O Peregrino | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
24651 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
>>> Premiado drama russo "Tigre Branco" marca estreia da nova faixa de filmes da TV Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
>>> Ação e reação
>>> Fio de Eros IV
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No Tungcast reloaded
>>> Van Halen Live Without A Net
>>> A arte de se vender
>>> The Accidental Billionaires
>>> Amores serão sempre amáveis
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Discos que me mudaram
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Ensaio sobre a Cegueira, por Fernando Meirelles
>>> ConaLit
Mais Recentes
>>> Paul McCartney - Uma Vida
>>> Ed Mort - Procurando o Silva
>>> O livro de Aron
>>> Robinson Crusoe
>>> A Resposta do Sucesso Está em Suas Mãos
>>> Teatro de Rua
>>> O Imperador-Deus de Duna (Livro 4)
>>> Frankenstein
>>> Tênis - Técnicas e táticas de jogo
>>> Japa e a Lenda dos Koinobori
>>> A Cidade Perdida de Marte/ I Sing the Body Electric
>>> Profissão: Jovem
>>> Sujeito Dagoberto
>>> As Máquinas do Prazer
>>> Matemática, uma Breve História - Vol. II
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos
>>> O Significado da Vida - Superando Obstáculos e Valorizando a Vida
>>> Devocional para Casais - Reflexões para uma Vida a Dois
>>> Australia Through Time - 2006 Edition
>>> Australia Sport Through Time - 2006 Edition
>>> Física 3ª Série - Coleção Quanta
>>> Física 3 - Ensino Médio - Manual do Professor
>>> Compreendendo a Física 2 - Ondas Óptica e Termodinâmica
>>> Física 2 - Interação e Tecnologia - Manual do Professor
>>> Física - 2ª Série - Coleção Quanta
>>> Física 1 - Mecânica - Manual do Professor
>>> Gramática da Língua Portuguesa - Nova Edição
>>> Matemática - 3ª Série - Coleção Porta Aberta
>>> A Conquista da Matemática - 4º Ano
>>> A Conquista da Matemática Teoria e Aplicação - 8ª Série
>>> Matemática - 6ª Série - 1º Grau
>>> Matemática - 8ª Série - 1º Grau
>>> Os Últimos Mistérios do Mundo
>>> Fotobiografia
>>> A Roda da Vida
>>> Seis Lições para os meus Filhos
>>> Iansã do Balé - Senhora dos Eguns
>>> O Efeito Sombra
>>> Atendimento ao Público nas Organizações
>>> O Beijo das Sombras - Academia de Vampiros 1
>>> Peça-me o que Quiser
>>> Para Sempre Sua
>>> Profundamente Sua
>>> Toda Sua
>>> Encontro com Teilhard de Chardin e a Evolução das Religiões
>>> Os Bichos que Tive ( Memórias Zoológicas )
>>> Um mil novecentos e oitenta e quatro ( 1984)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda
>>> Como Resolver Conflitos- A Causa da Supressão- 2 volumes
>>> Aritmética da Emília - edição comentada
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 17/1/2018
O Peregrino
Raul Almeida

+ de 100 Acessos

A criatura coberta com um casaco esfarrapado, uma trouxa de pano passando pelo ombro e um galho seco, seguro pela mão direita a guisa de cajado, provocou desconfiança e medo em tantos quantos a viram chegando pela principal rua da vila

Em poucos minutos, as crianças foram recolhidas, os velhos se aboletaram nas janelas , as mulheres procuraram esconder-se e os homens, divididos em valentões, comuns e covardes, ficaram pelas poucas esquinas e portas dos comércios, fazendo poses e tentando mostrar alguma determinação e hostilidade ao andarilho. Durou pouco aquele medo todo. A porta da igreja, aberta, reverteu toda a aflição em curiosidade e simpatia.
O estranho localizou a casa divina e, caminhando sem fixar os olhos em ninguém, caminhou diretamente para la.
BR> O trajeto não excedeu os 10 minutos, durante os quais a conversa no barbeiro de 2 cadeiras, uma para o dono e a outra para um segundo figaro que nunca chegou e sempre ficou vazia, mudou imediatamente. De assuntos gerais sobre colheitas, futebol, e incorreções entre uma senhora e seu matrimonio compartilhado com o dono da farmácia, para o estupor da chegada de um invasor. Pior, um miserável.

Logo na cidade orgulhosa pela ausência de mendigos e de pedintes.

Aquilo era insuportável. Se o sujeito estivesse pensando em ficar por ali, ah, seria varrido de alguma forma, para outro lugar. Para a próxima vila, para a beira da rodovia federal, para longe, bem longe.

A conversa no bar, tambem, mudou para o mesmo objetivo: impedir a permanência daquele nojo ambulante, daquele vagabundo sujo e maltrapilho mais do que o tempo necessário para um copo d’agua. Ali não iria ficar nem meia hora, bradava o filho de um tradicional morador, proprietário de uma fazendinha, na verdade, um sitio, bem pertinho da cidade.
O rapaz, grandão e falastrão, era visto como bom partido pelas solteiras, e pouco apreciado pelos pais das mesmas, por sua fama de violento e pretensioso.
Pudera, era um dos riquinhos, se e que ter duas dúzias de vacas leiteiras em produção, algumas parcelas em lavoura, pasto, pomar, transforma alguém em rico. Bem, naquele lugar, era.

Ao seu comentário irado, somaram-se outros.
Os amigos do falador, lavradores temporários esperando alguma oportunidade, enfim, velhos tão ou mais vagabundos que o desconhecido, foram acrescentando detalhes ao melhor modo de expulsar o intruso, caso ele manifestasse, de alguma forma, a vontade de permanecer na vila.

Os absurdos verbalizados, nem de longe pareciam sair da boca dos fervorosos cristãos de todo domingo, dos piedosos e solidários cidadãos que se reuniam, rapidamente, para desatolar a vaca de algum vizinho, fazer uma visita ao mais recente candidato a moribundo, enfim, gente que sempre procurou mostrar o arrependimento de qualquer eventual pecado, a caridade, a união pelas boas ações, tudo em conformidade aos sermões e palestras proferidas pelo vigário.

O Andarilho, sem claudicar, ou tremer, caminhou pela rua, fora das calçadas, seguindo em direção a igreja. Parou diante da porta, trocou o cajado de mão, persignou-se e entrou, caminhando ate a primeira fila de bancos. Ainda apoiado no cajado, ajoelhou-se, voltou a persignar-se moveu a cabeça para cima, e fixou os olhos no crucifixo centenário, começando a murmurar uma oração.

O pessoal do bar e do barbeiro chegou e ficou olhando, pelo lado de fora da igrejinha , acompanhando a atitude e movimentação do maltrapilho.
Poucos instantes depois, algumas velhotas, outras nem tanto, uma ou outra criança, foram se ajuntando aos que já estavam na porta, observando tudo.

A voz do homem era audível, mas as palavras incompreensíveis. O falatório estava na altura exata de ser percebido, mas não compreendido.

A curiosidade do povo, agora quase toda a vila, era enorme.

Alguém lembrou de chamar o padre. Não foi possível. Tinha saído cedo e a igreja estava por conta de uma das dedicadas senhoras da congregação. Escondida na sacristia atrás do altar, escutava e olhava por uma fresta, o que aquele mendigo estava fazendo em sua igreja, limpinha, varrida e espanada. Que angustia.

Não entendia o que ele dizia, mas via bem a sua cara barbuda, cavada e calma. Aos poucos simpatizou com a figura. Parecia um peregrino.
Sim! Um peregrino, rezando em latim. Um homem santo, alguém que não dava valor a coisas materiais e tinha um modo próprio de adorar ao Senhor.

Tão logo entendeu tratar-se de um peregrino, saiu pela porta de trás da igreja e foi contar a novidade as amigas. Ainda não sabia da comoção em toda cidade com a chegada do estranho. Logo que deu a volta na construção santa, percebeu o enorme aglomerado de gente. Aproximou-se e, em voz baixa, pediu silencio para não atrapalhar o peregrino.

-Peregrino? Como assim?

A piedosa congregada, foi recuando e trazendo consigo a populaça, reunida na porta de sua linda igreja, varrida e espanada com fervor.

-Ele esta rezando em latim. Que nem o papa! Ele olha pra deus, e parece que fala com ele!

-Mas, como e possível, um mendigo roto, com uma trouxa nas costas ser um peregrino, comentou um dos mais céticos e menos assíduos nas missas.

-E um peregrino sim! Eu conheço! Respondeu a piedosa,cuidadora da igreja.
-E sim! Algumas outras congregadas começaram a repetir, em voz mais alta, chamando a atenção do pessoal mais próximo a porta.

O contestador calou-se.
Num passe de mágica, o maldito, o miserável, o imundo, o invasor, fora transformado em fiel penitente.

O melhor estava por vir.

A cidade aglomerada na porta da igreja, foi entrando com cuidado, e se ajeitando nos bancos. Primeiro no fundo ate lotar, completamente, inclusive nas laterais como acontecia todos os domingos, deixando livre, apenas, o banco do peregrino, que permanecia orando, olhando para a imagem, parecendo desconhecer o que estava se passando.

Nem meia hora após sua chegada, e a vila quase toda, estava ali ao seu lado, em oração e respeito.

Em dado momento, o peregrino levantou-se e caminhou em direção ao altar. Apenas alguns passos, seis ou sete, deixando sua trouxa e o cajado, no caminho de acesso.

Um rumor de surpresa e espanto foi ouvido: Ohhh!

Ninguém saiu do lugar.

O peregrino ajoelhou-se bem perto do crucifixo e começou a rezar, em voz alta e, em línguagem comprensivel.

Fez a primeira e a segunda mais conhecidas preces , pedindo perdão para os pecados de todos que ali estavam, pedindo saúde, enfim a formula geral de solicitações e petições ao divino, concluindo com um sonoro amen.

Todos responderam: amen!

Então uma voz alta e diferente do peregrino ecoou na pequena igreja:

Bem aventurados aqueles que tem fé.
Bem aventurados aqueles que acreditam.
Bem aventurados os de bom coração.
Bem aventurados os que ajudam aos que precisam.
Bem aventurados os que dão, pois irão receber em dobro.

A imagem respondera as preces!

O homem era um santo!
Milagre! Milagre! Milagre!
Gloria! Gloria! Gloria! Gloria!

Uma gritaria formidável, um estupor, dois enfartes, vários desmaios, a choradeira e euforia tomaram conta do ambiente e o peregrino, tão logo a voz se calou, procurou a porta da sacristia, aquela que servira de esconderijo para a piedosa, saindo em seguida, pela outra, a dos fundos, voltando para a rua.

Abriu a sua trouxa, tirou uma caneca e um prato de alumínio, peças logo arrancadas e disputadas pelos moradores ávidos em lhe dar água e comida. Abençoou a todos quantos beijaram suas mãos.
Agradeceu as roupas limpas e os sapatos substitutos das velhas sandálias.
Fez a barba no barbeiro, tomou banho na casa a piedosa, não recusou a coleta feita em seu nome e apreciou a carona ate a rodoviária.

Uma hora depois da saída do ônibus em direção a capital, sentado na primeira fila, ao lado da janela, deu uma conferida na coleta, levantou e avisou ao motorista que iria descer antes, na primeira parada.

Ali mesmo na parada, conseguiu uma carona com um caminhoneiro.

Durante a viagem, contou um pouco de sua historia. Era ventríloquo. Trabalhava em circo e teatro. Gostava do que fazia. De vez em quando participava dos grandes espetáculos da semana santa.

Desceu em Brasília.


Postado por Raul Almeida
Em 17/1/2018 às 11h28


Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NORMAS PRÁTICAS PARA A INTERPRETAÇÃO DO MAPA ASTRAL
STEPHEN ARROYO
PENSAMENTO
(1997)
R$ 25,99



A MENTE NA PSICOLOGIA BUDISTA
HERBERT V. GUENTHER E LESLIE S. KAWAMURA (TRADUTORES)
CULTRIX
(1990)
R$ 28,30



LEILA A FILHA DE CHARLES
DENISE CORRÊA DE MACEDO - ESPÍRITO ARNOLD DE NUMIERS
EME
(2016)
R$ 28,40



AS DAMAS DO VENTO
BERNARD GIRAUDEAU
RECORD
(2008)
R$ 10,00



VENDO CRISTO NO NOVO TESTAMENTO VOL 4 E 5
STEPHEN KAUNG
TESOURO ABERTO
(2009)
R$ 34,00



SACO & VANZETTI (A HISTÓRIA DE DOIS IMIGRANTES ITALIANOS CONDENADOS À MORTE) - HOWARD FAST
HOWARD FAST
EDIÇÕES BESTBOLSO
(2009)
R$ 6,00



A CIDADE E A INFÂNCIA
JOSE LUANDINO VIEIRA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 29,00



LIVRO DE RESPOSTAS - 3ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER DITADO POR EMMANUEL
CEU
(1980)
R$ 6,00



O PASTOR
FREDERICK FORSYTH
CÍRCULO DO LIVRO
(1995)
R$ 6,00



NUANCES DA MEMÓRIA
BETE GIACOMINI
LITERALIS
(2004)
R$ 10,00





busca | avançada
24651 visitas/dia
954 mil/mês