ESCAVAÇÕES NO TEMPO | Impressões Digitais

busca | avançada
31762 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Artista plástica Ana Maria Tavares estará no Programa Arte-Papo da Fundação Ema Klabin
>>> Escritora Isa Colli faz lançamento oficial no Brasil de seu livro na Bienal do Livro Rio de Janeiro
>>> Shopping Metrô Tucuruvi traz literatura com muita diversão em Feira do Livro
>>> Seminário reflete sobre Arquivos e Direitos Humanos com documentos da Comissão Teotônio Vilela
>>> Evento gratuito discute as transformações do jornalismo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
>>> Plagas e pragas
>>> Elas por elas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Enriquecer é Glorioso!
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> Televisão versus Internet: a disputa desnecessária
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> Exibir sem mostrar
>>> It's my shout
>>> É batata!
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> Eu blogo, tu blogas?
Mais Recentes
>>> Pop-up Game Of Thrones
>>> Um plano de saúde que Deus garante - Dr. Fernando M.F. de Oliveira
>>> Mais que um Carpinteiro - Josh McDowell
>>> O livro da selva 2ª ed.
>>> Criação, Graça, Salvação
>>> As Novas Antropologias. Um desafio à Teologia
>>> Teologia da Criação
>>> As Parábolas de Jesus
>>> O Pai-Nosso. A Oração do Senhor
>>> O Sermão da Montanha
>>> Convite à Filosofia
>>> O Advogado
>>> As Escravas do Diabo
>>> Trilogia Coleção Rubaiyat - O Livro de Job, O Livro da Sabedoria, Eclesiastes
>>> Ardente Reencontro
>>> Segredos Perigosos
>>> Voltando Para Você
>>> Prometida Para o Príncipe
>>> Oásis do Coração
>>> Diga Sim Ao Amor
>>> Procura-se Uma Babá e Uma Chance Para Amar
>>> Cenário de Sedução
>>> A Outra Face
>>> A Outra Face
>>> Os Frutos Selvagem da Sibéria
>>> A Filha do Deputado
>>> Os Frutos Dourados do Sol
>>> Safra Vermelha
>>> O Martírio do Obeso
>>> O Mistério Frontenac
>>> O Senhor das Moscas
>>> O Lado Escuro dos Ceús
>>> Um Rei na Manga
>>> Filhas de Outros Homens
>>> Na Asa da Borboleta
>>> Sereníssima
>>> Médicos em Perigo
>>> Plexus- A Crucificação Encarnada
>>> A Volta do Tarzan
>>> Em Aquário Ninguém se Esconde
>>> Trilogia: Peça-me o que Quiser, Peça-me O Que Quiser Agora e Sempre e Peça-me O Que Quiser Ou Deixe-Me
>>> Perdida
>>> Cerrrado em Perspectiva(s)
>>> Como Sobreviver A Perda de Um Amor
>>> Você é mais Capaz do Que Pensa
>>> Para o Dia Nascer Feliz
>>> Alegria e Triunfo
>>> A Cabala e a Arte de Ser Feliz
>>> A Arte de Separar-se
>>> A Droga da Obediência
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 14/6/2017
ESCAVAÇÕES NO TEMPO
Ayrton Pereira da Silva

+ de 200 Acessos

A casa paterna, em Niterói, não existe mais, dela não restou uma foto sequer. Naqueles idos, era raro quem possuísse uma máquina de retrato, que, na verdade, não nos fazia falta, pois tudo parecia eterno e o tempo não iria passar.

Embora distantes da guerra que se travava do outro lado do Atlântico, ceifando milhões de vidas, seus reflexos nos chegavam nas filas da padaria para comprar um pão escurecido e racionado; nos enormes cilindros de gasogênio que os carros usavam à falta de gasolina; no hemisfério das lâmpadas pintado de preto na parte voltada para o mar, ao longo de todo o cais, devido ao blecaute imposto pela presença de submarinos inimigos na costa; e, ainda, nas transmissões carregadas de estática das ondas curtas dos rádios transmitindo as notícias longínquas do front pela BBC de Londres. Isto sem falar no famoso Repórter Esso, na voz inconfundível de Heron Domingues, reportando despachos de última hora sobre o teatro das operações bélicas.

Para nós, meninos, isso não passava de mais um capítulo da eletrizante aventura de viver, como se fosse um seriado do Cinema Mandaro ou um episódio da telenovela de mistério que a Rádio Nacional levava ao ar diariamente. Aventura cujo clima de suspense era acentuado pelo semblante grave dos adultos, preocupados com o desenrolar das batalhas sangrentas que iriam selar a sorte do mundo livre, ameaçado pela terrível máquina de destruição da Alemanha nazista.

Às vezes, nos chegavam aos ouvidos retalhos das conversas que meu pai mantinha ao entardecer com os vizinhos mais próximos, e que não raro resvalavam em acesos debates, dividindo as opiniões entre francófilos e germanófilos, aqueles evocando a tradição de cultura e democracia do espírito gaulês, e alguns glorificando os feitos bélicos de uma nação que havia sido submetida aos termos do tratado de Versailles depois que perdera a primeira guerra mundial.

Foi num tempo anterior à eclosão dos edifícios de inúmeros pavimentos que emparedaram as ruas, barrando o sol e o vento, encaixotando os moradores e privando-os do direito a um pedaço de terra ou uma nesga de céu, em contraste com as ruas daquela época, quando só havia casas de no máximo dois andares e uma vizinhança que se conhecia pelos nomes e se solidarizava nos momentos de tristeza e celebrava os de alegria, sem embargo de suas eventuais diferenças, próprias do convívio em sociedade.

De lá para cá já se vai mais de meio século. Tudo mudou. Hoje a infância foi sequestrada pelo avassalador progresso alavancado pela internet e pelo espantoso avanço das ciências e da tecnologia.

Cerca de três décadas depois, voltei a morar na mesma rua onde no passado jogava bola de gude, disputava animados rachas de futebol, brincava de bandido e mocinho, soltava pipa, via e ouvia as meninas cantando cirandas e pulando amarelinha. Eram momentos de puro alumbramento: admirava as tranças das meninas, seus gestos delicados e a beleza de serem assim.

São relembranças gravadas na pedra das paredes da memória que, enquanto eu viver, jamais se apagarão.

Sou um sobrevivente dos tempos de antanho e um forasteiro no mundo de agora, tão diferente do mundo em que vivi, embora pise o mesmo chão, veja a mesma praia, mas não vejo mais a paisagem de outrora. E isso me deixa triste, embora saiba que a face do tempo é multiforme e se adapta às circunstâncias que moldam as diversas fases da história da existência humana.

Claro que todas as gerações têm seu tempo e sua história e é impossível compará-las, pela singela razão que o olhar de cada criança ante o seu quoditiano detém a magia que se esvai como um aroma, deixando um acervo inavaliável e intransferível de lembranças que vem a constituir um patrimônio particular que todos carregamos, para nutrir de paz e de sublimação o nosso espírito ou, se preferirem, a nossa mente.

Porém, se realizarmos um corte epistemológico, chegaremos à inevitável conclusão de que, mesmo evoluindo, na verdade, involuímos. Basta um olhar para a inimaginável barbárie que permeia e contamina a realidade dos dias de hoje. É algo brutal, uma espécie de determinismo que nos faz regredir, com requintes de crueldade agravados pela possibilidade de uma guerra nuclear, qual uma espada de Dâmocles pendente sobre nossas cabeças.

Se André Breton, autor do Manifesto Surrealista, voltasse agora ficaria perplexo por sentir-se totalmente ultrapassado...

Ayrton Pereira da Silva



Postado por Ayrton Pereira da Silva
Em 14/6/2017 às 14h05


Mais Impressões Digitais
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ABOLICIONISMO: ESTADOS UNIDOS E BRASIL, UMA HISTÓRIA COMPARADA (SÉCULO XIX)
CÉLIA MARIA MARINHO DE AZEVEDO
ANNABLUME
(2003)
R$ 30,00



QUERIDO JOHN
NICHOLAS SPARKS
NOVO CONCEITO
(2011)
R$ 13,00



HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL
J. K. ROWLING
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



O BANCO DE TRÊS LUGARES - MARIA DE LOURDES TEIXEIRA (ROMANCE BRASILEIRO)
MARIA DE LOURDES TEIXEIRA
SARAIVA
(1951)
R$ 5,00



O HOMEM DE GELO - CONFISSÕES DE UM MATADOR DA MÁFIA
PHILIP CARLO
LANDSCAPE
(2007)
R$ 70,00



2001 UMA ODISSEIA NO ESPAÇO
ARTHUR C. CLARKE
ALEPH
(2014)
R$ 40,00



AVENIDA BRASIL: ENFIM UM PAÍS SÉRIO
PAULO CARUSO
DEVIR
(2010)
R$ 39,90



A ESTRATÉGIA DA CONFIANÇA
APOLINÁRIO TERNES
JOINVILLE
(1988)
R$ 8,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA GRECO-ROMANA II (DESDE ARISTÓTELES ATÉ OS NEOPLATÔNICOS) RODOLFO MANDOLFO
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1967)
R$ 18,00



O CAIBALION: ESTUDO DA FILOSOFIA HERMÉTICA DO ANTIGO EGITO E DA GRÉCIA
TRÊS INICIADOS
PENSAMENTO
(2015)
R$ 14,99





busca | avançada
31762 visitas/dia
1,1 milhão/mês