O youtuber é um novo dândi? | Relivaldo Pinho

busca | avançada
29275 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ah, essa falsa cultura...
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Santiago, de João Moreira Salles
>>> Juventude
>>> Repensar cursos de comunicação
>>> Um Paulo Francis ainda desconhecido
>>> A Voz do fogo
>>> Da relevância e do respeito musical
>>> Da relevância e do respeito musical
Mais Recentes
>>> A Magia do Números
>>> Os Mortos nos falam
>>> Manon Lescaut
>>> O modernismo brasileiro e a língua portuguesa - 1ª ed.
>>> Os crimes de olho de boi - 2ª ed.
>>> Inconfidência no Império - Goa de 1787 e Rio de Janeiro de 1794
>>> O mistério do leão rampante
>>> Bibliografia sobre a juventude -1ª ed.
>>> Filosofia: Iniciação à Investigação Filosófica - 1992
>>> Mariguella - O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo
>>> Luís Carlos Prestes - Um Revolucionário Entre Dois Mundos
>>> Os Irmãos Karamabloch - Ascensão e Queda ...
>>> Josefa e sua Gente - Capa Dura e Sobre Capa Colorida
>>> Tostão: Lembranças, Opiniões, Reflexões sobre Futebol - 1ª Edição
>>> Estrela Solitária - Um Brasileiro Chamado Garrincha - 1ª Edição
>>> Vida e Arte - Memórias de Lélia Abramo - 1ª Edição
>>> A Regra do Jogo - O Jornalismo e a Ética do Marceneiro
>>> A Ortodoxia Judaica e Seus Descontentes - 1ª Edição
>>> Teria Deus morrido?
>>> A Barca do amantes
>>> Ponto de Impacto
>>> Psicologias - Uma Introdução ao Estudo de Psicologia
>>> Uma Burca por Amor
>>> A Natureza Emocional da Marca
>>> Boy Alone - A Brother's Memoir
>>> A Vida Sabe o que Faz
>>> Reencontro com a Alma
>>> Jamie buckingham ( Kathryn kuhlman Biografia )
>>> Eneagrama Esencial ( A Essência do Eneagrama)
>>> Terceirização uma alternativa de flexibilidade Empresarial
>>> Vencendo a Crise
>>> Crônicas recolhidas
>>> Obreiros da Vida Eterna
>>> Casa Para Todos
>>> Ação Comunitária em Marcha
>>> Povo e Governo Juntos
>>> Fala Favela
>>> O Leite das Crianças
>>> Mutirão Contra a Pobreza
>>> Orçamento Público Série Provas e Concursos
>>> Manual de Direito do Trabalho
>>> Direito Penal Parte Geral Arts 1º ao 120
>>> Teste de QI para Auto Avaliação
>>> Prodix Projeto de Divulgação de Xadrez
>>> La Confesión de La Iglesia
>>> Matemática Ciência e Aplicação 1 Ensino Médio
>>> Elementos Básicos de Lógica
>>> Estudos Sobre o Livro do Apocalipse
>>> Os Sete Degraus da Queda de Pedro
>>> Comentários a Las Epistolas Pastorales de San Pablo
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 5/7/2017
O youtuber é um novo dândi?
Relivaldo Pinho

+ de 500 Acessos


Charles Baudelaire, por Gustave Courbet


Youtuber é como denominam hoje os que falam sobre determinado tema em vídeo na internet. Nem todo mundo se interessa por eles, mas muita gente os leva em estima. Fala sobre qualquer coisa, de política à maquiagem; de filosofia a jogos eletrônicos.

Personagem frequente nas telas do ciberespaço, imagina caminhar com facilidade pelas vias de uma experiência que o diferencia, que o qualifica como um comentador do contemporâneo. Seria um dândi que nos reconecta a um mundo que, agora, nos parece distante, seria um connoisseur de platitudes, ou apenas quer ser adorado em sua expressão midiatizada?

O dândi é um tipo que atingiu seu auge na modernidade. Para Baudelaire (O pintor da vida moderna, 1863) ele encarnava um ideal heroico, um tipo de reação, com seu desapego pelas coisas “vulgares” (dinheiro, amor, por exemplo) e iria muito além de sua elegância nas vestes e sua delicadeza no trato. “Para o perfeito dândi essas coisas são apenas um símbolo de superioridade aristocrática de seu espírito”.

Brummel (1778-1840), Byron (1788-1824) e o próprio Baudelaire (1821-1867) encarnaram esse tipo. Baudelaire, evidentemente, o menos apto deles, não porque não era dotado de retórica, ou gênio, mas porque “não tinha o dom de agradar, um elemento tão importante na arte de não agradar do dândi” (Benjamin, Paris do Segundo Império).

A visão de Baudelaire é, como podemos ver, bem diferente de uma conotação negativa que a ideia do estilo dândi ganhou. De reação aristocrática, de um comportamento estoico, como o caracterizava o poeta francês, o dandismo virou, também, sinônimo de extremo exagero, de afetação na indumentária e no comportamento.

Como vários produtos das mídias na internet, o youtuber desempenha os mais variados papeis. Mas pode-se dizer que um dos seus fundamentos é, também, acreditar ter o dom da retórica e da persuasão. Imagina-se (e imaginam-no) suficientemente seguro; pode parecer prosaico, mas pode parecer revelador; pode falar de esmalte, mas pode falar de Matisse.

Poderíamos pensar que esse é apenas um dos muitos indícios de nossas novas arenas onde os “leões” (um dos epítetos do dândi, segundo o livro organizado por Tomaz Tadeu, Manual do dândi: a vida com estilo) contemporâneos travam a batalha da atenção.

Se, para Baudelaire, ele era “uma espécie de culto de si mesmo, que pode sobreviver à busca da felicidade a ser encontrada em outrem, na mulher, por exemplo, que pode sobrevier, inclusive, a tudo a que chamamos ilusões”; para o nosso dândi, talvez, o culto de si mesmo esteja intrinsicamente ligado ao “amor” de outrem; de um coração a ser clicado.

Talvez, diferentemente do dândi “clássico” (um oxímoro), o contemporâneo não busque apenas “o prazer de provocar admiração e a satisfação orgulhosa de jamais ficar admirado”. Sua admiração pode se localizar na arena que ele vê e que o aplaude.

O ócio (tédio), arma e acessório do dândi do Século 19, pode ser um dos elementos do navegador cibernético de nossas telas e de nossos ávidos olhos tripulantes, pode ser emulação, mas, talvez, também seja a moeda forjada nas nossas, das mais complexas às mais ordinárias, incompletudes.

Para Baudelaire o dândi participaria de um ideal comum, ideal raro já naquela época (sempre?): “combater e destruir a trivialidade”. O tom de heroísmo que o autor de As flores do mal devota ao seu personagem se liga ao seu estilo, à sua vida, mas, acima de tudo, à sua época.

Baudelaire queria que um certo heroísmo vicejasse em uma época em que a poesia, por exemplo, já era mais uma atividade mercantil. Parte do fascínio de um poeta maldito viria dessa indolente insubordinação. Queria ser lido, mas não queria precisar encenar (isso, talvez, como sabemos, pensando em Baudelaire, sempre seria perigoso afirmar) um assassinato para isso.

Na semana passada uma norte-americana disse ter, acidentalmente, matado seu namorado porque ele queria fazer um vídeo para publicar na internet em que ela atirava nele e ele conteria a bala com um livro. A tia do rapaz teria dito que ele queria fazer um vídeo porque o casal desejava mais espectadores para seu canal, queriam ser famosos.

Baudelaire diria: “Mas um dândi nunca pode ser um homem vulgar. Se cometesse um crime, talvez não se desagradasse; mas, se esse crime tivesse uma causa trivial, a desonra seria irreparável”.

Em 1863, o poeta ainda imaginava um homem altivo, com estilo, um dândi, mesmo em uma situação trágica. Hoje, a tragédia estilizada (ainda se considera trágico?) não tem nada de altivez.


Relivaldo Pinho é escritor, pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 04 de julho de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 5/7/2017 à 01h36


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIDERANÇA ABERTA
CHARLENE LI
ÉVORA
(2011)
R$ 22,90



DIREITOS HUMANOS NO BRASIL 2009
VÁRIOS
FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL
(2009)
R$ 19,00



MESTRE NOZA - CAROLINA DUMARESQ
CAROLINA DUMARESQ
EDIÇÕES ~DEMÓCRITO ROCHA
(2002)
R$ 30,00



PAJUÇARA - OLIVEIROS LITRENTO (LITERATURA BRASILEIRA)
OLIVEIROS LITRENTO
AGIR
(1959)
R$ 4,50



PREVENÇÃO E PRIMEIROS SOCORROS
DR SANTIAGO ROSALES
GRUPO CULTURAL
(2008)
R$ 4,99



JESUS CRISTO NO EVANGELHO DE JOÃO
JACQUES GUILLET
PAULINAS
(2016)
R$ 47,60



QUE CRISTO TENHO EU? 1 E 2 TESSALONICENSES (2 VOLUMES)
DONG YU LAN
ARVORE DA VIDA
(2016)
R$ 13,80



COMÉDIAS - ARMANDO GONZAGA (TEATRO BRASILEIRO)
ARMANDO GONZAGA
TEIXEIRA
(1940)
R$ 40,00



NOVA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA CONCURSOS
RODRIGO BEZERRA
MÉTODO
(2011)
R$ 45,00



UMA BUSCA INTERIOR EM PSICOLOGIA E RELIGIÃO
JAMES HILLMAN
PAULINAS
(1984)
R$ 19,90





busca | avançada
29275 visitas/dia
1,1 milhão/mês