Metropolis e a cidade | Relivaldo Pinho

busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ian Carvalho lança EP 'Morpheo In Eros'
>>> Semivelhos lança inédita 'Vai Chover'
>>> O que há na mente de Deus?
>>> Antropólogo discute autonomia dos símbolos e seu papel na criação da cultura
>>> Opressão violenta do consumo é abordada de forma onírica no espetáculo Quarenta e Duas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
>>> Ação e reação
>>> Fio de Eros IV
>>> Fio da meada
>>> Interlocutores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Crowdsourcing, o livro de Jeff Howe
>>> A paixão segundo Gero Camilo
>>> Mulheres fantásticas e futuristas
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> Sobre responsabilidade pessoal
>>> E-mail (devassado) para meu filho
>>> O desespero de Bush
Mais Recentes
>>> Estatística Básica
>>> MBA pra quê?
>>> Leitura dinâmica para iniciantes
>>> Mapas Mentais
>>> O Processo da Pérola - Identifique a Melhor Fase para a Sua Transformação
>>> O Mentalista: sei o que você está pensando - todos os segredos para ler a mente
>>> A Lista de Schindler
>>> Pense Dentro da Caixa
>>> Ética e Competência
>>> Resultados previsíveis em tempos imprevisíveis
>>> Faça Ser Fácil
>>> Thomas Piketty e o Segredo Dos Ricos
>>> Profissões do Futuro: Você Está no Jogo?
>>> O Empreendedor - Como Se Tornar Um Líder de Sucesso
>>> Planejamento Estratégico Pessoal
>>> Madre Tereza, CEO
>>> Seleção e Entrevista por Competências
>>> A Nova Lógica do Sucesso
>>> Mapas Estratégicos
>>> A Execução Premium
>>> Alinhamento
>>> A Estratégia em Ação Balancerd Scorecard
>>> O Estilo 80/20
>>> Ah, se eu soubesse: o que pessoas bem-sucedidas gostariam de ter sabido 25 anos atrás
>>> O Segredo
>>> A magia
>>> O Instinto do Sucesso
>>> Sabedoria Financeira
>>> Quero Ficar Rico
>>> O Primeiro Milhão Para Casais - Como Economizar e Enriquecer Juntos
>>> Auto-Responsabilidade: a chave para uma vida de realizações e conquista - um manual prático para reconstrução de crenças
>>> Eu, Líder Eficaz (Q.E.) - Manual prático de liderança pessoal e profissional - como ferramentas de programação neurolinguística e inteligência emocional
>>> Fator de Enriquecimento
>>> Cartas de Amor do Profeta
>>> O Dom Supremo
>>> O Demônio e a Srta. Prym
>>> Maktub
>>> Na Margem do Rio Piedra Sentei e Chorei
>>> Manual do Guerreiro da Luz
>>> Brida
>>> O Diário de Um Mago
>>> O Monte Cinco
>>> Veronika Decide Morrer
>>> As Valkírias
>>> O Alquimista
>>> A Oração que Deus entendia - 10
>>> Caderno de anotaçãoes II - 8
>>> O Valor das tradições - 9
>>> A cerimônia do chá - 7
>>> Seguindo a conciência - 6
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 11/9/2017
Metropolis e a cidade
Relivaldo Pinho

+ de 200 Acessos

Embed from Getty Images

Com um crescente som orquestrado surge um nome: Metropolis. Ele se mistura com a imagem que vai aparecendo da cidade-Babel e, em seguida, várias engrenagens fundindo-se em imagens. O som é rápido, angustiante, temeroso, como se as máquinas estivessem a nos perseguir. Surge o relógio impiedosamente girando seu ponteiro, aparecem novamente as engrenagens e o apito da fábrica soa anunciando a troca de turno.

Essa é a clássica abertura do nonagenário filme Metropolis (1927), de Fritz Lang, uma das mais importantes obras que se relacionam ao Expressionismo alemão. Importante por vários motivos conhecidos, por pertencer a esse movimento, pelo seu contexto histórico e social (a Alemanha pós-guerra, o desemprego e a inflação), por sua inovação técnica e dramática e por ser uma narrativa real e distópica, profética e consumada.

Esses elementos sempre são evocados para se falar do expressionismo e de Metropolis, o filme que mostra uma cidade futurista dividida entre os que moram confortavelmente na superfície em gigantescos prédios e aqueles que trabalham e vivem no subterrâneo, trabalhadores eternizados na sequência síntese na qual eles andam mecanicamente ao entrar e sair da fábrica.

“Os expressionistas não tinham por objetivo representar a realidade concreta. Interessavam-se mais pelas emoções e reações subjetivas que objetos e eventos suscitavam no artista e que ele tratava de ‘expressar’ por meio do amplo uso da distorção, da exageração e do simbolismo”, diz Luiz Carlos Merten em “Cinema: entre a realidade e o artifício”.

Com todas essas características, não por acaso, o movimento ficaria conhecido como um aviso, ou uma premonição, do que se seguiria na Alemanha, posteriormente, com o Nazismo. Na edição do filme lançada em 2010, já restaurada com o acréscimo de 30 minutos, há uma cena na qual, dentro de uma casa, elevadores sobem e descem, como cápsulas, e nos quais o habitante deve entrar para seguir o seu destino.



É uma cena aparentemente simples, mas ela pode muito bem ser pensada como um fragmento de uma sociedade na qual o indivíduo é parte de um sistema mecanizado que o condiciona como elemento orgânico, substituível, da cidade.

Em uma pequena nota de rodapé, Deleuze (1925-1995), em A imagem-tempo, faria alusão a essa relação entre massa e indivíduo nas formas estéticas, como teatro, cinema e ópera.

Diz Deleuze: “O teatro e a ópera se deparavam com o seguinte problema: como evitar reduzir a multidão a uma massa compacta e anônima, mas também a um conjunto de átomos individuais? Piscator, no teatro, impunha às multidões um tratamento arquitetural e geométrico que o cinema expressionista, e Fritz Lang, em especial, também adotará: é o caso das organizações retangulares, triangulares ou piramidais de ‘Metropolis’, só que é uma multidão de escravos”.

Não, não podemos ver unicamente essa relação como uma arquitetura maniqueísta, lembrando Freder (par de Maria) que vê Moloc, o deus, monstro-máquina, a devorar as pessoas. Mas, caminhando para o final do filme, desponta a cena na qual Freder alucinado vê a morte, o ceifeiro, a carregar a foice em sua direção. As plaquetas anunciam: “A morte desce sobre a cidade”.

A cidade então parece caminhar, inevitavelmente para o apocalipse, para o caos. Como aquela Metropolis tão sistematicamente organizada, arquitetonicamente erigida, sucumbe, justamente às maquinas que lhes construíram e aos homens que lhes sustêm, é o cerne dessa narrativa.

Não se trata de ver, hoje, uma luta, recorrente no cinema, entre homem e máquina. Mas trata-se de observar como a cidade surge como templo, em adoração e castigo. Continuamos a erguer uma maquinaria da qual nos glorificamos e com a qual nos sentimos, cada vez mais, impotentes e, antiteticamente, dominadores.

As cidades não são mais unicamente separadas entre espaços que não se relacionam, mas isso não diminuiu o caótico sentimento de que delas não pertencemos inteiramente. De que nosso mecânico caminhar, como autômatos a olhar para máquinas que agora portamos, permanece contido em uma ideia de que sempre, a cada passo, contraditoriamente, podemos nos libertar.

Isso também é um tipo de alucinação/fascinação na grande metrópole, mas colocamos uma película, uma tela, entre a urbe e nós e, resignados, como no final do filme – repudiado por Lang –, podemos até nos dar as mãos e seguir.


Relivaldo Pinho é pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 05 de setembro de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 11/9/2017 às 17h08


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DSENVOLVER A MEMÓRIA
JOYCE D.BROTHERS E EDWARD P. EAGAN
RECORD
R$ 11,10



SURPREENDENTE CRUZ
ANTÔNIO DOMINONI
DESCOBERTA
R$ 10,00



SHAKESPEARE - OTELO (TEATRO INGLÊS)
WILLIAM SHAKESPEARE
EDIOURO
(1969)
R$ 12,00



ONDE CANTA O SABIÁ
NADIR BRANDÃO
HD LIVROS
(2000)
R$ 6,00



ARTE NOS SÉCULOS VOL VI A CIVILIZAÇÃO INDUSTRIAL
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 25,00



MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
MACHADO DE ASSIS
CEDIC
(2009)
R$ 5,00



HISTÓRIA DO MUNDO PARA CRIANÇAS - MONTEIRO LOBATO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MONTEIRO LOBATO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



ON AGGRESSION
KONRAD LORENZ
A HARVEST BOOK
(1974)
R$ 22,00



O LIVRO DE MÓRMON
THE BOOK OF MORMON (TRADUTOR)
IGREJA STOS. ÚLTIMOS DIAS
(2013)
R$ 5,00



A ARTE DA GUERRA
SUN TZU- ADAPTAÇÃO E PREFÁCIO DE JAMES CLAVELL
RECORD
(1999)
R$ 9,90





busca | avançada
23590 visitas/dia
954 mil/mês