A máquina de escrever. | Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ

busca | avançada
26853 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Essa o Homer não vai entender
>>> Sinfonia nº 6, Beethoven
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Além do Mais
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Ah, essa falsa cultura...
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Santiago, de João Moreira Salles
Mais Recentes
>>> Uma poética de romance - Matéria de carpintaria - ed. revista e ampliada
>>> Bem lembrado : Ftd sistema de ensino
>>> Brasil: uma História a saga de um país
>>> The Hero With a Thousand Faces
>>> Treinamento total para jovens Campeões
>>> The American Folk Scenee
>>> Born to Win
>>> Novíssima Gramática Ilustrada
>>> Marketing Management, Millenium Edition
>>> Dicionário Básico de Filosofia
>>> Dicionario Técnico Industrial, Alemão Portugues
>>> Fundamentos dePsicologia Educacional
>>> As pedagogias do conhecimento
>>> The Extended Phenotype
>>> Parques de Diversões no Brasil
>>> Tabela de Composição Quimica dos Alimentos
>>> Estatistica Fácil
>>> Brazil's Second Chance
>>> Matemática Paiva Vol 2 Manual do Professor
>>> Matemática Paiva Vol 3 Manual do Professor
>>> Conexões com a Matemática Vol 2
>>> Conexões com a Matemática Vol 3
>>> Conexões com a Matemática Vol 1
>>> Matemática Paiva Vol 1 Manual do Professor
>>> Vade Mecum Jurídico + CD
>>> O Mistério do Lago
>>> Uma Vida de Milagres
>>> O Rei Irmandade da Adaga Negra
>>> Submundo
>>> Um Solto no Outro poesia
>>> O Menino Grapiúna
>>> Dicionário grego-português e português-grego
>>> Dicionário de latim-português
>>> Passo a Passo Microsoft Office Project 2007
>>> A Cultura do Dinheiro
>>> A Magia do Números
>>> Os Mortos nos falam
>>> Manon Lescaut
>>> O modernismo brasileiro e a língua portuguesa - 1ª ed.
>>> Os crimes de olho de boi - 2ª ed.
>>> Inconfidência no Império - Goa de 1787 e Rio de Janeiro de 1794
>>> O mistério do leão rampante
>>> Bibliografia sobre a juventude -1ª ed.
>>> Filosofia: Iniciação à Investigação Filosófica - 1992
>>> Mariguella - O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo
>>> Luís Carlos Prestes - Um Revolucionário Entre Dois Mundos
>>> Os Irmãos Karamabloch - Ascensão e Queda ...
>>> Josefa e sua Gente - Capa Dura e Sobre Capa Colorida
>>> Tostão: Lembranças, Opiniões, Reflexões sobre Futebol - 1ª Edição
>>> Estrela Solitária - Um Brasileiro Chamado Garrincha - 1ª Edição
BLOGS >>> Posts

Sábado, 21/10/2017
A máquina de escrever.
ANDRÉ LUIZ ALVEZ

+ de 500 Acessos

Não são normais os impulsos que me arrastam até bem perto de coisas antigas.

Se pudesse, moraria num antiquário, faria de velhos livros travesseiro, ouviria discos de vinil e manteria o olhar sereno, a voz calada, até ganhar a confiança da máquina de escrever jogada no canto fundo da loja, quase sem cor, num modo de mágoa, como se me cobrasse os tantos anos sem uma única visita.

Se houvesse gravado o instante do primeiro som das teclas invadindo meus ouvidos, ele não seria tão real como agora, quando aliso a máquina de escrever e apago o resto do mundo.

É aquele momento que o tempo – esse velho canalha e banguela – me arrasta até o ano de 1982.

Eu era um tímido rapaz do corpo esticado e dos cabelos ruins, repleto de ideais nunca concretizados.

A lida como aprendiz de ourives já havia me mostrado que eu não tinha habilidade suficiente para vencer naquela profissão.

Meu mestre, Gilberto Billerbeck, me falava, armado no seu assustador jeito sincero, quase todos os dias: “seu destino não é o metal, é o papel”.

Ele sabia o que falava: o alicate e as demais ferramentas judiavam das minhas mãos finas.

Eu precisava aprender a datilografar.

Ainda lembro com perfeição o lamber de dedos contando o dinheiro da matrícula, guardado na paciência de um monge, e a euforia assim que pude me sentar diante daquela que considerei a mais perfeita invenção de todos os tempos: a máquina de escrever.

O sistema quwrty logo dominei, em pouco tempo conseguia datilografar mais de quinhentos toques por minuto.

Aprendi ligeiro todos os movimentos, os dedos afundando as teclas, as mãos ágeis, quase um tapa, movimentando a alavanca, passando o carro para a linha de baixo, formando outro barulho inesquecível, como se fosse o eterno bater d'asas de um belíssimo pássaro. Tlec, tlec, tletlec, rec, rec, vupt!...

Era um tempo de medos, incertezas e tenebrosos segredos, daquelas coisas que só se confessa ao vento, mas naquele momento, o papel branco bem à frente dos olhos, pedia registros.

Escrevi desabafos no ritmo do barulho da máquina de escrever e depois joguei tudo no lixo.

Ah, que saudosismo bobo é esse provocando um fio fino de lágrima, quente e salgada, a riscar os meus olhos?

Ainda bem que não tem ninguém por perto

– eu choro, mas tenho vergonha – e lembro, naqueles tempos, os comandos usavam fardas.

Às favas com o seu autoritarismo!

Escrevi certa vez, marcando com tinta vermelha o papel virgem e branco, e depois completei, quase uma facada certeira na opressão, “se oprime o meu livre pensar e minha maneira de me expressar, és então meu inimigo!” frase forte que logo depois apaguei, com medo de perder várias coisas, principalmente me impedissem de escrever.

Anos depois, tornei a datilografar, na mesma letra vermelha e papel branco: Vencemos!”

Será?

. E foi na máquina de escrever o meu primeiro verso, torto, sem sentido, desprovido de sutilezas e ele também apaguei para nunca mais me aventurar em poesias, assim como elimineis com várias batidas na tecla X as sensações inconfessáveis que moça dos cabelos caracolados e boca carnuda, moradora da casa na esquina, me provocava.

Nem lembro mais o nome dela...

E agora, nesse canto úmido da loja de antiguidades, aliso com a ponta dos dedos o teclado da máquina de escrever e uma montanha de pensamentos me invade; quem sabe no futuro eu perca o resto de medo e escreva nela sobre tudo o que vivi - o corpo lasso, mas a mente sadia - somente para ouvir de novo aqueles barulhos confidentes de outrora e alimentar meu coração saudoso, sedento da vida, do ancião que desmorona e ainda guarda lembranças, doces, amargas, repletas de espantos, coisas que desde muito moço carrego e hoje já não me avassala.

Tlec, tlec, tletlec, rec, rec, vupt!...

Saí da loja de antiguidades levando nos braços a velha máquina de escrever, ansioso como um menino pobre que ganha um brinquedo.


Postado por ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Em 21/10/2017 às 14h32


Mais Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PAPADO E O DOGMA DE MARIA À LUZ DA BÍBLIA E DA HISTÓRIA
HERNANDES DIAS LOPES
HAGNOS
(2005)
R$ 13,60



VINTÉM DE COBRE MEIAS CONFISSÕES DE ANINHA - CORA CORALINA
ANINHA CORA CORALINA
GLOBAL
(1993)
R$ 17,00



AS PIADAS DE PLAYBOY
RICARDO SETTI (ORG.)
ABRIL
(1999)
R$ 10,00



VICTOR HUGO - OBRAS COMPLETAS (TEATRO FRANCÊS) - VOLUME 38
VICTOR HUGO
DAS AMÉRICAS
(1960)
R$ 30,00



A BÍBLIA À MODA DA CASA
PAULO NETO
REDE VISÃO
(2002)
R$ 18,60



STEPHEN KAUNG ( VIDA ESPIRITUAL )
STHEPEN KAUNG
RESTAURAÇÃO
(2014)
R$ 30,00
+ frete grátis



A ARTE DE FAZER MILAGRES
PAUL PEARSAL
PENSAMENTO
(1999)
R$ 21,90



OS PAVILHÕES DO PASSEIO PÚBLICO - THEATRO E CASINO BEIRA-MAR
JANE SANTUCCI
CASA DA PALAVRA
(2005)
R$ 19,90



LUA NOVA
STEPHENIE MEYER
INTRINSECA
(2008)
R$ 15,00



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - COLEÇÃO: OS MEUS CLÁSSICOS
JÚLIO VERNE - ILUSTRAÇÃO: CARLA NAZARETH
FTD
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis





busca | avançada
26853 visitas/dia
1,1 milhão/mês