A imagem de Haroldo Maranhão | Relivaldo Pinho

busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ian Carvalho lança EP 'Morpheo In Eros'
>>> Semivelhos lança inédita 'Vai Chover'
>>> O que há na mente de Deus?
>>> Antropólogo discute autonomia dos símbolos e seu papel na criação da cultura
>>> Opressão violenta do consumo é abordada de forma onírica no espetáculo Quarenta e Duas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
>>> Ação e reação
>>> Fio de Eros IV
>>> Fio da meada
>>> Interlocutores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Crowdsourcing, o livro de Jeff Howe
>>> A paixão segundo Gero Camilo
>>> Mulheres fantásticas e futuristas
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> E-mail (devassado) para meu filho
>>> O desespero de Bush
Mais Recentes
>>> Estatística Básica
>>> MBA pra quê?
>>> Leitura dinâmica para iniciantes
>>> Mapas Mentais
>>> O Processo da Pérola - Identifique a Melhor Fase para a Sua Transformação
>>> O Mentalista: sei o que você está pensando - todos os segredos para ler a mente
>>> A Lista de Schindler
>>> Pense Dentro da Caixa
>>> Ética e Competência
>>> Resultados previsíveis em tempos imprevisíveis
>>> Faça Ser Fácil
>>> Thomas Piketty e o Segredo Dos Ricos
>>> Profissões do Futuro: Você Está no Jogo?
>>> O Empreendedor - Como Se Tornar Um Líder de Sucesso
>>> Planejamento Estratégico Pessoal
>>> Madre Tereza, CEO
>>> Seleção e Entrevista por Competências
>>> A Nova Lógica do Sucesso
>>> Mapas Estratégicos
>>> A Execução Premium
>>> Alinhamento
>>> A Estratégia em Ação Balancerd Scorecard
>>> O Estilo 80/20
>>> Ah, se eu soubesse: o que pessoas bem-sucedidas gostariam de ter sabido 25 anos atrás
>>> O Segredo
>>> A magia
>>> O Instinto do Sucesso
>>> Sabedoria Financeira
>>> Quero Ficar Rico
>>> O Primeiro Milhão Para Casais - Como Economizar e Enriquecer Juntos
>>> Auto-Responsabilidade: a chave para uma vida de realizações e conquista - um manual prático para reconstrução de crenças
>>> Eu, Líder Eficaz (Q.E.) - Manual prático de liderança pessoal e profissional - como ferramentas de programação neurolinguística e inteligência emocional
>>> Fator de Enriquecimento
>>> Cartas de Amor do Profeta
>>> O Dom Supremo
>>> O Demônio e a Srta. Prym
>>> Maktub
>>> Na Margem do Rio Piedra Sentei e Chorei
>>> Manual do Guerreiro da Luz
>>> Brida
>>> O Diário de Um Mago
>>> O Monte Cinco
>>> Veronika Decide Morrer
>>> As Valkírias
>>> O Alquimista
>>> A Oração que Deus entendia - 10
>>> Caderno de anotaçãoes II - 8
>>> O Valor das tradições - 9
>>> A cerimônia do chá - 7
>>> Seguindo a conciência - 6
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 16/8/2017
A imagem de Haroldo Maranhão
Relivaldo Pinho

+ de 200 Acessos


Livros de Haroldo Maranhão. Foto: Relivaldo Pinho


Haroldo Maranhão perseguia uma imagem. Ou, melhor, ele perscrutava as imagens. Isso, aqui, vai além do lugar-comum. O fato, o comum, no escritor paraense, sempre existiu como maneira de invertê-lo. O cotidiano, desempacotava como uma biblioteca; a história, transfigurava como um contador.

É um dos melhores narradores de nossa literatura. Narrar é, em seus romances, contos e novelas, a atitude por excelência que se insere na vida, quase sempre ordinária e fugidia, e no mundo recriado que, recontado, reencontra o passado.

A morte vira, pelos motivos mais inesperados, troça (“O defunto e seu bom bocado”, 1983); inventa o próprio fim, ou o do seu duplo (A morte de Haroldo Maranhão, 1981); mimetiza a guerra ocorrida, a partir da década de 1930, entre seu avô, Paulo Maranhão, o “mais odiado que amado” proprietário do jornal a “Folha do Norte”, e o Intendente do Pará, Magalhães Barata (Rio de raivas, 1987).

Fazendo jus a Machado de Assis, uma de suas maiores influências (Memorial do fim: a morte de Machado de Assis, 1991), sua prosa toca o que descreve, nela se inscrevendo. Como um artesão gráfico que, não sendo apenas mecânico, da prensa móvel do mundo, dispõe as coisas em palavras.

No caso de Haroldo, isso não é apenas uma metáfora. Durante parte de sua infância ficaria exilado no prédio do jornal (na Gaspar Viana, antiga sede de O liberal) de seu avô. Lá, entre máquinas e funcionários, os assoalhos se transformavam em piscinas, a rotina do jornal em uma pátria, obrigatoriamente, encastelada.

Essa época fora representada em seus belíssimos textos de Querido Ivan (1998), livro composto de cartas memorialísticas que escreveu ao irmão moribundo. Sempre que penso na diferença entre literatura e confissão – para lembrar, não fortuitamente, Mário Faustino (1930-1962) - penso nesse livro. É Mnemosine, levada pelas mãos de Caronte, a atravessar o tempo.

Vendo uma foto de infância, nos altos da “Folha”, Haroldo recorda: “Nós descíamos da chamada ‘Residência’ pela escada em caracol (de madeira) para metermos o bedelho na redação. Descendo a outra escada em caracol, esta de ferro, para fuçarmos as coisas da oficina. Tínhamos fome de aprender tudo, de conhecer os segredos da ‘máquina de moer ossos’ (jornal, na definição de Paulo Maranhão), que ia do mais modesto suplente de revisor aos operadores da ‘Marinoni’, a impressora francesa que o tempo tornaria obsoleta. Conquistamos amigos, poucos, que até nos ajudavam a compreender aquele mundo que nem era mundo, mas mundinho, para nós então inabarcável”.

Tempos depois, coordenaria no jornal o Suplemento Literário “Arte e Literatura”, decisiva referência sobre a cultura do Estado. Os livros já eram parte essencial de sua vida, o que o levaria, no final da década de 1950, a fundar a Livraria Dom Quixote.

Essa bibliofilia se expressaria em toda sua fisionomia, anos mais tarde, quando organizou uma das obras mais importantes sobre Belém do Pará, o livro, hoje já raro, Pará, capital: Belém: memória & coisas & loisas da cidade (2000).

A cidade é descrita por nomes que vão de Padre Vieira, passando por Vicente Salles e Eidorfe Moreira. “Mas o que finalmente nos ensina esse texto de Haroldo Maranhão [...] é que uma cidade só pode ser lida como antologia por meio das diferentes escritas, das linguagens de seus escritores, que lhe deram no tempo uma forma de sentido intemporal”. Escreve, no prefácio, Benedito Nunes, um de seus maiores amigos e críticos de sua obra. Em 2005, o ensaísta organizaria uma coletânea de contos de Haroldo intitulada Feias, quase cabeludas, uma excelente amostra de sua inventividade.

Antes de sua morte, Haroldo não desistira de encontrar uma imagem, a de Felippe Patroni, o pioneiro da imprensa no Pará, fundador do jornal O paraense, que teve papel determinante na Cabanagem, e que se tornara o protagonista do seu romance Cabelos no coração (1990).

Haroldo perseguia uma imagem. Mas já havia nos dado algumas das melhores imagens fantásticas, memorialísticas, ficcionais históricas, que um escritor poderia alcançar. Conseguiu nos deixar exemplos de versatilidade temática e narrativa, raramente vistos entre escritores até mais famosos – e, não poucas vezes, menos talentosos - que ele.

Em 2017, Haroldo Maranhão completaria 90 anos. Ele, que dizia que escrevia feito um possesso (“como se me restassem horas de vida” - Senhoras e senhores, 1989), precisa ser reeditado, lido, divulgado, estudado. É preciso lhe dar a imagem que ele, inequivocamente, merece.


Relivaldo Pinho é pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 08 de agosto de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 16/8/2017 às 12h54


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DSENVOLVER A MEMÓRIA
JOYCE D.BROTHERS E EDWARD P. EAGAN
RECORD
R$ 11,10



SURPREENDENTE CRUZ
ANTÔNIO DOMINONI
DESCOBERTA
R$ 10,00



SHAKESPEARE - OTELO (TEATRO INGLÊS)
WILLIAM SHAKESPEARE
EDIOURO
(1969)
R$ 12,00



ONDE CANTA O SABIÁ
NADIR BRANDÃO
HD LIVROS
(2000)
R$ 6,00



ARTE NOS SÉCULOS VOL VI A CIVILIZAÇÃO INDUSTRIAL
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 25,00



MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
MACHADO DE ASSIS
CEDIC
(2009)
R$ 5,00



HISTÓRIA DO MUNDO PARA CRIANÇAS - MONTEIRO LOBATO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MONTEIRO LOBATO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



ON AGGRESSION
KONRAD LORENZ
A HARVEST BOOK
(1974)
R$ 22,00



O LIVRO DE MÓRMON
THE BOOK OF MORMON (TRADUTOR)
IGREJA STOS. ÚLTIMOS DIAS
(2013)
R$ 5,00



A ARTE DA GUERRA
SUN TZU- ADAPTAÇÃO E PREFÁCIO DE JAMES CLAVELL
RECORD
(1999)
R$ 9,90





busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês