ESCAVAÇÕES NO TEMPO | Impressões Digitais

busca | avançada
32191 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
>>> Olímpica
>>> Metade da laranja ou tampa da panela?
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Cultura pop
>>> O Paciente Steve, de Sam Lipsyte
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Para pecar, vá de manga
Mais Recentes
>>> Matemática Fundamental- Uma nova abordagem- Volume único
>>> Diálogo: Primeiros Estudos em Filosofia- Volume único
>>> Ser protagonista box- Geografia
>>> Dogs
>>> Descobrindo a história da arte- Volume único
>>> Español Único- Volume único
>>> Sociologia em movimento- Volume único
>>> Windows Server 2003- Curso completo
>>> Química Essencial- Volume único
>>> Biologia - Volume único
>>> Assim falou Zaratustra
>>> História: das cavernas ao terceiro milênio- Volume único- Coleção Vereda Digital
>>> Método infantil para piano com ilustrações
>>> Macroeconomics
>>> Macroeconomics
>>> Palavra e Parábola uma Aventura pela Linguagem
>>> The Sky
>>> Ágape
>>> World Of Warcraft - Sombras da Horda
>>> Diablo III - A Ordem
>>> O Exterminador do Futuro - Limited Edition
>>> Os Sete
>>> O Senhor agora vai mudar de corpo
>>> Xml programação com vb e asp
>>> Programando em javaserver faces
>>> Professional visual basic .net
>>> Java e xml - processamento de documentos xml com java - guia de consulta rápida
>>> Flash light 2 crie aplicativos e games para celulares
>>> dominando Eclipse
>>> c# Como programar
>>> O Xará
>>> A Hora da História
>>> A Terapeuta Um romance sobre a Ansiedade
>>> Histórias das Invenções/Dom Quixote para Crianças - Monteiro Lobato (Liteartura Infanti-Juvenil)
>>> Código da vida
>>> O Diário Secreto
>>> O Pequeno Príncipe (Com aquarelas do autor)
>>> Disciplina Eclesiástica: a Respeito do Habito Talar
>>> História Das Mulheres No Brasil
>>> Prostituição em áreas urbanas: histórias do tempo presente
>>> História do amor no Brasil
>>> Estatistica Básica
>>> O perigo é a minha profissão e outras histórias
>>> O Menino Sem Imaginação
>>> A cadeira vazia
>>> O Mistério do Homem Amarelo
>>> Curvas peligrosas 2
>>> Perestroika - Novas Ideias para o meu País e o Mundo
>>> Sociologia para o Ensino Médio Volume Único Manual do Professor
>>> Papa João Paulo II A História de Uma Vida
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 14/6/2017
ESCAVAÇÕES NO TEMPO
Ayrton Pereira da Silva

+ de 300 Acessos

A casa paterna, em Niterói, não existe mais, dela não restou uma foto sequer. Naqueles idos, era raro quem possuísse uma máquina de retrato, que, na verdade, não nos fazia falta, pois tudo parecia eterno e o tempo não iria passar.

Embora distantes da guerra que se travava do outro lado do Atlântico, ceifando milhões de vidas, seus reflexos nos chegavam nas filas da padaria para comprar um pão escurecido e racionado; nos enormes cilindros de gasogênio que os carros usavam à falta de gasolina; no hemisfério das lâmpadas pintado de preto na parte voltada para o mar, ao longo de todo o cais, devido ao blecaute imposto pela presença de submarinos inimigos na costa; e, ainda, nas transmissões carregadas de estática das ondas curtas dos rádios transmitindo as notícias longínquas do front pela BBC de Londres. Isto sem falar no famoso Repórter Esso, na voz inconfundível de Heron Domingues, reportando despachos de última hora sobre o teatro das operações bélicas.

Para nós, meninos, isso não passava de mais um capítulo da eletrizante aventura de viver, como se fosse um seriado do Cinema Mandaro ou um episódio da telenovela de mistério que a Rádio Nacional levava ao ar diariamente. Aventura cujo clima de suspense era acentuado pelo semblante grave dos adultos, preocupados com o desenrolar das batalhas sangrentas que iriam selar a sorte do mundo livre, ameaçado pela terrível máquina de destruição da Alemanha nazista.

Às vezes, nos chegavam aos ouvidos retalhos das conversas que meu pai mantinha ao entardecer com os vizinhos mais próximos, e que não raro resvalavam em acesos debates, dividindo as opiniões entre francófilos e germanófilos, aqueles evocando a tradição de cultura e democracia do espírito gaulês, e alguns glorificando os feitos bélicos de uma nação que havia sido submetida aos termos do tratado de Versailles depois que perdera a primeira guerra mundial.

Foi num tempo anterior à eclosão dos edifícios de inúmeros pavimentos que emparedaram as ruas, barrando o sol e o vento, encaixotando os moradores e privando-os do direito a um pedaço de terra ou uma nesga de céu, em contraste com as ruas daquela época, quando só havia casas de no máximo dois andares e uma vizinhança que se conhecia pelos nomes e se solidarizava nos momentos de tristeza e celebrava os de alegria, sem embargo de suas eventuais diferenças, próprias do convívio em sociedade.

De lá para cá já se vai mais de meio século. Tudo mudou. Hoje a infância foi sequestrada pelo avassalador progresso alavancado pela internet e pelo espantoso avanço das ciências e da tecnologia.

Cerca de três décadas depois, voltei a morar na mesma rua onde no passado jogava bola de gude, disputava animados rachas de futebol, brincava de bandido e mocinho, soltava pipa, via e ouvia as meninas cantando cirandas e pulando amarelinha. Eram momentos de puro alumbramento: admirava as tranças das meninas, seus gestos delicados e a beleza de serem assim.

São relembranças gravadas na pedra das paredes da memória que, enquanto eu viver, jamais se apagarão.

Sou um sobrevivente dos tempos de antanho e um forasteiro no mundo de agora, tão diferente do mundo em que vivi, embora pise o mesmo chão, veja a mesma praia, mas não vejo mais a paisagem de outrora. E isso me deixa triste, embora saiba que a face do tempo é multiforme e se adapta às circunstâncias que moldam as diversas fases da história da existência humana.

Claro que todas as gerações têm seu tempo e sua história e é impossível compará-las, pela singela razão que o olhar de cada criança ante o seu quoditiano detém a magia que se esvai como um aroma, deixando um acervo inavaliável e intransferível de lembranças que vem a constituir um patrimônio particular que todos carregamos, para nutrir de paz e de sublimação o nosso espírito ou, se preferirem, a nossa mente.

Porém, se realizarmos um corte epistemológico, chegaremos à inevitável conclusão de que, mesmo evoluindo, na verdade, involuímos. Basta um olhar para a inimaginável barbárie que permeia e contamina a realidade dos dias de hoje. É algo brutal, uma espécie de determinismo que nos faz regredir, com requintes de crueldade agravados pela possibilidade de uma guerra nuclear, qual uma espada de Dâmocles pendente sobre nossas cabeças.

Se André Breton, autor do Manifesto Surrealista, voltasse agora ficaria perplexo por sentir-se totalmente ultrapassado...

Ayrton Pereira da Silva



Postado por Ayrton Pereira da Silva
Em 14/6/2017 às 14h05


Mais Impressões Digitais
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TITHING
R. T. KENDALL
HODDER & STOUGHTON RELIGIOUS
(1986)
R$ 25,00
+ frete grátis



GALOPE DE AMOR
DANIELLE STEEL
RECORD
(2011)
R$ 14,00



ESCOLHAS SUSTENTÁVEIS
RAFAEL MORAIS CHIARAVALLOTI
MATRIX
(2011)
R$ 10,30



PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO
ROBERT H. GUNDRY
VIDA NOVA
(2008)
R$ 70,00



NAPOLEON'S WARS: AN INTERNATIONAL HISTORY
CHARLES ESDAILE
PINGUIN
(2009)
R$ 30,00



INICIACION A LA AQUARELA - AQUARELA PARA INICIANTES - NOVO EMBALADO
ACUARELA
PE
(2017)
R$ 49,90



MÁ SORTE QUE ELA FOSSE PUTA - JOHN FORD (TEATRO INGLÊS)
JOHN FORD
EDITORIAL ESTAMPA
(1983)
R$ 15,00



INTRODUCTION TO DYNAMIC MACROECONOMIC GENERAL EQUILIBRIUM MODELS 2ND
JOSE LUIS TORRES CHACON
VERMOS ART AND SCIENCE
(2015)
R$ 110,00



FLÁVIO JOSEFO - HISTÓRIA DOS HEBREUS (VOLUME 2) - CAPA DURA
FLÁVIO JOSEFO
DAS AMÉRICAS
(1956)
R$ 80,00



PROFUNDAMENTE SUA
SYLVIA DAY
PARALELA
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
32191 visitas/dia
1,0 milhão/mês