
>>> L'approche par compétences dans l'enseignement des langues
>>> Pensar Por Conta Própria
>>> O Evangelho Da Meninada
>>> Sinal De Contradição
>>> Limites Sem Trauma
>>> Desta Vez Eu Emagreço!
>>> Alucinado Som De Tuba
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 15/3/2017
Silêncio, de Martin Scorsese
Relivaldo Pinho

+ de 300 Acessos


Reprodução


É bobagem criticar o filme de Scorsese pela temática cultural apenas, apelando para a crítica à Igreja, ou para o inglês falado pelos Jesuítas portugueses, que se arvoram a ir ao Japão do século 17 em busca de um padre que teria se renegado. Em tempos de acentuados “tudo me dói” e “isso não me representa”, fazer isso é um pouco de desonestidade intelectual.

Sutileza. Essa é a chave para se apreciar “Silêncio” (Silence, 2017). Sutileza da temática e sutileza - sim, há imagens fortes (sic) no filme - das imagens. Esqueçamos a vulgaridade com que se usa esse adjetivo; Scorsese nunca é vulgar, não precisa espatifar um escravo para dizer que isso não se faz (12 anos de Escravidão, etc etc etc.).

Não temos nada das imagens que mais marcaram a carreira do diretor, a câmera não representa freneticamente as cenas, a imagem não congela com uma trilha sonora ao fundo, o cenário não é sempre belo (Kundun – 1997) e nós não nos identificamos, inequivocamente, com um personagem, mesmo um assassino, carismático.

A sutileza da temática religião/fé está representada em cenas e imagens que merecem ser observadas com atenção e alguma percepção contemplativa. Esse aspecto sutil está, por exemplo, na presença do personagem Kichijiro (Yôsuke Kubozuka). Kichijiro é o guia da expedição. Ele perdeu a família que se recusou a renegar a religião cristã. Vive atormentado, porque renega e sobrevive.



Ele é a personificação da incompreensão, medo, culpa e dúvida que atravessam a narrativa e marcam, decisivamente, o protagonista, padre Rodrigues (Andrew Garfield, em uma atuação que, espero, apague da memória adolescente seus arroubos infantis). Kichijiro, a todo momento, trai o padre e, ao mesmo tempo, quer se confessar para obter o perdão e ficar “limpo”.

O que, ao final, padre Ferreira (Liam Neeson), o jesuíta “adaptado”, questiona sobre a força da religião, a diferente ideia de Deus, a incompreensão do cristianismo pelos japoneses, se mostra, quase como cinismo e ironia, em Kichijiro. Sempre encontrando uma saída “fácil” na praticidade do mundo real, ele é aquilo que é sujo, corrupto e covarde e que ameaça degenerar qualquer convicção, ameaça, em “Silêncio”, a convicção da fé.

Esse embate entre espírito e carne, fé e realidade, será a cruz do padre Rodrigues. Ele mesmo se vê, alucinadamente, como Cristo e imagina, com Jesus, conversar. Incondicionalmente, movido por sua fé, ele passa pelas provações do mundo que o rodeia. Um mundo no qual a cultura nativa quer, pela violência sobre os cristãos japoneses, convertê-lo para que ele sirva de exemplo.

Exemplos são modelos a serem exibidos. Rodrigues questiona-se sobre ceder em prol dos camponeses torturados. Sua agoniante indecisão representa a complexidade temática de um filme que não cede a esquematismos e maniqueísmos. A lógica simples do colonizado versus colonizador aqui não cabe, se esmaece.

Não se trata aqui apenas de um choque cultural. É claro que ele é um cenário temático do filme. Mas ele não é, de modo algum, sua única razão. Serve para uma leitura antropológica, mas serve, especialmente, para uma leitura estética (não são inseparáveis). Não adianta gritar pela urgente politização do filme, ou pela culpa do ocidente. Isso é apenas uma leitura do que o filme não se propõe e não é. Deixemos isso para as ladainhas dos likes.

Scorsese não quer simplesmente escolher um lado, ele não fez um filme para a fruição dos blockbusters, nem está glorificando aquilo que é, fundamentalmente, complexo, porque, evidentemente, humano. Seu caráter épico está em sua singeleza de mostrar uma história que não é para ser vista como uma aventura em uma terra distante. Já temos aventuras demais e histórias de menos e uma terra distante entre ambas.

Silêncio como modo de ouvir e compreender. Como questionamento e ascese. Para ouvir a si próprio, para compreender o silêncio de Deus, diante do barulho angustiante dos gritos de dor dos que são crucificados no mar e pendurados de ponta-cabeça em poços. Um tipo de expiação, nos mostra Scorsese, sem o qual nem a certeza da fé, nem a sua dúvida podem ser contempladas. Nem o júbilo frágil da imanência, nem o sublime tênue da transcendência. Silêncio.


Relivaldo Pinho é autor de, entre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia. ed.ufpa, 2015 .


Texto publicado em O Liberal, 14 de março de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 15/3/2017 à 00h36


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONVERSAS NO ADRO DA IGREJA
JACQUES GAILLOT E EUGEN DREWERMANN
NOTÍCIAS
(1997)
R$ 36,10
+ frete grátis



MIMESIS -A REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE NA LITERATURA OCIDENTALL
ERICH AUERBACH
PERSPECTIVA
(2009)
R$ 51,10



REVISTA PLACAR NUMERO 292 31/10/1975
VARIOS
ABRIL
(1975)
R$ 25,00
+ frete grátis



ÉBANO - MINHA VIDA NA ÁFRICA
RYSZARD KAPUSCINSKI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 67,90



O TURNO DA NOITE - VOL. 2 - REVELAÇÕES
ANDRÉ VIANCO
NOVO SÉCULO
(2006)
R$ 15,00



ATIVANDO O CORPO ENERGETICO
ROBERTO EPIFANIO DA SILVA
UNIVERSALISTA
(1995)
R$ 24,90



FÍSICA PARTE 2
ANTÔNIO MÁXIMO E BEATRIZ ALVARENGA
SCIPIONE
(2017)
R$ 30,00



A SOCIEDADE ABERTA E SEUS INIMIGOS VOLUME 1
KARL POPPER
ITATIAIA
(1998)
R$ 39,00



O PODER INFINITO DA SUA MENTE
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1980)
R$ 33,50



GIBI CAMELOT 3000 O FIM DA SAGA
MIKE W. BARR
ABRIL
(1985)
R$ 14,00
+ frete grátis





busca | avançada
35024 visitas/dia
896 mil/mês