Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto | Relivaldo Pinho

busca | avançada
17611 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
>>> Alma Nua
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
Mais Recentes
>>> O Encantador de Cães
>>> Paz Interior
>>> Marley & Eu
>>> Poder Sem Limites
>>> Milagres da Cura Prânica
>>> Um Dia Minha Alma se Abriu por Inteiro
>>> Auto-estima, Liberdade e Responsabilidade
>>> O Paraíso Fica Perto
>>> A Nova Dieta dos Pontos
>>> O Poder Dentro de Você
>>> Contos Antológicos
>>> Nova Gramática do Português Contemporâneo - 3ª ed. revista
>>> Prime Time (inglês para o ensino médio) - Volume Único - 2ª ed.
>>> Essential Grammar In Use - second edition
>>> As Medicinas Tradicionais Sagradas
>>> Espanha - Pequena História das Grandes Nações
>>> O Homem
>>> Teatros Do Corpo - O Psicossoma em Psicanálise
>>> Direito Tributário - Parte Geral
>>> Direito Civio - Contratos
>>> Meu Primeiro Milhão
>>> Lições Práticas de Processo Penal - O Caderninho do Criminalista
>>> Direito Financeiro na Constituição de 1988
>>> Poderosa - Diário de Uma Garota que Tinha o Mundo na Mão
>>> O Diário da Rua
>>> Os Invertebrados: uma Síntese
>>> Carta Aberta aos Gurus da Economia que nos Julgam Imbecis
>>> O Fim do Euro
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios
>>> O Futuro dos empregos
>>> A Economia Irracional
>>> O texto na TV- Manual de Telejornalismo
>>> Conto de escola
>>> O inimigo secreto
>>> A dama das camélias (adaptação de Carlos Heitor Cony)
>>> Santitos- sexo, humor y realismo en una novela mágica
>>> Chopin em Paris - Uma biografia 1ª ed.
>>> Jura?
>>> Fábulas palpitadas
>>> A árvore do Beto
>>> Carta errante, Avó atrapalhada, Menina aniversariante
>>> O gato que virou história
>>> O Senhor Pavão
>>> Quem tem medo de que?
>>> Quem tem medo de cachorro?
>>> O gigante monstruoso do lixo
>>> Chapeuzinhos coloridos
>>> Dois chapéus vermelhinhos
>>> Fábulas de Esopo
>>> O diario escondido da Serafina
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 7/12/2017
Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
Relivaldo Pinho





Uma coluna da Folha de São Paulo noticiou que o livro do paraense Edyr Augusto, Pssica (2015), virará filme, produzido pela O2 Filmes, de Fernando Meirelles. A realização ocorrerá, em Belém, em 2018. É uma grande notícia que traz, finalmente, para a “literatura da Amazônia” (a expressão é de Benedito Nunes) e brasileira, uma nova possibilidade de se voltar para essa escrita contemporaneamente regional e estilisticamente cosmopolita.

Seus romances foram traduzidos para o inglês e francês. Casa de caba, de 2004, foi editado em inglês como Hornet’s nest, pela Aflame books e em francês, com o título de Nid de vipères, pela Asphalte, 2015. Também publicados por essa editora foram Os Éguas (1998) e Moscow (2001), em um único volume (Belém et Moscow, 2015) e, neste ano, Pssica.


Reprodução


Seu primeiro romance, Os Éguas, já demonstrava claramente a que linha essa literatura seguiria. A representação da região e, principalmente, da capital Belém do Pará é completamente diferente de um regionalismo unicamente edificante, entoado pelos mais variados discursos. Belém, através de um investigador de polícia, surge em toda sua decadência moral e material. É corrupta, violenta, aterrorizadora.

Esse livro completará 20 anos no ano feliz que virá, mas ele, que já representava a cidade em permanente queda, talvez não pudesse imaginar que vaticinava apenas uma parte da decadência que viria.

Seus demais romances, e o livro de contos Um sol para cada um (2008), seguem a mesma trajetória. É sempre o caráter pulsional, pusilânime e putrefato a dominar o indivíduo comum, socialites, “homens de família”, políticos, ladrões de beira de rio, jovens afortunados, policiais, jornalistas e traficantes.

Não tenha, por isso, caro leitor, receio de ler; é violento, mas não é – abram alguns jornais e liguem em alguns canais de Tv – abjeto. Mas, desse mundo cão, o escritor não mostra apenas o cadáver, mas a realidade, que ele descreve em decomposição.

Pssica é um exemplo desse estilo. As tramas do livro não procuram ser explicadas por nenhuma tese sociologizante, nenhuma análise psicologizante, ou por um manual literário. Talvez, por isso, sua literatura foi há muito tempo ignorada pela análise acadêmica. Seu primeiro romance, de quase duas décadas, só ganhou uma apreciação da academia em 2011.


Reprodução


Mas isso, talvez, não queira dizer muita coisa. O presente costuma ser ignorado, quando nele apenas olhamos com os atrofiados olhos do passado – do passado de uma cidade, de uma região.

É na cidade que, em Pssica, a trama começa, com o rapto de Janalice, Jana. Ela é um dos personagens que atravessam a urbe e os rios como se, permanentemente, o barqueiro da morte, os conduzissem. Tráfico, prostituição, bandidos masoquistas, políticos pulhas e pessoas tentando se salvar.

É a região e suas águas, e não mais apenas Belém, que se tornam o cenário predominante desse livro. Essa violência no interior da Amazônia, e especialmente do Pará, em nada, como se sabe, é apenas uma ficção.

Nessa obra de Augusto, as paisagens (Belém, Marajó, Caiena) não parecem iguais somente pela decadência material que as ergue, mas pela semelhança espiritual de desolação desespero e decrepitude que a tudo, casas, moradores e forasteiros, habita.

Nessa escrita não-linear, de frases curtas, com gírias e termos regionais (algumas das principais características de seus romances), o tom detetivesco lembra os romances policiais e o estilo noir, elevando sua literatura – não apenas por isso – a um outro nível, mas, também, porque esse estilo retira parte da imagem ornamentada que estrangeiros e habitantes têm sobre o lugar.

Esqueçam o que leram e ouviram falar sobre a barbárie do interior regional, sobre piratas, ratos d’água e sobre turistas “perdidos”. É Pssicaa melhor representação, a melhor mímesis, dessa realidade.

O que os meios institucionalizados não descrevem, talvez caiba à literatura realizar. Os verdadeiros perdidos são os que nessas terras habitam, desterrados. É sobre eles, nessa obra, que parece pespegado um mal augúrio inescapável. Nesse mundo, as belas fotos, para quem é fotografado, nem sempre representam o paraíso.

Que a literatura de Augusto seja lida e vista. Mas lembremos que, na Amazônia, nas linhas do escritor paraense, como em Pssica, não há filtros que alterem a realidade.


Texto publicado em O Liberal, 07 de dezembro 2017, p. 02. E em: Relivaldo Pinho


Postado por Relivaldo Pinho
Em 7/12/2017 às 17h13


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEUSTSCH PERFEKT- EINFACH DEUSTSCH LERNEN! 10/OKTOBER/2010
JÖRG WALSER ( CHEFREDAKTEUR)
VERLAG
(2010)
R$ 14,60



O PEQUENO VAMPIRO
ANGELA SOMMER BODENBURG
MARTINS FONTES
(2007)
R$ 10,00



A ANTIGA ARTE DE CURA ESPIRITUAL
ERIC MAPLE
HEMUS
(1974)
R$ 8,90



BOX MAZE RUNNER
JAMES DASHNER
V&R
(2014)
R$ 80,00



O SENHOR DOS PESADELOS - COLEÇÃO VEREDAS
ELISABETH MAGGIO
MODERNA
(1991)
R$ 5,00



FREUD E E A CONSCIÊNCIA JUDAICA- DE ÉDIPO A MOISÉS
MARTHE ROBERT
IMAGO
(1989)
R$ 14,99



NERUDA PARA JOVENS - PABLO NERUDA (EDIÇÃO BILINGUE)
PABLO NERUDA
JOSÉ OLYMPIO
(2013)
R$ 6,00



O MENINO E O BRUXO
MOACYR SCLIAR
ÁTICA
(2009)
R$ 8,00



O LEITOR
BERNHARD SCHLINK
RECORD
(2009)
R$ 25,00



CONTOS DO ESCONDERIJO - ANNE FRANK
ANNE FRANK
RECORD
(1982)
R$ 13,00





busca | avançada
17611 visitas/dia
1,0 milhão/mês