O ao vivo acabou? Ou a sinfonia e o selfie | Relivaldo Pinho

busca | avançada
32191 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
>>> Olímpica
>>> Metade da laranja ou tampa da panela?
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Cultura pop
>>> O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Para pecar, vá de manga
Mais Recentes
>>> Matemática Fundamental- Uma nova abordagem- Volume único
>>> Diálogo: Primeiros Estudos em Filosofia- Volume único
>>> Ser protagonista box- Geografia
>>> Dogs
>>> Descobrindo a história da arte- Volume único
>>> Español Único- Volume único
>>> Sociologia em movimento- Volume único
>>> Windows Server 2003- Curso completo
>>> Química Essencial- Volume único
>>> Biologia - Volume único
>>> Assim falou Zaratustra
>>> História: das cavernas ao terceiro milênio- Volume único- Coleção Vereda Digital
>>> Método infantil para piano com ilustrações
>>> Macroeconomics
>>> Macroeconomics
>>> Palavra e Parábola uma Aventura pela Linguagem
>>> The Sky
>>> Ágape
>>> World Of Warcraft - Sombras da Horda
>>> Diablo III - A Ordem
>>> O Exterminador do Futuro - Limited Edition
>>> Os Sete
>>> O Senhor agora vai mudar de corpo
>>> Xml programação com vb e asp
>>> Programando em javaserver faces
>>> Professional visual basic .net
>>> Java e xml - processamento de documentos xml com java - guia de consulta rápida
>>> Flash light 2 crie aplicativos e games para celulares
>>> dominando Eclipse
>>> c# Como programar
>>> O Xará
>>> A Hora da História
>>> A Terapeuta Um romance sobre a Ansiedade
>>> Histórias das Invenções/Dom Quixote para Crianças - Monteiro Lobato (Liteartura Infanti-Juvenil)
>>> Código da vida
>>> O Diário Secreto
>>> O Pequeno Príncipe (Com aquarelas do autor)
>>> Disciplina Eclesiástica: a Respeito do Habito Talar
>>> História Das Mulheres No Brasil
>>> Prostituição em áreas urbanas: histórias do tempo presente
>>> História do amor no Brasil
>>> Estatistica Básica
>>> O perigo é a minha profissão e outras histórias
>>> O Menino Sem Imaginação
>>> A cadeira vazia
>>> O Mistério do Homem Amarelo
>>> Curvas peligrosas 2
>>> Perestroika - Novas Ideias para o meu País e o Mundo
>>> Sociologia para o Ensino Médio Volume Único Manual do Professor
>>> Papa João Paulo II A História de Uma Vida
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 10/5/2017
O ao vivo acabou? Ou a sinfonia e o selfie
Relivaldo Pinho

+ de 1000 Acessos


Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz. 2016. Foto: Elza Lima/Secult


O espetáculo ao vivo é, cada vez mais, algo residual. A relação entre apresentação e público, na qual predomina uma interação direta, foi, em muitos aspectos, substituída pelo tecnicismo, pela mediação potencializada e encantatória da maquinaria contemporânea.

Recentemente, a OSTP (Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz) executou, em Belém, sob a regência de seu maestro titular, Miguel Campos Neto, a Sinfonia nº 4 em Mi bemol maior (Romântica), do compositor austríaco Anton Bruckner (1824-1896).

Ovacionada ao final, a apresentação, segundo afirmou o maestro, buscava “suprir algumas lacunas no repertório da orquestra e da cidade, como, por exemplo, as sinfonias de Bruckner, de Brahms, Mahler, o que é básico em orquestra sinfônica”.

Essas lacunas são diferentes daquelas que tentamos, ao acompanhar uma apresentação, preencher através do uso ubíquo da tecnologia. A percepção de uma obra, seja ela visual, ou predominantemente sonora, já é, há tempos, uma fruição que não depende mais, exclusivamente, do sujeito como o único intermediário.

Especialmente porque essa percepção deseja que a performance não apenas seja “maior” do que ela mesma, mas que ela nos dê algo que nos falta. Isso parece simplesmente contraditório, mas é uma contradição de nossa condição.

A intensa tecnicidade de nosso mundo ao mesmo tempo que proporcionou o “espetáculo” na sala de estar, nos empurrou para um desejo de senti-lo, “mais uma vez”, ao vivo, como performance. É o que nos relembra Steven Connor em Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo.

Os fundamentos conceituais desse debate já foram discutidos por, dentre outros, Walter Benjamin (citado por Connor) em seu célebre - e complexo - texto sobre a perda da aura. Connor atualiza parte dessa abordagem benjaminiana.

Nas contemporâneas performances (os exemplos do autor são mais ligados ao rock, mas, especialmente hoje, eles servem para outros estilos e apresentações) “a intimidade e a imediatez nessa escala [de grandes performances] só podem ser alcançadas por atos maciçamente conspícuos de representação. Uma enorme amplificação, imagens impressionantemente expandidas: eis as formas assumidas pela reprodução no contexto do ao vivo. [...] Não causa surpresa o sucesso deste oxímoro pós-moderno, a ‘gravação ao vivo’”.

Como seu contexto é outro, Connor centra-se principalmente nesses aspectos espetaculares do ao vivo. Mas o advento das técnicas portáteis de registro e a possibilidade de termos, em nossa memória virtualizada, as imagens dessas apresentações, tornaria esse diagnóstico mais complexo.

A conhecida imagem de celulares registrando espetáculos nos dá um pouco da visão desse sintoma. De certo modo, essa atitude satisfaz um desejo de que a construção de nossa percepção do que está sendo apresentado, possa ser mediada pela sua captação/captura de um momento que deve permanecer pelo tempo de sua/nossa “necessidade”.

É como se o espetáculo precisasse estar inerentemente ligado ao “Eu”, como um selfie que, em um lampejo, permanece, sobre o qual cremos exercer algum domínio e dar-lhe, andante quasi allegro, um “destino”, um endereço.

Não se busca mais somente as grandes performances em telas e sons de alto alcance que indiciem uma experiência recompensadora e imediata. Procura-se se inserir, literalmente, no hic et nunc (aqui e agora) do ato, mesmo que, ou exatamente por isso, ele tenha sido feito para ser visto, contemplado. Deseja-se ser, performaticamente, também autor do espetáculo.

É claro que não se deve desconsiderar, dentre outras questões, que as avançadas técnicas proporcionaram a apreciação de conteúdos de variados tipos. Assuntos que, até então, eram restritos a fontes inacessíveis e que, talvez por isso, permaneciam muito mais como conteúdos especializados.



A empolgante apresentação, pela orquestra, da sinfonia do compositor austríaco não deve ser encarada apenas como um resíduo do ao vivo, mas, também, como uma possibilidade. Talvez possa ser uma tentativa persistente, não necessariamente substituta, de preencher as lacunas de nossa percepção, como um exercício de se voltar a algo que se aproxime de uma sensação de experiência única.

Uma experiência do perceptível. Não com uma visão romântica de uma percepção imaculada, nem apenas através de nossos modos Self de fruição e registro, mas repleta de variabilidade e “contrapontos”, como a Romântica, de Bruckner.


Relivaldo Pinho é escritor, pesquisador e professor.


Texto publicado em O liberal, 09 de maio de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 10/5/2017 à 01h49


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TITHING
R. T. KENDALL
HODDER & STOUGHTON RELIGIOUS
(1986)
R$ 25,00
+ frete grátis



GALOPE DE AMOR
DANIELLE STEEL
RECORD
(2011)
R$ 14,00



ESCOLHAS SUSTENTÁVEIS
RAFAEL MORAIS CHIARAVALLOTI
MATRIX
(2011)
R$ 10,30



PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO
ROBERT H. GUNDRY
VIDA NOVA
(2008)
R$ 70,00



NAPOLEON'S WARS: AN INTERNATIONAL HISTORY
CHARLES ESDAILE
PINGUIN
(2009)
R$ 30,00



INICIACION A LA AQUARELA - AQUARELA PARA INICIANTES - NOVO EMBALADO
ACUARELA
PE
(2017)
R$ 49,90



MÁ SORTE QUE ELA FOSSE PUTA - JOHN FORD (TEATRO INGLÊS)
JOHN FORD
EDITORIAL ESTAMPA
(1983)
R$ 15,00



INTRODUCTION TO DYNAMIC MACROECONOMIC GENERAL EQUILIBRIUM MODELS 2ND
JOSE LUIS TORRES CHACON
VERMOS ART AND SCIENCE
(2015)
R$ 110,00



FLÁVIO JOSEFO - HISTÓRIA DOS HEBREUS (VOLUME 2) - CAPA DURA
FLÁVIO JOSEFO
DAS AMÉRICAS
(1956)
R$ 80,00



PROFUNDAMENTE SUA
SYLVIA DAY
PARALELA
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
32191 visitas/dia
1,0 milhão/mês